Organização Mundial de Saúde declara surto de coronavírus uma “emergência de saúde pública”

Diretor geral da OMS expressou preocupação pelos países com sistemas de saúde mais fracos, dizendo que "todos devemos agir juntos agora para limitar a disseminação"
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Brasília – A OMS declarou uma emergência mundial de saúde pública por causa da propagação do vírus fora da China, descrevendo-o como um “surto sem precedentes”.

O número total de casos fora da China chegou a 98 em 18 países, disse Tedros Adhanom, diretor geral da OMS, em entrevista coletiva transmitida ao vivo pela internet de Genebra, na Suiça.

Oito casos fora da China se espalharam por contato humano a humano, na Alemanha, Japão, Vietnã e EUA. Atualmente, não há mortes fora da China.

Elogio à China, mas preocupação com sistemas de saúde mais fracos

A organização parabenizou a China, dizendo que a declaração não era um voto de confiança no país; pelo contrário, “a OMS continua confiando na capacidade da China de controlar o surto.”

Os organizadores elogiaram as “medidas extraordinárias adotadas”, apesar do impacto social e econômico no povo chinês. “Teríamos visto muitos outros casos fora da China e provavelmente mortes”, disse Adhanom, se não fosse pelo trabalho.

No entanto, Adhanom expressou preocupação pelos países com sistemas de saúde mais fracos, dizendo que “todos devemos agir juntos agora para limitar a disseminação”. Ele disse que a OMS está disposta a apoiar esses países de qualquer maneira possível.

Ele aproveitou a coletiva de imprensa para agradecer aos esforços dos profissionais das redes de saúde da China, que têm trabalhado “24 horas por dia e sete dias por semana”. O diretor-geral da OMS fez, ainda, um apelo para que as fake news sobre a crise sejam combatidas para evitar a desinformação.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu, em Brasília.

Publicidade