Peritos do Pará são treinados para uso de software americano

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

DivulgaçãoO Centro de Perícias Científicas Renato Chaves iniciou um treinamento para uso de dois programas de computador chamados Imaquest e Identquest, destinados a peritos do Instituto de Criminalística do Pará que fazem perícias de papiloscopia forense (impressão digital). Originados nos Estados Unidos, os programas representam o que há de mais moderno em uso no meio pericial. O Brasil passou a usá-los recentemente, em Minas Gerais e agora no Pará.

Os softwares de tratamento de imagem de impressão digital foram adquiridos com o objetivo de modernizar e auxiliar a polícia e a justiça nas centenas de inquéritos que exigem a atuação do perito criminal nos casos que lidam com a identificação humana por meio das impressões digitais, papilas dérmicas existentes nas pontas dos dedos, nas palmas das mãos e nas solas dos pés, que são únicas em cada indivíduo.

Ministrado pelo engenheiro químico e perito criminal da Policia Civil de Minas Gerais Jorn Seixas Junior e pelo representante da empresa americana no Brasil, Marcos Passagli, o treinamento é dividido em duas fases, teórica e prática, em que serão ministradas técnicas de revelação de fragmentos papiloscópicos, além de uso de luz forense e biossegurança.

Criado pela empresa americana Spex Forensics, especialista em tecnologias para papiloscopia em locais de crime, a nova tecnologia se soma às técnicas já usadas pelos peritos oficiais paraenses que atuam no Centro de Perícias Científicas. Para a perita criminal e gerente do setor de papiloscopia forense do Renato Chaves, Lilian Jane Paredes, o novo programa vai permitir uma análise mais segura e um tempo menor para a produção dos laudos.

“Entre os inúmeros avanços, a nova tecnologia vai nos ajudar a construir um banco de dados próprio, capaz de reduzir o tempo do processo de identificação, inclusive em comparações palmares, que antes não eram feitas pelos peritos criminais do Pará, pois são muito encontradas em cenas de crime”, detalha a perita.

A papiloscopia criminal representa os primeiros exames feitos nos locais de crime, seguida da parte laboratorial, em que são revelados os vestígios papilares latentes em materiais não visíveis a olho nu, objetos diversos ou no corpo de vítimas. O resultado da perícia é concluído com o confronto entre os dados coletados das vítimas e supostos suspeitos, objetivando a identificação da autoria do crime.

Outra aliada da investigação criminal é a papiloscopia civil, que trata dos procedimentos da identificação de pessoas por meio das impressões digitais em papel, como em cédulas de identidade, por exemplo. Hoje, este trabalho é feito pela Diretoria de Identificação (Didem) “Enéas Martins”, pertencente à Polícia Civil do Pará, que atua em parceria com o centro nos processos de identificação de corpos não reclamados que dão entrada semanalmente no Instituto Médico Legal (IML), em Belém.

Fonte: Agência Pará de Notícias

Publicidade

Relacionados