Dia do Enfermo

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

download (3)O Dia do Enfermo foi instituído em 14 de janeiro, para servir sempre de alerta aos profissionais de saúde e aos familiares das necessidades que um doente tem em seu tratamento, dos cuidados com remédios e assistência não só física, como emocional, dispensando o carinho e o afeto que todo enfermo precisa, esteja ou não hospitalizado, já que hoje todos têm consciência de que o estado mental é fundamental para a cura.

O enfermo, tanto internado em hospital quanto em tratamento ?home care? (assistência domiciliar), deve ser objeto de atenção e deve despertar em todos os que a ele estão ligados o instinto fraternal tão próprio da humanidade, dispensado a ele os cuidados necessários para a cura ou, se em caso de mal incurável, a atenção e a paciência para que o sofrimento seja menos cruel.

Para lembrar dos enfermos também existe o Dia Mundial do Enfermo, no dia 11 de fevereiro, data instituída em 1992 pelo Papa João Paulo II que, em carta dirigida a todos os povos do mundo, lembrou que o dia deve representar um momento de oração, de atenção ao sofrimento alheio, dos cuidados que os enfermos necessitam, mostrando o amor a Deus e ao próximo através do doente.

Todos os anos, em 14 de janeiro, são dirigidas mensagens por autoridades eclesiásticas e governamentais através da mídia, procurando conscientizar os cuidadores e amenizar a dor dos doentes.

Origem do Dia do Enfermo

No Brasil, o Dia do Enfermo foi criado através de uma iniciativa do Ministério da Saúde que, em 2002, lançou o programa de humanização dos hospitais, procurando transformá-los em ambientes mais humanos e sociáveis, não só entre os cuidadores (médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem) e os doentes, senão também com a participação de parentes e amigos.

Publicidade

Relacionados