Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

Duas escolas de Parauapebas participam de programa contra as drogas

Trata-se do Proerd, ministrado por policiais militares, que ministram palestras preventivas quanto ao uso de entorpecentes e suas consequências
Continua depois da publicidade

Duas escolas da rede municipal de ensino de Parauapebas estão recebendo o ciclo do Proerd – Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência. Trata-se das escolas Olga da Silva e Domingos Cardoso, onde 3 mil estudantes estão em andamento com palestras e reuniões com pais, alunos, professores e gestores, sendo contemplados com o ciclo de ações preventivas de combate ao uso de drogas. O ciclo pela cabo Regiane e pela soldado Aldila, ambas do 23º Batalhão de Polícia Militar, tendo como meta o atendimento e formatura de 3 mil discentes neste segundo semestre.

De acordo com Antonia Glaci, diretora da Escola Domingos Cardoso, esta é uma excelente oportunidade para os alunos aprenderem boas orientações sobre se defender das drogas e de outras ciladas. “Nossas crianças e adolescentes vivem muito inquietas e com dificuldades de acatar regras e disciplina. Este ciclo nos auxiliará a conter esta tendência de rebeldia que tem assolado os estudante e até trazido atritos entre eles e os professores”, explicou ela, dizendo esperar que haja outros ciclos naquela unidade de ensino.

O comandante do 23º BPM, tenente-coronel José Wilson de Moura, esteve na Escola Domingos Cardoso na manhã desta segunda-feira (1°), para conversar com as crianças e adolescentes participantes do no ciclo do Proerd e falou a elas sobre importância de receberem as orientações para enfrentar um inimigo tão feroz, que são as drogas.

“Este é um trabalho preventivo da instituição de trazer a oportunidade dessas crianças e adolescentes terem uma outra visão em relação ao uso de entorpecentes”, explicou o comandante, detalhando que o curso é extensivo ao berço familiar, sendo levado aos pais, o que garante colheita de bons frutos em um futuro próximo.

De acordo com o tenente-coronel Wilson, o sucesso do Proerd se dá pelo fato de que uma criança bem orientada tem chances de ser um adulto melhor; dizendo ter por planos contemplar no próximo ano outras unidades de ensino.

O que é o Proerd?

É o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência, desenvolvido pela Polícia Militar do Estado do Pará e visa prevenir o uso de drogas nas escolas entre as crianças do ensino fundamental. Surgiu nos Estados Unidos em 1983, na cidade de Los Angeles EUA, e se expandiu rapidamente para mais de 50 países no mundo.

O Proerd teve início no Estado do Pará, em agosto de 2003, com os Instrutores: tenente Formigosa, sargento Tadeu e sargento Araújo, nos municípios de Barcarena, Conceição do Araguaia e Augusto Corrêa, que foram os precursores na divulgação e aceitação tão logo conheceram as vantagens do Programa.

Cada prefeitura e secretaria de Educação, através de parcerias formadas com empresas e a sociedade civil se unem para a aquisição das cartilhas, camisetas e outros materiais, necessários a execução do Programa contemplando as escolas que aderiram à rede de proteção contra as Drogas.

Se existir um esforço cooperativo, entre Polícia Militar, escola e família as atividades do Proerd superarão todas as expectativas, sendo assim, de grande importância essa integração no âmbito educacional, atuando de forma preventiva.

Esta é uma das novas formas de atuação de responsabilidade social, que as Polícias Militares do Pará e de todo o Brasil, assumem com a sociedade, oferecendo às famílias, aos educadores e aos educandos, uma capacitação com o objetivo de manter “Nossas crianças longe das Drogas”.

O curso é desenvolvido no ambiente escolar e envolve crianças na faixa etária dos 9 aos 12 anos do ensino fundamental, concentrando na 4ª e 6ª séries.

Habilitação dos docentes – O corpo de Facilitadores do Proerd é formado por policiais militares voluntários que são selecionados e submetidos a treinamento específico organizado em um curso de 80 horas/aula, especialmente treinados, que em encontros semanais de uma hora de duração na sala de aula, desenvolvem o programa utilizando cartilha especialmente criada para essa finalidade, que além de estimular as crianças para resistirem às pressões ao uso de drogas, estreita o relacionamento polícia/cidadão.

Deixe uma resposta