Parauapebas concentra 43% dos casos de Covid-19 entre maiores mineradores do país

Entre 20 principais nomes da produção mineral, Capital do Minério de Ferro é o mais letal, com sete óbitos até o momento, mesmo não sendo o mais populoso do grupo; segundo colocado tem metade de casos positivos e maior parte dos municípios não tem uma confirmação sequer.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Entre pressupostos de não respeito ao isolamento social para conter a pandemia do novo coronavírus e da intensa circulação diuturna dos trabalhadores das minas de Carajás, que se aglomeram em ônibus, a Covid-19 deixa um rastro horripilante em Parauapebas, município que se tornou o epicentro da pandemia no interior do Pará.

Nele, onde a mineradora multinacional Vale não para um segundo a fim de bater metas de produção, tendo retirado 2,5 bilhões de toneladas do melhor minério de ferro do globo ao longo de 35 anos, o número de casos confirmados é alarmante para uma população estimada em aproximadamente 209 mil habitantes.

Nesta segunda-feira (27), com 109 casos de Covid-19 e sete óbitos atestados até as 17h45, Parauapebas ocupa 3º lugar no Pará e 70º no Brasil em números gerais de positivados pelo coronavírus. As posições simulam seu destaque econômico no país, já que é o 3º que mais exporta e tem uma das 70 prefeituras mais ricas, tudo isso em meio a 5.570 municípios. Mas essa corrida acelerada para registrar casos da Covid é inglória e gera desconforto.

Inclusive, se for considerado o porte populacional de Parauapebas (5º mais populoso do Pará e 149º no Brasil), verifica-se que a “Capital Nacional do Minério de Ferro”, em franca transmissão comunitária do vírus, está em plena efervescência do inimigo invisível e letal, com média de um caso confirmado para cada grupo de 1.970 pessoas.

E a estatística pode ser ainda pior, a julgar por suspeitas de profissionais de saúde, segundo os quais o total de casos reais certamente esteja dez vezes acima do total de confirmações, o que caracteriza subnotificação de registros. É que nem todas as pessoas que têm sintomas clássicos da Covid-19 — como a falta de ar — são testadas, e mesmo as que são nem sempre são positivadas, em razão de fazerem teste fora do período de carga viral suficiente para obter um resultado positivo no diagnóstico.

Tradição operária turbina o vírus

Uma das suspeitas para que o coronavírus tenha encontrado campo fértil na terra do minério está no comportamento de uma parte da população, que tem ignorado as recomendações de distanciamento social e confinamento, medidas eficientes para evitar a disseminação do contágio. No último domingo (26), o Pará se tornou o estado número 1 no cumprimento do isolamento social, com taxa de 60,57%. O ideal preconizado pelos órgãos oficiais de saúde é de 70%.

Mas Parauapebas está longe desse ideal, já que a taxa de isolamento municipal está estacionada em 55%, abaixo da média estadual. E não deve conseguir alcançar o ideal mínimo, visto que, por sua tradição operária, a circulação de trabalhadores não para. No município, 37 mil pessoas estão formalmente empregadas na iniciativa privadas, 7.300 delas apenas na indústria mineral. Embora a Vale, por medida de precaução, tenha adotado trabalho remoto e mandado para casa empregados do grupo de risco, a esmagadora maioria de seus profissionais, que atuam na operação, segue subindo para as minas de Serra Norte e, invisivelmente, contaminando e sendo contaminado.

Considerada por muitos habitantes um vetor ativo de transmissão do coronavírus em Parauapebas, a Vale, por outro lado, está erguendo no município um hospital de campanha com 100 leitos para atender pacientes de Covid e tem feito doação de equipamentos de proteção individual (EPIs), além de kits de testes rápidos. Mas em Parauapebas, onde ela movimentou entre janeiro e março deste ano R$ 7,48 bilhões em minérios, a situação de transmissão da Covid é crítica.

Situação dos outros mineradores

O Blog do Zé Dudu levantou que nos 20 municípios com maiores operações minerais do país este ano, grande parte com a presença da Vale, Parauapebas é disparado o campeão em Covid. Bate com larga folga Marabá, que tem 70 mil habitantes a mais e até o momento registra 13 casos e quatro óbitos. Nesse conjunto de municípios, Parauapebas sozinho responde por 44% dos óbitos e por 43 dos casos confirmados até o momento, o que revela a descontrolada disparada no maior produtor de recursos minerais do país.

Porém, a Vale não parece ser problema em outros lugares onde está presente e com atividade intensiva também. Em Itabira (MG), por exemplo, que tem pouco mais da metade da população de Parauapebas, só há oito casos e apenas um óbito. O município minerador com maior número de casos depois de Parauapebas, Nova Lima (MG), sequer tem a presença da gigante do minério de ferro.

Esse outro recorte pode pôr em cheque a hipótese de que a Vale, e somente ela, seja responsável pela alta taxa de incidência de Covid na capital do minério, desconsiderando o hábito de boa parte da população que tem dificuldade de cumprir orientações preventivas, como ficar em casa até a pandemia baixar.

Nesta segunda-feira, aliás, manifestantes queriam se aglomerar e fazer carreata em prol da reabertura do comércio da cidade. Mas a justiça, acionada pelo Ministério Público, entrou em ação rapidamente e proibiu a realização do ato, estourando mais um foco de disseminação e proliferação potencial da doença. Na cidade que não para e onde a Covid-19 não descansa, nem todo mundo está disposto a contribuir.

Publicidade