Em Marabá, moradores de invasão fecham rodovia federal no Ano Novo para cobrar luz elétrica

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Por Paulo Costa – correspondente do Blog em Marabá

Por mais de quatro horas, moradores da Invasão da Ponte – como eles mesmos denominam – fecharam a rodovia BR-222 (liga Fortaleza, capital do Ceará à cidade de Marabá), ontem, dia 1º de janeiro, entre o bairro São Félix e a ponte rodoferroviária sobre o Rio Tocantins, em Marabá.

Invasão da PonteA interdição da rodovia, feita com queima de pneus e madeira, aconteceu por volta de 17h30 e foi acabar após as 22 horas, formando mais de 5 km de engarrafamento do lado do São Félix. Na fila, muitas famílias em viagem – muitas delas com crianças – e diziam não entender o que uma rodovia federal tem a ver com energia em um bairro. “Tem de protestar é na porta da Celpa ou da Prefeitura, não fechando uma rodovia por onde passam milhares de pessoas todos os dias”, protestou Antônio Carlos Bispo, que vinha de Belém e se dirigia a Redenção.

Carla Manuela Lima, uma das manifestantes, disse que a Invasão da Ponte surgiu há seis e anos e na localidade já residem mais de 400 famílias. Desde o início, começaram a conviver com “gatos” para poder ter energia em casa, mas que agora, com a grande quantidade de casas, as quedas de energia são constantes e queimam muitos aparelhos eletroeletrônicos, causando muitos prejuízos. “Já conversamos com o prefeito João Salame, vários vereadores e com a direção da Celpa. O ano de 2013 foi de promessas e agora, nós, moradores, estamos cansados de promessas e resolvemos agir do nosso jeito”, explicou Carla.

Os manifestantes exigiram a presença de representantes da Prefeitura e da Celpa, mas o prefeito João Salame pediu para que eles liberassem a rodovia que os receberia em uma audiência na manhã de hoje, quinta-feira, 2, em seu gabinete na Prefeitura, juntamente com representantes da Celpa.

Ficou definido na reunião, que a Celpa vai instalar postes e eletrificação na ocupação, mas será necessário a Prefeitura organizar as ruas, que estão intrafegáveis. Também ficou pré-agendada uma visita de engenheiros e técnicos da Secretaria de Obras na invasão para avaliar o que será necessário fazer organizar as ruas e permitir que carros da Celpa transitem por lá.

Durante o longo período de rodovia interditada, alguns condutores conseguiram furar o bloqueio através de um desvio por dentro de uma chácara da Assimar (Associação da Indústria Madeireira de Marabá), por onde tinham de pagar uma taxa de R$ 5,00.

Publicidade