Fiscalizações do Defeso no Lago de Tucuruí já apreenderam cerca de 15 toneladas de pescado

As operações de fiscalização do período do Defeso, que coíbem a pesca de determinadas espécies, iniciou no dia 1º de novembro e seguem até o dia 28 de fevereiro de 2022, na Bacia do Rio Tocantins
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Cera de 15 toneladas de pescado foram aprendidas durantes as fiscalizações no Lago de Tucuruí

Continua depois da publicidade

As fiscalizações do período do Defeso no Mosaico Lago de Tucuruí, na região sudeste do Pará, já apreenderam 43 km de redes de pesca e 15 toneladas de pescado. Mais de 40 localidades do entorno dos sete municípios que compõem a área de abrangência do Mosaico foram alcançadas nos meses de novembro e dezembro.

As operações iniciaram no dia 1º de novembro e seguem até o dia 28 de fevereiro de 2022, na Bacia do Rio Tocantins/Gurupi. O pescado apreendido foi todo doado a instituições filantrópicas e a famílias carentes dos municípios.

As ações são realizadas pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio), por meio da Gerência da Região Administrativa do Mosaico do Lago de Tucuruí (GRTUC), de forma integrada com a Polícia Militar (PMP), Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Eletronorte e secretarias municipais de Meio Ambiente dos sete municípios que compõem a área de abrangência do Lago de Tucuruí: Goianésia do Pará, Jacundá, Nova Ipixuna, Itupiranga, Breu Branco, Novo Repartimento e Tucuruí.

Os peixes apreendidos foram doados à população carente e instituições filantrópicas

Foram apreendidos ainda 12 motores de embarcação de pequeno porte (rabeta); 52 metros cúbicos de madeira serrada; e 122 estacas de madeira de diferentes espécies, retiradas de forma ilegal da Unidade de Conservação (UC).

Segundo o Ideflor-Bio, as equipes de fiscalização flagraram também 13 veículos que foram apreendidos em situação de transporte ilegal de pescado; e 41 espécimes de passeriformes, entre curiós e coleirinhas, e 16 animais silvestres, que foram devolvidos à natureza, após avaliação dos fiscais. No decorrer da operação foram apreendidas também cinco motosserras, cujos proprietários não portavam a Licença de Posse de Uso (LPU), tendo sua obrigatoriedade amparada pela Portaria/ Ibama nº 149, de 30 de dezembro de 1992.

Pala Instrução Normativa Interministerial N° 13, de 25 de outubro de 2011, nesse período é permitida somente a pesca para subsistência, com a captura máxima por pescador, de 5 quilos mais um exemplar, respeitado os tamanhos mínimos de captura estipulado na legislação em vigor. E a pesca amadora (esportiva) é permitida, apenas utilizando linha de mão, vara, linha e anzol, com molinete e carretilha, com iscas naturais e artificiais e, o produto da pescaria, somente poderá ser consumido no local, sendo proibido o seu transporte.

A multa para quem estiver pescando, transportando, comercializando ou armazenando as espécies sob restrição de captura durante o período do Defeso vai de R$ 700,00 a R$ 100 mil, com acréscimo de R$ 20 por quilograma ou fração do produto da pescaria, de acordo com o Decreto Federal nº 6.514/2008.

A presidente do Ideflor-Bio, Karla Bengtson, destaca a importância do trabalho realizado de forma integrada para coibir a pesca ilegal no período do Defeso. “A paralisação da pesca no período estipulado é uma medida de extrema importância para o ciclo de reprodução dos peixes, para que possam ocorrer a reposição e recuperação do estoque pesqueiro da região do Mosaico Lago de Tucuruí”, ressalta ela.

Segundo a gerente da Região Administrativa do Mosaico do Lago de Tucuruí, Mariana Bogéa, considerando a extensão territorial de 561 mil hectares, fiscalizar a área são ações desafiadoras. “Tendo em vista os inúmeros acessos de saída para escoamento do produto pesqueiro, sem contar nas formas de armazenamento, como malas de viagens e carros de passeios com bancos traseiros retirados, as ações de fiscalização ambiental, que ocorrem de forma integrada na região, são mais difíceis, mas importantes para coibir a prática de pesca visando à manutenção dos estoques pesqueiros em níveis que possam garantir a sustentabilidade da atividade na região”, pontua Mariana.

Tina DeBord- com informações do Ideflor-Bio