Marabá: juiz Jônatas Andrade irá receber Prêmio Direitos Humanos 2012 das mãos da presidente Dilma

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

juiz-jonatas-andradeNo próximo dia 17, o juiz federal do Trabalho, Jônatas Andrade (foto), que recentemente recebeu o título de Cidadão parauapebense concedido pela Câmara Municipal de Parauapebas e atualmente atua na Comarca de Marabá, irá receber mais uma merecida comenda. Desta feita da presidente Dilma Rousseff.

Trata-se do Prêmio Direitos Humanos 2012, na Categoria Erradicação do Trabalho Escravo. A premiação é concedida anualmente pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Na oportunidade, o valoroso juiz trabalhista, como forma de reconhecimento pelo valioso trabalho que desenvolve em nome dos direitos fundamentais inerentes a todos os seres humanos, receberá um troféu e um certificado assinado pela excelentíssima senhora Presidenta da República.

Parabéns ao amigo Jonatas Andrade por mais essa honraria.  É certo que, apesar de grandiosa, o mais importante para o juiz é o sentimento do dever cumprido. Que venham outros prêmios, pois, certamente, da caneta do nobre juiz sairão outras várias soluções para os diversos problemas que a região apresenta nesse tema.

Jônatas dos Santos Andrade
Como titular da Vara do Trabalho em Parauapebas, se destacou no julgamento de ações trabalhistas em favor dos trabalhadores explorados na mina de Carajás. Em uma das ações, condenou a VALE ao pagamento de mais de 100 milhões de reais pelo não pagamento das horas itíneres dos trabalhadores.

Atualmente é juiz titular da 2ª Vara do Trabalho de Marabá, onde tem tido uma atuação de destaque na articulação dos órgãos do poder público e de entidades da sociedade civil no combate ao trabalho escravo, com foco nas regiões do sul e sudeste do Pará e sul do Maranhão.

É de sua iniciativa a criação do GAETE (Grupo Interinstitucional de Erradicação do Trabalho Escravo), uma articulação que envolve: Justiça do Trabalho, Ministério Público do Trabalho, Delegacia Regional do Trabalho, Polícia Federal, Ministério Público Federal, Comissão Pastoral da Terra, Repórter Brasil e outras entidades. O GAETE foi criado em meados de 2011, o grupo se reúne bimestralmente para debater ações, políticas e iniciativas de enfrentamento ao trabalho escravo. Com os recursos oriundos das condenações de fazendeiros escravocratas se criou um fundo gerido pelo GAETE que apoia projetos e iniciativas da sociedade civil que tenha como objetivo o combate e a prevenção do trabalho escravo.

Merecem destaque dois projeto aprovados pelo GAETE: ESCRAVO NEM PENSAR, gestado pala ONG Repórter Brasil e MONITORAMENTO DE LIDERANÇAS AMEAÇADAS DE MORTE NA REGIÃO, coordenado pela CPT da diocese de Marabá. O Juiz Jônatas tem participado permanentemente de reuniões em outros Estados (Maranhão, Tocantins e outros), debatendo a realidade do trabalho escravo e divulgando
a experiência do GAETE.

A atuação do Juiz Jônatas é uma referência na região e sua dedicação à causa tem atraído o ódio de muitos fazendeiros e de empresas mineradoras. A VALE, o fazendeiro Décio José Barroso Nunes (mandante do assassinato do sindicalista José Dutra da Costa, o Dezinho, de Rondon do Pará) já ingressaram no TRT alegando a suspeição de Jônatas no julgamento de seus processos. Tudo isso devido seu empenho na defesa dos direitos humanos e na luta pela erradicação do trabalho escravo.