“Peneira” deixa só 2 concorrendo a contrato do campus da Uepa em Parauapebas

Três empresas tentaram de tudo para impugnar edital, mas não conseguiram. Por fim, restaram Laca e White na disputa pelos R$ 18 milhões previstos para primeira fase do sonhado campus.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Nesta segunda-feira (30), foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) mais um passo sobre o processo de construção do tão aguardado campus da Universidade do Estado do Pará (Uepa) em Parauapebas, obra com valor estimado em R$ 18.321.480,88. A novidade da vez é que, por descumprir exigências previstas no edital da concorrência organizada pela Secretaria Municipal de Obras (Semob), uma das três candidatas ao contrato acabou inabilitada. Agora, apenas duas estão no cara a cara.

De acordo com a Comissão Permanente de Licitação (CPL), a empresa CHR Edificações não apresentou itens de relevância expressos no edital e ficou de fora, enquanto as concorrentes Laca e White Tratores fizeram tudo como manda o figurino. As duas empresas seguem na expectativa da apreciação de suas propostas comerciais.

Antes da etapa de habilitação, outras duas empresas que farejavam o contrato da construção da primeira parte do prédio da Uepa investiram contra o edital e tentaram impugnar o documento. As empresas SMC Serviços e Multisul até tentaram, mas os pedidos foram negados pela CPL, que respondeu e contestou as alegações das empresas. A própria CHR também entrou com pedido de impugnação do edital, mas não conseguiu êxito.

Com isso, o processo da Uepa segue em sua fase burocrática e o campus, muito aguardado pela sociedade de Parauapebas, está prestes a ter o simbólico primeiro tijolo assentado. A capital do minério tem atualmente 62.700 pessoas com apenas o ensino médio completo e a Uepa está de olho nesse filão. A universidade pretende ofertar no município três graduações regulares (licenciaturas em Biologia e Matemática mais bacharelado em Desenvolvimento de Software), uma quarta graduação exclusiva à comunidade indígena (licenciatura Intercultural), além de especializações e até mestrados.

Em 2020, a luta pela instalação da Uepa no município completou aniversário de 12 anos. A instituição, que pretendia abrir seletivo e iniciar turmas em Parauapebas no primeiro semestre deste ano, teve de mudar seu cronograma por conta das imposições da pandemia de coronavírus, que paralisou as atividades acadêmicas na capital e no interior. Agora, a Uepa trabalha com a possibilidade de iniciar seus cursos no mês de março de 2021, conforme revelou fonte da instituição ao Blog e que está trabalhando no replanejamento do novo calendário acadêmico.

Publicidade