Parauapebas é 3º e Canaã é 4º do Brasil em exportações

Municípios do reinado do minério de ferro se destacaram ao longo de 2019, sendo que Canaã viu transações explodirem. Barcarena e Marabá também estão entre os 30 principais do país.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Ministério da Economia acaba de divulgar os resultados finais da balança comercial por município em 2019, e dois representantes paraenses ocupam o top 5: Parauapebas, maior produtor nacional de minério de ferro, e Canaã dos Carajás, segundo maior produtor da mesma commodity. Quando a lista é estendida para os 30 maiores exportadores, os nomes paraenses ganham reforços de Barcarena e Marabá. As informações foram levantadas nesta terça-feira (7) com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que analisou o desempenho das principais praças econômicas do estado em nível nacional.

Parauapebas, que ocupa o topo das exportações brasileiras há mais de uma década, sempre oscilando da 1ª à 5ª colocação, teve exportados 6,87 bilhões de dólares em commodities, com destaque para a presença maciça do minério de ferro, cujas remessas enviadas ao exterior totalizaram 6,78 bilhões de dólares. Em segundo lugar, as exportações de manganês originárias do município somaram 78,34 milhões de dólares.

Já de Canaã dos Carajás partiram 4,85 bilhões de dólares em produtos, com destaque para o minério de ferro, no total de 4,46 bilhões de dólares, e cobre em concentrado, que teve exportados 366,96 milhões de dólares. Canaã, diga-se de passagem, é o município onde as exportações mais evoluíram de 2018 para 2019, em razão do avanço da produção física na mina de S11D, Serra Sul de Carajás.

Barcarena, 25º maior exportador do país, exportou 1,72 bilhão de dólares no ano passado por meio de várias especiarias locais, com destaque para o óxido de alumínio (1,26 bilhão de dólares), alumínio bruto (214,04 milhões de dólares), caulim (132,85 milhões de dólares), soja (78,51 milhões de dólares) e boi vivo (19,27 milhões de dólares).

Por seu turno, o município de Marabá assistiu à exportação de 1,57 bilhão de dólares em produtos da terra, em que o concentrado de cobre é o carro-chefe do portfólio, com 1,34 bilhão de dólares transacionados. Marabá, aliás, é o maior produtor de cobre do país, tendo movimentado quase quatro vezes mais em exportações que Canaã dos Carajás, antigo líder do segmento. Além do cobre, Marabá exportou 186,79 milhões de dólares em manganês, mais que o dobro de Parauapebas, e 33,07 milhões de dólares em carne bovina congelada.

Rali do minério

A produção física exportada de minério de ferro pela mineradora multinacional Vale no Pará despencou de 190,37 milhões de toneladas (Mt) em 2018 para 177,17 milhões de toneladas em 2019, de acordo com o Ministério da Economia. A alta no valor em dólar das exportações, porém, ocorreu em razão da valorização da tonelada do produto no mercado internacional.

Parauapebas registrou 105,56 Mt em 2019, segundo menor volume da década. Em 2018, a produção totalizou 127,12 Mt. A redução na produtividade física foi de aproximadamente 20%. Já Canaã dos Carajás viu sua produção subir de 59,42 Mt em 2018 para 69,27 Mt, o que, em termos proporcionais, corresponde a pelo menos 16%. Por seu turno, Curionópolis assistiu a uma redução drástica de mais de 60%, tendo em vista o declínio do volume físico de 3,83 Mt em 2018 para 2,34 Mt em 2019 em decorrência da paralisação das atividades da mina da Serra Leste de Carajás.

Confira a lista preparada pelo Blog do Zé Dudu com o valor das exportações dos 30 principais municípios do país em 2019!

Publicidade