Pará vai ajudar o Brasil a dobrar a produção de cacau

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Além desse estado, especialistas acreditam que outras regiões de pouca tradição na produção das amêndoas passem a apostar na cultura.

A cada safra, o Pará demonstra que possui grande potencial para elevar a produção de cacau do país e torná-lo autossuficiente. A produtividade média registrada no estado já é três vezes maior que a da Bahia. Com isso, as metas são ambiciosas e espera-se que o Brasil dobre a sua produção de amêndoas em 10 anos.

A estimativa realizada pela Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira do Pará (Ceplac-Pará), para a safra de cacau do estado, é de 115 mil toneladas em 2015/2016, possivelmente maior que a da Bahia, até então principal produtor do país. “Pelos dados da Ceplac, nós alcançamos uma média acima de 900 quilos por hectare de cacau, o que é aproximadamente três vezes mais do que a Bahia produz”, contou o secretário de desenvolvimento agropecuário do Pará, Hildegardo Nunes, durante o Fórum Estadão – A Importância do Cacau na Economia Brasileira.

A produção de cacau rendeu aos cofres paraenses mais de R$ 600 milhões na última safra. “Temos a maior produtividade do mundo. Isso nos dá competitividade no setor e lucratividade para o produtor bem interessantes”, ressalta Nunes.

Outra razão apontada para o crescimento da produção brasileira de cacau é o início do cultivo em áreas que ainda não têm tradição na cultura, como Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, entre outras. “Em Sergipe, o cacau substituiria a citricultura. No Ceará, foi iniciado uma experiência com cacau no município de Russas. (Também poderia ocorrer) O mesmo na Bahia, em Barreiras, por exemplo”, afirma o diretor da Ceplac, Sérgio Murilo Correia Menezes.

Ideias e projetos não faltam. Indústrias, produtores e pesquisadores vêm se unindo para encontrar meios que aumentem a produtividade, principalmente melhorando a assistência técnica. A meta do setor é voltar à marca de 400 mil toneladas por ano, que o país atingia quase trinta anos atrás, antes do aparecimento da praga vassoura-de-bruxa. A atual expectativa da produção nacional é de apenas 215 mil toneladas, 20% menor em relação à temporada anterior, devido à forte estiagem que afetou a Bahia. Com isso, o Brasil precisou importar quase 55 mil toneladas de cacau, quatro vezes mais do que foi comprado em todo o ano passado, para atender à oferta. “Hoje, temos que importar para manter as fábricas rodando e cumprir os compromissos já assumidos”, ressalta Eduardo Brito Bastos, diretor da Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC), após a apresentação de sua palestra no Fórum Estadão, que aconteceu em São Paulo.

Fonte: Ceag