Operação “Amazônia Viva” flagra área de mais de 11,5 mil hectares desmatada ilegalmente no Pará

O dado faz parte do balanço da 14ª etapa da opção, que fez a apreensão de maquinários e equipamentos usados em atividades ilícitas e destruiu acampamentos utilizados para a exploração clandestina de madeira no sul e sudoeste do estado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Os fiscais da Semas e agentes de instituições parceiras apreenderam madeira, maquinários e destruíram acampamentos

Continua depois da publicidade

Nesta sexta-feira (30), a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) divulgou os resultados da 14ª Operação “Amazônia Viva” de combate ao desmatamento ilegal no Pará, realizada este mês. Os alvos foram os municípios São Félix do Xingu, no sul do Pará, e Altamira e Novo Progresso, no sudoeste do estado. Os municípios estão na lista dos que mais desmatam no estado.

A operação é coordenada pela Semas em atuação integrada com a Polícia Civil, Polícia Militar, Bombeiros e Centro de Perícias Renato Chaves. Nessa fase foram apreendidos maquinários e equipamentos usados em atividades ilícitas e destruído acampamentos utilizados para a exploração clandestina de madeira.

De acordo com a Sems, após a verificação por imagens de satélite, as equipes constataram, em campo, uma área total de 11.586,22 hectares desmatada ilegalmente nas duas regiões. A operação destruiu 13 acampamentos, dois tratores de pneu, um trator esteira, quatro motocicletas, 33 motosserras, dois camburões de combustível com capacidade para 200 litros, uma serraria do tipo “induspan”, três geradores de energia elétrica, seis baterias, caixa de ferramentas, rádio comunicador, duas bombas d’água e 200 litros de combustível.

Também foram apreendidas sete armas de fogo e 77 munições. Os policiais militares efetuaram 22 boletins de ocorrência, quatro Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO), sete inquéritos por portaria e realizaram 33 perícias.

A Operação “Amazônia Viva” realizou ações em São Félix do Xingu, Altamira e Novo Progresso

Ainda segundo o balanço, os fiscais da Semas e a equipe apreenderam 492,65 m³ de madeira nativa em tora, 80,14 m³ de madeira serrada e 95 estacas. Foram lavrados 23 autos de infração, 43 termos de apreensão, 31 termos de depósito, dois embargos, 12 termos de destruição, uma interdição de serraria e uma notificação. Também foram lavrados onze termos de doação para entidades carentes de todo o mantimento apreendido.

Balanço: A Operação “Amazônia Viva” combate o desmatamento ilegal em áreas de gestão estadual, como parte da macroestratégia do Plano Estadual Amazônia Agora (PEAA), que visa à redução da emissão de gases de efeito estufa no Pará. A ação faz parte da Força Estadual de Combate ao Desmatamento, um dos eixos do PEAA.

A operação começou a ser realizada em junho do ano passado e, em 14 etapas, já embargou 236.840,91 hectares de áreas de desmatamento ilegal e apreendeu 8.680,79m³ de madeira derrubada de forma irregular.

De acordo com a Semas, o total de área embargada já corresponde a quase duas vezes o tamanho da cidade do Rio de Janeiro. Desde 2019, o governo aumentou em cerca de 1.000% o contingente de fiscais na Semas e reforçou as ações de combate a ilícitos ambientais.

Tina DeBord – com informações da Semas

Deixe seu comentário

Posts relacionados