Novo Repartimento: Cacau do município vence concurso nacional de chocolate artesanal

A amêndoa utilizada pela ganhadora é de cacau oriundo do assentamento Tuerê, que também já foi destaque em outras premiações internacionais
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O cacau de Novo Repartimento, no sudeste do Pará, ganhou mais um destaque nacional. Dessas, o chocolate artesanal feito com a amêndoa de cacau produzido no município venceu o Prêmio CNA Brasil Artesanal 2021/ Chocolate.

A chocolateira premiada foi Priscila França Rosendo, de São Paulo, que adquiriu o cacau cultivado no Assentamento Tuerê pelo produtor Francisco Cruz, de 34 anos, que é mais conhecido na comunidade como “Edvaldo”. O anúncio dos vencedores foi feito na última semana, através de uma transmissão virtual.

Além do chocolate fabricado a partir da amêndoa de Tuerê, o Pará também esteve representado entre os melhores chocolates artesanais do Brasil através da Cacauway, da chocolateira Hélia de Moura, que ficou com o sétimo lugar. O prêmio foi realizado pelo Sistema CNA/Senar – Confederação Nacional da Agricultura e Sistema Nacional de Aprendizagem Rural- em parceria com o Centro de Inovação do Cacau (CIC) e a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac).

O premiação também tem o apoio do Programa Compre do Pequeno do Sebrae. Segundo a CNA, as amostras de chocolates passaram por etapas eliminatórias e classificatórias: análise técnica, degustação às cegas e julgamento da história do produto.

“Esse chocolate foi feito a partir da amêndoa de cacau produzida em um assentamento da Amazônia. É resultado de muito trabalho e muita pesquisa. Estou muito feliz”, destacou a chefe chocolateira Priscila França Rosendo, após ser anunciada vencedora.

Apesar de não ter participado diretamente da competição, o cacaueiro de Novo Repartimento diz que se sente honrado em ter processado uma amêndoa de qualidade. O agricultor enfatiza que o feito é resultado de muito trabalho que realiza diariamente na sua propriedade de 10 hectares, onde planta o fruto que garante o seu sustento e da sua família.

O produtor, que trabalha desde os 13 anos com plantação de cacau, diz que, para chegar ao nível de produção atual, foi muito importante o apoio que recebeu do governo do estado, através da cessão de estandes para participar do Festival Internacional de Chocolate e Flor Amazônia, coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap). Em 2019, ele participou do Salão de Paris por conta da amêndoa produzida na sua propriedade.

Ele foi ao avento apoiado pelo Fundo de Desenvolvimento da Cacauicultura do Pará (Funcacau), coordenado pela Sedap. Para o coordenador do Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Cacauicultura no Pará (Procacau), da Sedap, engenheiro agrônomo Ivaldo Santana, que esteve durante a última semana em Novo Repartimento para visitar as áreas de cultivo dos produtores locais, como de Francisco Cruz, a premiação obtida pela chocolateira Priscila Rosendo, com a utilização da amêndoa do Tuerê, é motivo de muita satisfação não apenas para o produtor, mas também para os membros do Funcacau, composto por representantes de órgãos públicos e privados e demais instituições parceiras.

“Os produtores já estão fornecendo os seus produtos diretamente para os fabricantes e esse chocolate, por sua vez, ganha o Brasil e o mundo. Nós estamos mostrando lá fora o potencial do nosso cacau, que todo ano cresce em torno de sete por cento em número de área plantada e de produtores na cadeia. Isso é resultado do esforço do produtor, do empenho do estado e dos nossos parceiros que investem para a melhoria da qualidade do nosso cacau”, ressalta o coordenador.

O supervisor técnico da ONG Solidaridad Brasil, Pedro Souza dos Santos, que acompanha de perto o trabalho dos produtores de Novo Repartimento, diz que a premiação encheu de orgulho a todos. “Essa premiação nos alegrou muito. A equipe da Solidaridad faz esse acompanhamento e todo mundo que conhece o projeto aqui na Amazônia ficou muito feliz, porque vê que isso é resultado do nosso trabalho, da semente que foi plantada, do fruto que foi gerado e que agora está dando resultado”, comemora.

Além de Francisco Cruz, o cacau de Novo Repartimento se destaca em outras premiações importantes. Um exemplo é o fruto produzido pelo agricultor João Evangelista, popular “Rogério”, que participa do prêmio Cocoa of Excellence (Cacau de Excelência), do Salão de Chocolate de Paris, considerada a mais importante programação do chocolate do mundo. No total, 50 concorrentes disputam o prêmio previsto para ser anunciado no próximo mês.

Tina DeBord- com informações da Sedap