Marabá vai registrar até R$ 43 milhões em preço de medicamentos

Orçamento previsto para esse tipo de ação é um dos maiores do Pará este ano, mas Marabá já havia aberto em maio processo específico para tratamento de Covid no valor de R$ 9,3 milhões
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

São 697 tipos de medicamentos planejados para compra, com preços que variam de 5 centavos, como o comprimido de atenolol (utilizado para tratamento da pressão arterial e em doenças cardiovasculares), a R$ 3.665,92, a exemplo da ampola de surfactante pulmonar de 240 miligramas (usado para facilitar a troca de gases respiratórios nos pulmões). Só com 180 ampolas de surfactante, diga-se de passagem, a Prefeitura de Marabá projeta gastos de R$ 660 mil.

Também é expressivo o valor de R$ 638 mil cotado para 800 frascos de imunoglobulina (um eficiente anti-inflamatório e imunomodulador utilizado para frear e tratar, entre outras, várias doenças neurológicas), além dos R$ 503 mil orçados para 1.500 caixas de esomeprazol magnésico (amplamente utilizado no tratamento de doenças gastroesofágicas. Em termos de volume, os 3.700 comprimidos de losartana lideram o pacote, enquanto o pedido de frascos da suspensão oftálmica de dexametasona mais neomicina e polimixina B só chegou a dez.

A Prefeitura de Marabá alega que “a maioria das intervenções em saúde envolve o uso de medicamentos” e que esse uso “pode ser determinante para a obtenção de menor ou maior resultado para os pacientes atendidos nas unidades de saúde gerenciadas pela Secretaria de Saúde”. Decorre disso a necessidade de formação de estoques de segurança, bem como a viabilização do registro de preços como forma de garantir o fornecimento adequado e regular nas unidades.

Publicidade