Jaborandi: Parceria ecologicamente correta

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

No Mosaico de Unidades de Conservação de Carajás, no Pará, os extrativistas adotaram o manejo sustentável da folha de jaborandi e revolucionaram a coleta, transformando a atividade predatória em coleta produtiva sem agressão à natureza. Para consolidar a exploração responsável do jaborandi e promover uma relação de trabalho mais justa entre os folheiros e a empresa de beneficiamento, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) apoiou e intermediou a iniciativa da cooperativa dos colhedores da folha de firmar uma parceria com a empresa Vegeflora Extrações do Nordeste Ltda., empresa do grupo Centroflora, especializada em extração vegetal para o setor químico-farmacêutico.

jaborandi

Considerada também um avanço na relação de trabalho com os folheiros, a parceria proporcionou uma nova forma de exploração econômica do produto. Diferentemente do que ocorria até década de 1990, em que os próprios extrativistas custeavam os instrumentos usados e as condições de trabalho para a coleta as folhas, agora, com a parceria, a Vegeflora comprometeu-se a fornecer toda a infra-estrutura de que os folheiros precisam para trabalhar. No acordo, ela também se comprometeu a comprar todas as folhas oriundas da coleta, em torno de 60 toneladas, no período determinado no acordo.

Os folheiros, por sua vez, comprometeram-se a realizar o trabalho de acordo com o plano de manejo, respeitando as regras da coleta sustentável. Dentre as regras determinadas, destaca-se a poda dos arbustos. Em vez de arrancar a planta, eles devem podá-la, levando em consideração características da região e do vegetal, como, por exemplo, a altura dos arbustos, os quais devem ser podados entre 0,50 m e 1,50m, e preservar os que estão acima dessa altura para que sirvam de portas-semente. Além disso, a poda deve ser feita com tesoura apropriada, de forma que não danifique o arbusto e possibilite a manutenção do crescimento.

Para realizar a coleta, os extrativistas acampam na floresta, a cada mês, por um período de 20 dias. Feito isso, eles ficam mais uma semana acampados para realizar o trabalho de recuperação dos arbustos que não têm condições de produzir. Adotado em 1997, o plano de manejo para uma exploração racional do jaborandi foi elaborado pela Merck Brasil, a mais antiga empresa do ramo farmacêutico e químico do mundo que atua no Brasil desde 1923, em conjunto com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e a Companhia Vale do Rio Doce.

Extinção – Antes da adoção do plano de manejo, os extrativistas não seguiam nenhum método de coleta das folhas. De forma desordenada e predatória, costumavam arrancar o arbusto para retirar dele somente as folhas. Além disso, a pressão da indústria farmacêutica, que demandava cada vez mais o produto, bem como da pecuária e da cultura da soja, que avançaram sobre a região, o jaborandi verdadeiro entrou em extinção e foi incluído na lista da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites) em 1982.

No ano passado, o Ibama atualizou a lista e o jaborandi verdadeiro ainda consta como uma das espécies ameaçadas de extinção. Em várias regiões, como nas proximidades de Paraupebas, ele não existe mais. Planta da mesma família da laranja e do limão, o jaborandi ainda resiste à intensa demanda do mercado farmacêutico e à antropização da região em que ocorre. Em Carajás há, atualmente, três mil hectares de reboleiras naturais. Segundo o analista ambiental do ICMBio, Fabiano Gumier Costa, trata-se de um estoque natural considerável que deve ser manejado de forma consciente e responsável.

Matéria-prima largamente usada pela indústria farmacêutica na fabricação de remédios à base de policarpina, a folha do jaborandi verdadeiro (Policarpus microphyllus – Rutaceae) é usada na fabricação de colírio e de remédios para cirurgias e tratamentos oftalmológicos, sobretudo o glaucoma.

O jaborandi é um arbusto que ocorre, normalmente, nas áreas de tapanhoacanga (ou canga, um tipo de rocha rica em minério de ferro e região de campo rupestre) e de carrasco (área de formação vegetal densa e de transição entre a canga e a floresta amazônica). No Brasil, ocorre, sobretudo, no sudeste do Pará, Piauí, Ceará, Maranhão. Em Carajás, o vegetal é mais explorado em Serra Sul, o maior platô da região e onde a Companhia Vale do Rio Doce instalou o maior projeto de mineração do mundo.

Diário do Pará