Homem preso por violência doméstica guardava armas e munições em casa

Havia mais de 20 anos que ele espancava a mulher. Ontem ele tentou atirar nela e ameaçou matar os seis filhos do casal
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma guarnição da Polícia Militar foi mobilizada via Centro de Controle Operacional (CCO), por volta das 17h25, de ontem, domingo (21), para atender a uma denúncia de violência doméstica que estaria acontecendo na Rua A-29, Bairro Jardim Tropical II, em Parauapebas. No local, foi preso Raimundo Nascimento Monteiro, 30 anos de idade, acusado de ter espancando e ameaçando de morte a mulher, Maria Dalvanir de Jesus Nascimento, 39, e os seis filhos do casal.

Além da ter sido autuado por de violência doméstica, Raimundo Monteiro também vai responder pelo crime de posse ilegal de armas de fogo e de munições, uma vez que na casa dele foram encontradas três espingardas – duas de fabricação caseira – uma de calibre 12 e outra calibre 28 e uma terceira de pressão -, uma pistola de fabricação caseira calibre 22, 24 munições calibre 22, cinco cartuchos calibre 28 – quatro intactos e um deflagrado -, seis cartuchos calibre 32 – cinco intactos e um deflagrado -, uma coronha, dois canos de espingarda e dois mecanismos de disparo.

Na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, Maria Dalvanir contou que convive há 21 anos com Raimundo, que sempre a espancou ao longo dessas mais de duas décadas. Ainda segundo a mulher, ela nunca o denunciou porque as agressões sempre ocorriam dentro de casa tendo somente os filhos como testemunhas. Desta vez, porém, ameaçada de morte, ela correu para meio da rua.  

“Ele me agredia dentro de casa e, quando eu tentava sair, ele fazia ameaças e eu entrava. Como das outras vezes, ele tentava me enforcar com as mãos. Então saí correndo para o meio da rua e ele me fez entrar. Foi aí que ele pegou uma arma debaixo do travesseiro e se preparou para atirar em mim. Meu filho mais velho chegou, tomou a arma e segurou ele. Corri e os vizinhos viram e chamaram a polícia”, contou a mulher.

(Caetano Silva)