Parauapebas e Belém lideram geração de empregos no Pará

Agosto entra para história como um mês inesquecível e quando os dois mais ricos municípios do estado arregimentaram mais de 1.000 trabalhadores com carteira assinada de uma só vez.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Em agosto, os dois mais ricos municípios paraenses bateram recorde para o mês na geração de postos de trabalho com carteira assinada. Parauapebas e Belém, que estão entre os principais empregadores do Brasil atualmente, abriram mais de 1.000 novas vagas cada um, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que foi liberado na tarde desta quarta-feira (30) pelo Ministério da Economia. As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu.

De acordo com o Ministério da Economia, Parauapebas registrou saldo líquido de 1.728 novas oportunidades em agosto, enquanto Belém computou 1.365. Castanhal (711), Canaã dos Carajás (689), Barcarena (448), Pacajá (440), Marabá (428), Tomé-Açu (368), Tailândia (319) e Santarém (286) completam o time dos dez municípios que mais geraram empregos celetistas no estado.

Por outro lado, o município de Dom Eliseu foi o que apresentou o pior saldo no estoque, com 84 demissões a mais que contratações. Além dele, registraram baixas significativas em termos de volume Santana do Araguaia (-76), Moju (-38), Cumaru do Norte (-20), Rio Maria (-17), Santo Antônio do Tauá, Santa Bárbara do Pará e Curuá (-13 cada), Belterra (-12) e Salvaterra (-11).

Ao todo, 42 municípios paraenses tiveram ao menos uma demissão a mais que contratação, encerrando agosto com saldo negativo; 15 localidades tiveram saldo zerado, quando o volume de contratados é o mesmo de demitidos, como foi o caso de Capanema, que contratou 136 e demitiu 136; e 87 municípios fecharam o mês no azul, com mais contratações que demissões.

O Blog levantou que o Pará criou 26.983 postos de trabalho em agosto e demitiu 17.365 trabalhadores no período. O saldo do estado é positivo em 9.618 oportunidades. No acumulado do ano, o saldo paraense é de 12.264 postos. Como há muito tempo não se via, todas as 27 Unidades da Federação empregaram mais que demitiram em agosto, claro sinal da franca recuperação da economia do país.

Parauapebas é 2º do Brasil

Nesta rodada de apuração, o Blog do Zé Dudu observou que, no acumulado do ano, Parauapebas perdeu o posto de maior empregador do país para a capital do Maranhão, São Luís. Lá já são 5.889 empregos com carteira assinada líquidos desde 1º de janeiro, enquanto no município paraense famoso pela produção mineral são 5.824. A disputa ainda não está fechada e o campeão da geração nacional de empregos em 2020 só ficará conhecido no final de janeiro do ano que vem, quando o Caged referente a dezembro for liberado.

Depois de Parauapebas, os municípios mais bem colocados em nível nacional são Canaã dos Carajás, com 1.652 empregos (20º); Pacajá, com 1.399 (27º); e Marabá, com 671 (93º entre 5.570 municípios). Marabá foi o município paraense onde o mercado de trabalho se recuperou mais rápido porque começou o ano desempregando aos montes e conseguiu reverter o cenário para um ambiente de contratações volumosas.