Nabhan Garcia diz que em breve não haverá mais “sem-terra” e sim “proprietários”

O secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura afirmou em Audiência Pública que o governo federal está empenhado em emitir 600 mil títulos de terras até 2022
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Aconteceu nesta segunda-feira (10), em Marabá, no plenário da Câmara Municipal, Audiência Pública, com a presença do secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Luiz Antônio Nabhan Garcia, para tratar sobre a regularização fundiária do Estado do Pará, a fim de que se atinja a segurança, jurídica, econômica e social dos produtores rurais.

Na ocasião, as autoridades presentes deliberaram a respeito da emissão de títulos de domínio a agricultores familiares, assentados, posseiros e ocupantes. A reunião faz parte da criação do programa de regularização fundiária do governo federal, instituída pela MP 910/2019 e tem a intenção de legalizar 600 mil propriedades rurais de ocupantes de terras públicas da União e assentados da Reforma Agrária até 2022.

A MP 910 dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas de domínio da União ou do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra, por meio da alienação e da concessão de direito real de uso de imóveis.

Todos os discursos das autoridades da mesa dos trabalhos deram destaque à emissão de títulos de terra, os quais os tornam legítimos donos da terra e possibilitam que tenham acesso ao crédito nos bancos oficiais de fomento. As falas também fizeram referência ao Incra, em sua maioria tecendo críticas à atuação do instituto.     

Um dos discursos destacados foi o de Bruno Kono, presidente do Iterpa (Instituto de Terra do Pará). Ele disse que nunca tinha visto o que estava acontecendo naquele momento, a continuidade de um diálogo com quem de fato está interessado no processo de regularização fundiária: os produtores. Afirmou que recebeu o instituo com aproximadamente 26 mil processos represados, 5 mil destes aguardando análise no setor de Cartografia, resultado de falta de interesse político para enfrentar o desafio enfrentado atualmente.

Disse que há problemas de legislação, que hoje os governos federal e estadual procuram resolver; e problemas estruturais, como falta de condições de trabalho, o que está sendo contornado com investimento do Estado na reestruturação do órgão, sobretudo com a contratação de pessoal, por meio de processo seletivo, investimento em tecnologia e também na criação de uma Coordenadoria do Iterpa no sul e sudeste do Pará.

O deputado federal Joaquim Passarinho (PSD/PA) reforçou a importância da regularização fundiária e revelou um dado preocupante, decorrente da falta de titulação de terras na região. Contou que, em reunião no Basa, ouviu de um dos diretores que, em 2019, o banco devolveu R$ 31 milhões porque não tinha para quem emprestar dinheiro para fomento, por falta de títulos de terras.

Disse que é inaceitável que uma pessoa esteja assentada há 20 anos e não tenha seu título de terras, por falta de vontade política. Afirmou que faltam recursos ao Incra Regional e disse que é necessário suprir o órgão de boa estrutura.

O senador Zequinha Marinho (PSC/PA), em discurso veemente, lembrou que sob a jurisdição do Incra de Marabá há 72 mil famílias assentadas e somente 3 mil títulos emitidos, com uma demanda reprimida de 69 mil títulos e mais de 50 áreas aguardando homologação.

Disse que é preciso passar do discurso à prática e que não é possível que o tempo vá passando e o problema não seja superado, afirmando que conta com a força do secretário de Nabhan Garcia para superar isso.  Lembrou que a falta de regularização fundiária já ceifou muitas vidas, pois terra pública é terra de ninguém e isso alimenta disputa, conflitos.

Destacou que a regularização fundiária resolve um outro problema, a questão ambiental, e tornou a dirigir severas críticas ao Ibama. Disse que instituto comete as maiores atrocidades, que nem os países da Cortina de Ferro da velha Europa comunista, eram capazes de fazer, destruindo máquinas e retirando famílias de duas casas e incendiando essas moradias.

Em sua fala, Nabhan Garcia cumprimentou o senador Zequinha Marinho por ter promovido a Audiência Pública e tê-lo convidado para aquele momento. Em seguida, cumprimentou as demais autoridades e, dirigindo-se aos agricultores, de vários movimentos sociais, cerca de 500, que superlotaram o auditório, que o governo federal não quer mais chamá-los de sem-terra nem de assentados.

Lembrou que o Brasil é muito grande, o Pará é muito grande e tem terra para todos, mas tudo de acordo com o estado de direito, porque invasão não leva a lugar algum. Disse que o governo federal está de portas abertas para receber a todos os produtores a qualquer tempo, mas lembrou que o País é democrático, tem leis e tem uma Constituição.

Ressaltou que nenhum brasileiro, do mais pobre ao mais rico, até a mais alta autoridade pode passar por cima da lei, que assim como a Constituição Federal e o estado democrático de direito, está acima de tudo.

Reforçou que o governo se comprometeu a entregar 600 mil títulos de propriedade até 2022, para que os produtores deixem de ser chamados de sem-terra ou assentados e sejam chamados de proprietários. Previu que não haverá mais nenhum brasileiro, que seja pessoa de bem, jogado à beira de rodovia, pois não é isso o que o governo quer, ao contrário de governos anteriores quando eles eram tratados não como gente, mas como massa de manobra.

Acentuou que o governo quer o produtor não mais sendo tratado como invasor, mas como cidadão de bem, trabalhador, pai de família que quer produzir e ter dignidade para ir a um banco e não ser tratados como indigente porque não possui o título da terra. Afirmou que é preciso acabar com a história e pequeno, médio e grande, pois são todos brasileiros, todos iguais.

De outra parte disse que é preciso também estabelecer um pacto de respeito, porque não é justo o produtor que chegou à região há 20, 30, 40 anos, encontrou a terra nua, desbravou, construiu, produziu e depois ter essa terra invadida.

Após o discurso de Nabhan Garcia, ele mesmo assumiu a direção dos trabalhos e cedeu a palavra aos representantes dos movimentos sociais, líderes de assentamentos, prefeitos e vereadores. Ouviu cada um deles e, a cada dúvida ou reivindicação, fez os encaminhamentos necessários.

Além da autoridades já citadas, fizeram parte da mesa dos trabalhos e também discursaram: Fernão Zancaner, vice-presidente da Federação da Agricultura do Estado do Pará (Faepa); Ricardo Guimarães, presidente do Sindicato Rural de Marabá; Wagner Machado, prefeito de Piçarra e  presidente da Associação dos Município do Araguaia Tocantins (Amat); João Costa,  Fundação Nacional do Índio (Funai); João Itaguary, superintendente-interino do Incra Regional; Nelson de Andrade Júnior, assessor da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura; Cláudio Rodrigues Braga, ouvidor agrário do Incra; João Chamon Neto, secretário Regional de Governo do Sul e Sudeste do Pará; Vivian Oliveira, da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Contraf) e Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar no Pará (Fetraf); Alan Pierre Chaves Rocha, promotor agrário.

Por Eleuterio Gomes – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Marabá   

Publicidade