INSS lidera reclamações na Justiça Federal

Acúmulo de ações contra o órgão do governo federal já representa quase a metade dos litígios na Justiça, diz o Supremo Tribunal Federal
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Não são apenas as intermináveis filas no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que estão irritando o segurado. Levantamento do Supremo Tribunal Federal (STF) aponta o órgão como o mais processado na Justiça Federal. Segundo dado divulgado em evento recene, 48% dos processos novos envolvem benefícios previdenciários e assistenciais e os números estão em plena escalada. Isso representava cerca de 7 mil processos a cada dia obstruindo a capacidade de julgamento da Justiça.

Embora o presidente do STF, Dias Toffoli, e o ex-presidente do INSS, Renato Vieira, tenham lançado a Estratégia Nacional para a Desjudicialização da Previdência Social, cuja proposta era desafogar o Judiciário a partir de intercâmbio de informações, a situação não mudou.

Vieira disse à época em que ainda era o presidente do INSS, que 40% de todas as demandas indeferidas pelo órgão eram objeto de reclamação na Justiça, das quais 30% eram revertidas judicialmente. Mesmo após a troca do comando do órgão, as reclamações não pararam e a demora de resposta para a solução do problema por parte do Poder Executivo já é uma das maiores fontes de reclamação Brasil afora.

Até o fim de 2019, porém, não houve efeitos práticos. Os pagamentos das requisições de pequeno valor (RPVs) das matérias previdenciárias e assistenciais liberados pelo Conselho da Justiça Federal se mantém no mesmo patamar: cerca de 80% de todos os RPVs autorizados. No último trimestre do ano passado, os segurados do INSS receberam R$ 2,8 bilhões judicialmente.

O risco de congestionamento no Judiciário é grande. Segundo o defensor regional de Direitos Humanos da DPU no Paraná, João Juliano Josué Francisco, ação civil pública que tramita no Distrito Federal tenta resolver a questão macro, para favorecer toda a sociedade.

“Mas, se não é resolvida a questão macro, tenta se resolver a micro. Que é caso por caso, levar para a Justiça. Mas aí vai explodir a demanda processual, porque o INSS não está trabalhando na ponta. E o que acontece? O INSS recebe a determinação para resolver em 30 dias, mas não consegue nem atender a fila normal. Daí vai ter que parar para atender a medida judicial”, explica.

O defensor também teme pela falta de um planejamento estratégico para resolver uma situação que estava desenhada há muitos anos. “Se não houver uma solução logo, o que será da população, chegaremos a quantos milhões na fila?”, questiona.
Estima-se em 8 milhões o número dede contribuintes que solicitaram algum benefício do órgão e não foram atendidos no prazo legal de 45 dias, conforme estabelece a legislação.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu, em Brasília

Publicidade