Pará tem “um Marabá” de inscritos no Enem de 2019

Um de cada quatro inscritos falta a um dos dois dias de prova e, portanto, é eliminado. Maior parte dos candidatos vem de escola pública estadual, que oferece 2º pior ensino do Brasil.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou o número oficial de inscritos na edição deste ano do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a maior porta de acesso ao ensino superior público do país. O Pará tem 279.603 candidatos aptos a fazerem as provas do exame, que ocorre nos dias 3 e 10 de novembro. É como se uma população inteira do tamanho de Marabá se movimentasse exclusivamente para o Enem no estado.

As principais instituições de ensino paraenses, como a Universidade Federal do Pará (UFPA), a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), a Universidade do Estado do Pará (Uepa), a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) e o Instituto Federal do Pará (IFPA) lançam mão das notas do Enem para seleção de novos alunos regulares.

Em termos de volume, o Pará só perde para São Paulo (816 mil), Minas Gerais (535 mil), Bahia (395 mil), Rio de Janeiro (340 mil) e Ceará (295 mil) em quantidade de inscritos. A edição deste ano tem 5.095.382 candidatos na disputa. O número ainda pode subir porque algumas inscrições ainda se encontram em análise de recurso.

As mulheres este ano totalizam 168.681 inscritas, o correspondente a 60,3% do total. A maioria dos candidatos tem 18 anos (35.172) e declarou cor parda (191.446). As cidades que mais têm candidatos são Belém (79.512), Ananindeua (23.2016), Santarém (16.762), Marabá (13.196), Parauapebas (8.265), Castanhal (7.930), Altamira (7.255), Abaetetuba (6.956) e Cametá (6.779).

O Blog do Zé Dudu levantou que, no ano passado, o Enem registrou 283.861 inscritos no Pará, número pouco maior em relação a este ano — eram 113.668 homens e 170.193 mulheres. Desse total, 209.575 estiveram presentes aos dois dias de prova, o correspondente a 73,8% do total.

2º pior ensino médio

Em meio ao volume considerável de inscritos, um quarto está concluindo o ensino médio este ano e, entre estes, 73% vêm de escolas públicas. O Pará, não é demais lembrar, possui a 2ª pior rede de ensino médio público do país, com Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) apurado em 2,8 na última avaliação do Ministério da Educação (MEC), de 2017. Só a Bahia conseguiu nota ainda pior: 2,7. A meta projetada para o estado nortista, nota 4 em 2017, parece inalcançável até mesmo este ano, em que será realizado o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), do qual será apurado o novo Ideb.

Nas escolas paraenses de ensino médio, só 15 ou 16 alunos, de cada 100, dominam português e apenas 4 têm aprendizado adequado em matemática.

Publicidade

Relacionados