O que dizem os estrangeiros sobre o início do julgamento do mensalão

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O jornal Correio Braziliense trouxe hoje matéria com notas de sites e jornais estrangeiros comentando o início do julgamento do mensalão. Acompanhe:

BBC – “A grande mesada”
O site britânico de notícias informou que dezenas de acusados estão prestes a ir a julgamento na Suprema Corte brasileira no que é apontado como um dos maiores escândalos de corrupção política na história recente do país. O caso será observado de perto pelo governista Partido dos Trabalhadores (PT) e pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que continua sendo uma figura-chave na política brasileira. Os juízes vão considerar as alegações de que, entre 2003 e 2005, políticos e funcionários desviaram verba pública para comprar apoio político ao governo. O esquema ficou conhecido como “mensalão”, que, o site explicou em inglês como “the big monthly allowance” ou, em tradução livre, “a grande mesada”. (…) O site explica que o suposto esquema desviou recursos públicos para comprar apoio político para o governo Lula e, em seguida, para pagar dívidas de campanhas eleitorais. A acusação central é que políticos de partidos da coalizão receberam grandes pagamentos a cada mês para apoiar o governo de minoria liderado pelo Partido dos Trabalhadores. O escândalo quase fez o governo Lula entrar em colapso, segundo a BBC.

The guardian – Julgamento que pode ferir coalizão
O jornal britânico cita o mensalão em seu site como o “julgamento do século” do Brasil e informa que, entre os 38 acusados que serão julgados pelo Supremo Tribunal Federal, estão ex-ministros, políticos, banqueiros e empresários — “envolvidos em um caso de compra de votos que primeiramente atingiu o governo de Luiz Inácio Lula da Silva em 2005”. Segundo o jornal, “o escândalo mensalão (“big monthly stipend” ou “grande pagamento mensal”), como é vulgarmente conhecido, foi visualizado pela retirada de milhões de dólares de fundos públicos para pagamento de políticos e compra de apoio para a coalizão”. The Guardian também reproduziu uma acusação do procurador-geral, Roberto Gurgel, que afirmou ser “o esquema de corrupção mais ousado e escandaloso de desvio de recursos públicos já visto no Brasil”. “Lula não está no banco dos réus, mas ele pediu desculpas em nome do Partido dos Trabalhadores, agora liderado pela presidente Dilma Rousseff, e parece provável que o caso deve ferir a coligação nas eleições municipais”, afirma também o jornal.

Clarín – Brasil acorda em suspense
Segundo o site do jornal argentino, o Brasil acordou hoje em clima de suspense pela enorme expectativa no primeiro dia do julgamento do “mais escandaloso e ousado” esquema de corrupção que abalou o país — tal como foi qualificado pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel — e colocou em xeque o primeiro governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Após sete anos, nota o jornal, hoje começa o processo no Supremo Tribunal Federal. Batizado de “julgamento do século”, o processo colocará, de acordo com o jornal, uma lente de aumento no escândalo protagonizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), que consistia em usar dinheiro não declarado de campanhas eleitorais para subornar legisladores, com o objetivo de que apoiassem projetos do governo no Congresso Nacional. No banco dos réus, vão sentar-se três ex-ministros e 35 outros políticos e empresários, que são acusados de crimes que vão de corrupção ativa e passiva a desvio de dinheiro e evasão de divisas. (…) Os 38 réus foram considerados pelo autor da denúncia original, o então procurador-geral da República Antonio Fernando de Souza, como “um bando de criminosos” que criaram uma operação sofisticada “para perpetuar o PT no poder”.

El Pais – “Brasil começou expurgo histórico”
O maior jornal espanhol informa em seu site que a Suprema Corte brasileira começou a julgar, na quinta-feira, as 38 personalidades da política, do sistema bancário e do mundo empresarial acusados de um escândalo de corrupção que em 2005 abalou o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e desgovernou o Partido dos Trabalhadores (PT). Os réus eram uma parte, nas palavras do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, do “esquema mais ousado e escandaloso de corrupção e desvio de dinheiro público na história do Brasil”. Gurgel entregou ao Supremo 44.265 páginas completas do que ele chama de “prova documental” para solicitar a abertura do julgamento. O interesse despertado é grande, segundo o jornal espanhol, tanto que as audiências serão transmitidas pela televisão. O que está em consideração é o escândalo político e financeiro chamado mensalão. O caso foi descoberto, relata o jornal, pelo ex-deputado Roberto Jefferson, outro réu e atual presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), que em junho de 2005 tornou público que o PT havia pago R$ 4 milhões para apoiar coalizão com o governo Lula.

Le Monde – Escândalo quase custou a reeleição
Sete anos após os fatos ocorridos, a Suprema Corte de Brasília julga, a partir de 2 de agosto, o escândalo que quase custou a reeleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2006, informa o site do Le Monde, o jornal de maior prestígio da França. Os 38 acusados deverão responder por malversação, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro no Brasil e no exterior e formação de quadrilha. De acordo com a acusação, explica o jornal, o chefe da organização criminosa é o ex-ministro e chefe de gabinete do presidente Lula, José Dirceu. Ao seu lado, figuram José Genoino, antigo presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Delúbio Soares, antigo tesoureiro do PT, e o publicitário Duda Mendonça, mentor da campanha presidencial de 2002. O caso remonta a junho de 2005. O homem que fez o escândalo vir à tona chama-se Roberto Jefferson. Ele foi deputado e presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), que pertencia à base do governo.