Marabá terá curso de medicina pelo ITPAC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O prefeito Maurino Magalhães de Lima assinou convênio de cooperação técnica entre a prefeitura e o Instituto Paraense de Educação e Cultura (Ipec), que faz parte do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (Itpac), para instalar o primeiro curso de Medicina em Marabá. Segundo o representante da universidade, João da Cruz Lira, a previsão é que ainda neste primeiro semestre seja realizado o vestibular, com a disponibilização inicial de 50 vagas para a área.

Além do prefeito e João Cruz, também assinaram o documento o secretário de Saúde, Ademar Rafael, e o secretário de Comunicação, Giorgie Guido da Luz, este como testemunha. Logo após a assinatura, o prefeito Maurino falou por telefone com o diretor-financeiro da Itpac, Nicolau Carvalho Esteves, que destacou o orgulho da instituição em estar se instalando em Marabá, com o Ipec, construído às margens da VP-8, na Folha 32, Quadra Especial, Nova Marabá.

No convênio de cooperação técnica, o município vai dar suporte à universidade com sua rede hospitalar, onde os alunos irão fazer estágio. Nesse sentido, o município já recebeu avaliação positiva do Ministério da Educação (MEC), na visita que fez para avaliar a faculdade, e pelos investimentos que a Prefeitura vem fazendo para melhorar a estrutura da rede de saúde.

Sediado em Araguaína-TO, o Itpac tem 10 anos de fundação. A faculdade conta hoje com 4.600 alunos, incluindo do curso de Medicina. Segundo João Cruz, é política da instituição primar pelo ensino de qualidade. Por isso, hoje é referência em vários cursos, como é o caso do de Medicina.

Aqui em Marabá, o IPEC pretende montar a mesma estrutura de Araguaína, com cursos na área médica e de ciências humanas, e investir em outros cursos voltados ao setor mineral, com base no potencial da região.

Segundo ele, a qualquer momento o MEC deve fazer a última vistoria no instituto, que já está todo construído e equipado, para dar a autorização de funcionamento do curso. Depois disso, serão abertas as inscrições para o vestibular. “Nossa instituição é séria, com instalações modernas, possibilitando um ensino de qualidade aos nossos alunos”, propaga, agradecendo o grande apoio que recebeu do prefeito Maurino Magalhães. Emocionado, Maurino destacou que o momento é histórico para o município e sua administração, porque o curso de Medicina não será apenas o primeiro de Marabá, mas de toda região sul e sudeste do Estado. “Estou emocionado, porque participei desde o início das articulações para trazer essa universidade para Marabá”, lembrou.

Maurino Magalhães ressalta que quando esteve como prefeito em 2005, por ocasião da cassação do ex-prefeito Sebastião Miranda, ele em uma viagem a Brasília, conversou com o senador João Ribeiro (PR-TO), e falou do anseio da cidade pelo curso de Medicina. Na ocasião, o senador fez a ponte entre ele e o diretor da Itpac, Nicolau Carvalho. “Começou ali o alicerce para a instalação da universidade em Marabá”.

Ainda segundo Magalhães, após ser eleito, com a universidade já em construção na cidade, ele deu todo apoio para atender as exigências da equipe do MEC com relação à estruturação da rede hospitalar. “Como gestor, me sinto realizado, por mais essa conquista”.

Benefícios

O prefeito lembrou que este é um sonho antigo da sociedade marabaense, que vira realidade. Sem contar, salienta, os benefícios para a cidade, que agora passa a ser também uma referência universitária. “Os marabaenses não precisarão mas sair daqui para outros locais para fazer faculdade, principalmente na área médica. Sem contar, que muitos estudantes de outros locais, inclusive de outros Estados, virão para cá. Esse intercâmbio será importantíssimo, porque, muitos desses acadêmicos, depois de formados, vão acabar ficando aqui”, frisa Maurino.

Ele destacou ainda que hoje um dos maiores gargalos do município na área da saúde é a falta de médicos, porque os profissionais não querem vir dos grandes centros para o interior. “Nós vamos ter esses acadêmicos estagiando na nossa rede de saúde. Nós também vamos conversar com a universidade, para trazer alunos do Tocantins para fazer residência e estagiar aqui”, adianta, completando que com essa mão-de-obra será possível prover os centros de saúde da cidade e zona rural com médicos.

Com informações da Agência Araguaia