Deputados aprovam texto-base do projeto que adia as eleições 2020

A matéria foi aprovada em primeiro turno. Votação prossegue nesta quarta e parlamentares analisam destaques que podem alterar pontos da proposta
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Plenário da Câmara dos Deputados delibera sobre adiamento das eleições (Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados)

Continua depois da publicidade

Brasília – Deputados aprovaram há pouco, em primeiro turno de votação, o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 18/2020 que adia as eleições municipais de 4 de outubro para 15 de novembro. Foram 402 votos a favor, 90 contra e quatro abstenções. Deputados ainda precisam votar a PEC em segundo turno, sem alterações, para que o texto vá à promulgação. A medida foi tomada para dar mais segurança à população diante da pandemia.

De acordo com o texto, nas cidades em que houver segundo turno, o pleito será realizado no dia 29 de novembro. Os parlamentares aprovaram a proposta após várias rodadas de negociação com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e especialistas em saúde pública. A PEC tem apoio e foi em parte sugerida pelo presidente do TSE, Luís Roberto Barroso.

O relator da matéria, deputado Jhonatan de Jesus (Republicanos-RR), destacou que as mudanças sugeridas resultaram de debates entre Câmara, Senado e TSE, além de representantes de entidades, institutos de pesquisa, especialistas em direito eleitoral, infectologistas, epidemiologistas e outros profissionais da saúde. A PEC 18/20 é de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

“A alteração do calendário eleitoral é medida necessária no atual contexto da emergência de saúde pública,” disse o relator. “Os novos prazos e datas são adequados e prestigiam os princípios democrático e republicano, ao garantir a manutenção das eleições sem alteração nos períodos dos mandatos,” continuou.

Resistência na Câmara

A proposta foi aprovada com largo placar no Senado. Na Câmara, o assunto teve dificuldades para que se chegasse a um consenso. Inicialmente, partidos do centrão, como PP, PL, MDB e Republicanos criaram obstáculos para deliberar sobre o assunto. Essas legendas abrigam grande quantidade de prefeitos, que previam mais dificuldades para a reeleição em caso de mudança de data. Eles queriam uma campanha mais curta e na data original, mas conseguiram o aceno de uma contrapartida.

Após negociação para irrigar o caixa das prefeituras, foi acordada a prorrogação da vigência da Medida Provisória (MP) 938, de 2020, que reservou R$ 16 bilhões para recompor perdas com a arrecadação de fundos de participação de municípios e estados. De acordo com o texto, a ajuda só valeria até este mês. Entretanto, há a intenção de estendê-la até dezembro.

Segundo a equipe econômica do governo, houve um saldo não utilizado, que estava reservado pela MP, de cerca de R$ 6 bilhões. Esse valor deve chegar às regiões do país até o fim do ano.  Antes mesmo de o tema entrar em debate, como condição para aprovação da PEC, parlamentares já conversavam com o governo para liberar esse valor excedente. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o assunto já estava sendo costurado com o assessor especial do Ministério da Economia, Esteves Colnago.

Líderes de partidos não veem problema para a prorrogação, já que trata-se de um valor já contabilizado pelo governo para auxiliar os municípios. A MP, entretanto, ainda não é prioridade para ser colocada em pauta, já que há outras medidas na fila para serem apreciadas. Além disso, legendas tentam negociar a aprovação de proposta do Senado que recria a propaganda partidária no rádio e na TV fora do período eleitoral.

Vice-líder do bloco do centrão, Hildo Rocha (MDB-MA) criticou a proposta durante a votação. Ele apresentou um requerimento para retirar a PEC da pauta, mas foi derrotado. O deputado afirmou ainda que o texto possuía “várias inconstitucionalidades.”

Por Val-André Mutran – de Brasília

Publicidade