Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Redenção

Posto de Saúde do Setor Bela Vista ainda não foi entregue à população de Redenção

Quase seis meses depois, a reforma ainda não foi concluída e os usuários pedem celeridade

A Unidade de Saúde da Família “Maria de Jesus Alves”, localizada na Avenida Dellis Villas Boas, no Setor Bela Vista, está desativada há quase seis meses. Conforme sinaliza, uma placa no local, o posto passa por reforma e ampliação, obras que têm prazo de 90 dias para a execução. Porém, após 180 dias, ainda não foram concluídas.

Francisca Alves, usuária da USF, ironizou, indagando: “Cadê o postinho que estava aqui? O gato comeu! Acho um absurdo demorar tanto tempo para fazer uma reforma em um prédio tão pequeno como este. É lamentável ter um uma unidade da família praticamente em frente da sua residência e ter de se deslocar para outro lugar em busca de atendimento médico”.

O idoso João Martins, 88 anos, disse que precisa aferir a pressão todos os dias, mas, sem o posto de saúde ficou difícil monitorar a pressão arterial. “Eu não tenho quem me leve até o postinho mais próximo, sou ruim pra caminhar. Quando era aqui próximo da minha casa, tudo era mais fácil, eu ia caminhando. Agora, eles inventaram este negocio de reforma e ficou tão puxado pra mim”, reclamou.

A Reportagem do Blog entrou em contato com a Secretaria de Saúde, onde a titular da pasta, Cleide Mendes Arruda, disse que o recurso para a ampliação e reforma da unidade de saúde foi creditado na conta da prefeitura em dezembro de 2018, para que a reforma seja feita, porque a ampliação já foi concluída.

A secretaria disse, ainda, que os moradores do setor Bela Vista não estão sem atendimento. “Nossa preocupação é que toda a comunidade tenha cobertura na área da saúde. Então, no ano passado, nós tiramos todo o nosso servidor daqui e alugamos uma casa, aqui mesmo no Bela Vista, para que pudesse  ser feito o atendimento. Somente em 2018, foram atendidos 3.796 pessoas, no novo endereço”, relatou a secretária.

Ainda de acordo com ela, a reforma deve começar a partir de fevereiro e terá um prazo de 30 dias para que seja entregue à população. A obra está orçada em R$ 102.961,02 e a empresa responsável pela reforma e ampliação é a E. D. S. Araújo e Cia. Ltda.

Redenção

Postos de saúde de Redenção já estão funcionando em horário normal

As unidades de saúde atenderam por dois meses em horário reduzido, segundo a Secretaria de Saúde, “para equilibrar as contas”

Os postos de saúde de Redenção, que antes estavam atendendo das 7h às 13h, passaram a funcionar normalmente nos períodos das 7h às 11h e das 13h às 17h. O novo horário está em execução desde a semana passada. Porém, poucas pessoas sabiam, como dona Francisca das Neves, que só ficou tomou conhecimento do novo horário na manhã desta segunda-feira (14). “Sempre fico ligada nos noticiários da cidade, porém ninguém falou nada a respeito do funcionamento dos postos de saúde. Fico feliz que tenham voltado à normalidade, a população precisa”, comemorou.

Albertina dos Santos disse que precisava ir ao medico, porém não conseguiu se dirigir ao posto durante o período da manhã e não sabia que o novo horário já estava em vigor. “Já voltou a funcionar? Eu não fiquei sabendo, que bom, eu estava preocupada, pois precisava ir ao medico e está manhã estava muito corrido para mim, depois de uma boa notícia como esta vou ao médico na parte da tarde”, disse, aliviada.

A secretária de Saúde, Cleide Mendes Arruda, disse à Reportagem do Blog que em novembro e dezembro precisou fazer as mudanças no horário de funcionamento dos postos de saúde, para “equilibrar as contas da Secretaria de Saúde” no que diz respeito à Lei de Responsabilidade Fiscal. Explicou que foi um ato emergencial e que a população não ficaria prejudicada.

Ao longo dos últimos dois meses, foram entregues 32 fichas e mais o encaixe em cada unidade. A secretária relatou ainda que, além dos atendimentos das unidades de saúde, havia um médico extra, atendendo no Hospital “Iraci Machado de Araújo”, os casos de emergência, mas, a partir de 7 de janeiro os postos de saúde voltariam a funcionar normalmente, o que já está acontecendo.

Parauapebas

Parauapebas: Saúde dispara quase R$ 12 milhões em contratações neste início de ano

Problemas com justificativas e erros de português levaram Procuradoria a dar “catracada” nos exageros da secretaria. Saúde de Parauapebas consome mais de R$ 200 milhões e serviço não está sequer entre os 1.750 “mais belos” do país.

Se depender de gastar dinheiro, a saúde de Parauapebas vai dar uma guinada daquelas ao longo deste ano de 2019. Licitações milionárias estão a caminho para dar o “upgrade” de que o tão criticado setor precisa para oferecer atendimento digno aos cerca de 210 mil habitantes estimados para o município. Mas será?

O Blog do Zé Dudu fez uma visita ao universo das licitações da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), que terá como bala na agulha, pelo menos, R$ 200 milhões para gastar este ano, cerca de R$ 9,23 milhões acima do orçamento de 2018. Foram separados três processos licitatórios mais recentes, que entraram 2019 na expectativa de serem abduzidos por algum contratante e que já passaram pelo olhar de advogados e procuradores da prefeitura.

Saúde por aparelhos

No dia 5 de outubro do ano passado, a Semsa disparou memorando à Secretaria Municipal de Fazenda (Sefaz) pedindo autorização para iniciar licitação com vistas a contratar uma empresa expert na prestação de serviços de assistência de terapia renal para atender o Hospital Geral de Parauapebas (HGP), notadamente 55 pessoas que dependem dos serviços, segundo informado pela secretaria. O valor disponível para gastar com a empreitada é de R$ 6.404.445,60 durante um ano.

Do pacotaço de serviços constam suporte dialítico, consultas, exames, avaliações para pacientes crônicos e agudos, equipamentos, manutenção e todos os insumos e recursos humanos necessários. Para chegar ao custo milionário do serviço, a Semsa cotou o valor junto a três fornecedores, dois de Imperatriz (MA) e um de Marabá. Um deles até oferece o serviço por R$ 300 mil mais barato.

A Procuradoria-Geral do Município (PGM) fez diversas recomendações dadas as inconsistências encontradas no processo, como incorreções e justificativas simplórias para a grandiosidade do contrato. Os advogados da prefeitura orientaram que o processo fosse revisado, após as alterações indicadas no parecer, a fim de que fossem evitadas divergências entre o Termo de Referência, a Minuta de Edital, a Minuta da Ata de Registro de Preços e a Minuta de Contrato Administrativo.

No raiar deste ano, a licitação andou e foi publicada nos diários oficiais da União e do Estado do Pará. Depois de amanhã, quarta-feira (16), será o dia da abertura dos envelopes. Leva o contrato a empresa que oferecer os serviços discriminados em edital pelo menor preço. Só para lembrar: são 6,4 milhões em jogo para atendimento de hemodiálise a, segundo a Semsa, 55 pacientes.

Processo quase caduco

Ainda está rolando uma licitação que começou, pasme, no dia 27 de fevereiro do ano passado para contratação de empresa especializada em serviços de gestão de equipamentos médico-assistenciais para manutenção, calibração e reparos, incluindo a reposição de peças e acessórios, em equipamentos biomédicos. O processo quase caducou. A prestadora dos serviços iria administrar R$ 2.994.729,24, que miram o HGP (R$ 1.497.364,62), a Policlínica (R$ 898.418,77) e a UPA (R$ 598.945,85). O valor foi reajustado para R$ 2.995.063,80.

Criticada por muitos pacientes ao longo dos últimos meses pela falta — jamais confirmada — de insumos básicos, como gases, esparadrapos e até seringas, a saúde pública de Parauapebas levou, nesse processo, um baita puxão de orelha de nove páginas da PGM, que recomendou diversas modificações no edital e seus anexos. A Procuradoria bateu pesado em cima da exigência de apresentação de atestados para fins de qualificação técnica em licitação.

Depois de tantas idas e vindas no processo, apenas em 21 de dezembro ele foi finalmente publicado nos diários competentes. A abertura de envelopes para a concorrência ficou de ocorrer na quarta (9) da semana passada. Até o momento, no entanto, a Prefeitura de Parauapebas não deu sinal de fumaça do que pode ter ocorrido nessa licitação de menor preço.

Transporte que pariu

A Secretaria Municipal de Saúde quer “emprenhar” cerca de R$ 2,4 milhões dos recursos públicos. Na verdade, ela acelera o passo para, às 10 horas do próximo dia 25, uma sexta-feira, abrir envelopes de proposta e documentação referentes ao processo licitatório que busca contratar uma empresa para prestar serviços no ramo de locação de veículos automotores leves e pesados (caminhão-baú alumínio 3 por 4, picape cabine estendida, carro de passeio, van, camionete e veículo com capacidade para sete lugares). Não é necessário motorista.

A Semsa está disposta a soltar R$ 2.403.717,36 para, segundo ela, “dar apoio às coordenações” nos setores de Gestão Estratégica (14 veículos), Atenção Básica (11 veículos), HGP (três veículos), Vigilância em Saúde Ambiental (três veículos), Vigilância em Saúde Epidemiológica (dois veículos), Vigilância em Saúde Sanitária (dois veículos) e UPA (um veículo). Esse valor, no entanto, é só para um ano de locação. Esta década, só o valor gasto pela Prefeitura de Parauapebas com locação de veículos sob as mesmas alegações daria para comprar concessionárias inteiras do Pará.

O parecer da PGM dá um puxão de orelha na Semsa, que, no item 37, grafa “empenho” como “emprenho” e detona diversas outras redações, recomendando uma série de mudanças no edital e seus anexos, entre retificações e supressões, para garantir segurança jurídica no processo. Nesta segunda-feira (14), foi publicado em diários oficiais o “Aviso de Prorrogação”, em razão de modificações feitas pelo 1º aditivo.

Milhões por milhões

Apenas com os três processos deste início de ano, a saúde vai sequestrar R$ 11.803.226,76 dos cofres do município de Parauapebas. É mais que o desembolsado por ano em 72 das 144 prefeituras paraenses com o serviço de saúde pública, para dar conta de milhares de cidadãos. Não muito longe, a Prefeitura de Curionópolis, por exemplo, gastou, entre setembro de 2017 e outubro de 2018 (um ano, portanto), R$ 10,93 milhões para cuidar da saúde de 15 mil pessoas dependentes da rede pública — há 2.700 curionopolenses beneficiários de planos de saúde.

A situação financeira de Parauapebas, mesmo farta e que abre margem para gastos estratosféricos, precisa se adequar à realidade da população para ser eficiente a ponto de chegar a esta e atendê-la. O município tem, hoje, cerca de 130 mil dependentes do sistema público de saúde. Isso porque, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), 79 mil habitantes são beneficiários de planos de saúde, ou seja, utilizam majoritariamente serviços particulares.

Se essa população, de repente, migrasse para o sistema público, por um motivo fortuito qualquer, a saúde de Parauapebas não suportaria, mesmo com a abundância de recursos financeiros em razão dos exageros e descompassos historicamente criados. Hoje, a saúde oferecida pela rede pública municipal está entre as 100 que mais consomem recursos no Brasil, de acordo com a Secretaria do Tesouro Nacional (STN), mas não aparece sequer entre as 1.750 melhores, segundo indica a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). Não há milhão que chegue.

Redenção

Redencenses buscam na caminhada melhor qualidade de vida

A caminhada ajuda a combater a diabetes, a obesidade e a hipertensão

Redencenses estão cada vez mais em busca de uma vida saudável. Para isso, centenas de pessoas se reúnem todo fim de tarde na Praça da Avenida Santa Tereza e no calçadão da Avenida Brasil para praticar a tradicional caminhada. Essas pessoas buscam no exercício físico benefícios que melhoria da qualidade de vida.

A hipertensão, a diabetes e a vida sedentária quase matam dona Francisca Araújo, de 58 anos. Ela teve um derrame cerebral e hoje, como parte do tratamento, faz caminhada quatro vezes por semana. “Depois que comecei a caminhar minha vida mudou, estou mais disposta para fazer as coisas de casa, a caminhada ajuda a controlar minha pressão e a diabetes” relatou.

Assim como dona Francisca, Gean de Oliveira, de 68 anos, frequenta o ambiente há quase um ano. Segundo ele, “a coisa começou a mudar” depois que começou a praticar os exercícios. “Caminhar é bom para saúde, todos os dias, quando venho praticar atividade física, fico mais disposto. De um ano pra cá não tenho sentido mais dores e minha respiração tem melhorado. Enquanto tiver forças, pretendo caminhar”, disse.

A caminhada é considerada pelos especialistas um exercício que faz bem para saúde, principalmente para os idosos. A atividade é capaz de melhorar a circulação sanguínea, ajuda a prevenir as doenças cardíacas, dá mais equilíbrio e fortalece a musculatura melhorando a qualidade de vida.

O preparador físico Wanderson de Oliveira ressaltou que antes de começar a atividade física é importante não esquecer o alongamento. “Todo aquecimento e alongamento fazem parte do seu treinamento. É isso que vai assegurar que você tenha uma boa disposição para suas atividades,” aconselhou.

Caminhar é um dos melhores exercícios físico, andar mais de 30 minutos por dia pode fazer uma grade diferença para a saúde e vai combater doenças como diabetes, obesidade e hipertensão.

Praticar exercícios físicos é recomendo pelos especialistas, mas, antes de começar, é bom procurar um médico para tirar as dúvidas e verificar se está em condições físicas de praticar essa atividade.

Marabá

Soropositivo marabaense sofre infarto e morre dentro de ônibus

Jovem de 21 anos de idade fazia tratamento de HIV e viajava rumo a Teresina para encontrar o pai

Um jovem de 21 anos morreu no final da manhã da última quinta-feira (10) de infarto. Identificado como Jhonatan Willyan da Silva Dias, ele chegou a dar entrada no Hospital Regional Eustáquio Portela (HREP), em Valença Piauí, já sem vida.

Com residência fixa em Marabá, o jovem estava viajando em um ônibus da Empresa Gontijo, que faz linha de Salvador a Teresinha, quando teve o infarto e faleceu.

De acordo com o pai de Jhonatan, Juraci Silva Dias, o jovem era soropositivo e estava a caminho de Teresina para encontrá-lo.

O pai o aguardava em Teresina quando recebeu um telefonema, informando que o filho veio a óbito dentro do ônibus na BR-316, KM 207 nas proximidades do Posto da PRF em Valença do Piauí.

A Polícia Civil foi acionada e também constatou o óbito. O corpo foi liberado para o exame cadavérico no Instituto Médico Legal (IML) em Teresina.

Capa

Vans darão mais mobilidade à Assistência Social em Parauapebas

A Vale entregou ontem (17) duas vans equipadas com mobiliário para a Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) de Parauapebas. Com as unidades móveis, será possível levar, ao campo e à cidade, informação e serviços à população mais vulnerável para ter acesso a programas sociais. A ação integra o conjunto de investimentos sociais estabelecidos em convênio assinado em março deste ano entre a empresa e a prefeitura, no valor de R$ 7 milhões.

As ações foram definidas de forma participativa com a prefeitura, por meio de um Grupo de Trabalho (GT) formado por representantes de secretarias municipais e da empresa, e atendem ao Programa de Fortalecimento Institucional, condicionante ambiental da implantação do Ramal Ferroviário.

O convênio ainda prevê a aquisição de móveis e equipamentos para o Sine; aquisição de móveis, equipamentos e materiais para o Centro de Convivência Pipa; além da aquisição de um carro e a construção de um Centro de Gestão Ambiental (CGA). Todas essas ações estão em andamento. Em março último também foi assinado um segundo convênio, pelo qual, a Vale doou R$ 3 milhões para construção de escola.

Para o prefeito Darci Lermen, os veículos são muito importantes, porque se trata da proteção das pessoas que mais precisam. “Elas vão nos ajudar grandemente. Isso faz parte de um acordo que foi feito em torno da questão da ferrovia e agora estão chegando os resultados”, comemorou ele.

“Em breve vamos inaugurar o Projeto Pipa, que também vai estar equipado com tudo isso. As vans vão atender a toda a cidade e a zona rural, por meio da Secretaria de Assistência Social, que vai coordenar todo o programa para poder cuidar do Cadastro Único, Primeira Infância, CRAS, todos os programas da área social, enfim”, explicou Darci.

Jorge Guerreiro, secretário de Assistência Social de Parauapebas, disse que, com as Unidades Móveis, vai ser possível chegar mais próximo da população. “Elas vão nos dar condição de fazermos um trabalho com muito mais agilidade e o importante é que elas não vão ficar fixas em um local. Vão estar, de certa forma, circulando em toda a cidade e na zona rural. Então assim vai ser bem melhor para poder atender à população”, disse Guerreiro.