Classe política discute hoje intervenção em Jacundá

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma reunião prevista para acontecer na data de hoje, em Belém, vai discutir a possibilidade de solicitar ao Estado uma intervenção político-administrativo na prefeitura do município de Jacundá. A instabilidade política seria a argumentação defendida pelos idealizadores da ideia. Questões jurídicas também serão discutidas.

Um grupo de vereadores está em Belém desde segunda-feira, 5. Liderado pelo presidente do Poder Legislativo, vereador Lindomar dos Reis Marinho, estudam recorrer da decisão do juízo de Jacundá que afastou o prefeito Zé Martins e também a possibilidade de solicitar uma intervenção do Estado. “Vamos discutir essa questão com o nosso grupo, com advogados e com o governo estadual. A população não pode ser penalizada”, explicou Lindomar. Após essa reunião o grupo decidirá sobre o pedido de intervenção.

O quadro político do município afundou numa crise desde o fim do mês de junho do ano passado quando a Câmara Municipal resolveu instalar uma Comissão Processante contra o prefeito José Martins de Melo Filho, o Zé Martins, afastando-o e dando lugar ao vice-prefeito Ismael Barbosa, homem do governo. O entra e sai de prefeito teve mais um capítulo no dia 1º deste mês quando a Justiça local determinou que Zé Martins saísse da Prefeitura enquanto uma segunda comissão processante conclua seus trabalhos. “Iniciei ontem os trabalhos da comissão processante que investiga o gestor por improbidade administrativa”, disse a vereadora e relatora da CP, Eliane Pinheiro.

Um experiente advogado da cidade ouvido pela Reportagem sobre o pedido de intervenção avaliou que “Jacundá está em situação propícia juridicamente pra intervenção, mas é preciso que haja uma situação de instabilidade financeira para ocorrer à intervenção”, disse ele que pediu anonimato.

Formado em Teologia e em Direito, pós-graduando em Direito Constitucional pelo Instituto Brasiliense de Direito Público, o servidor Jacó Santos Pereira, explica que para manter o equilíbrio e evitar distorções em sua unidade, a atual Carta republicana assegurou o remédio da intervenção de uma entidade federativa de maior amplitude sobre outra de menor âmbito (da União nos Estados e destes nos Municípios), somente em situações excepcionais e previstas expressamente no texto magno.

O instrumento pelo qual a intervenção nos municípios é efetivada é por meio de um decreto do governador. Nesse documento, o executivo estadual deverá declinar todos os motivos ensejadores da intervenção, bem como aspectos relacionados à sua duração e limites.

Em virtude de a intervenção visar a correção de irregularidades na administração municipal, ela pode ser solicitada por qualquer cidadão, entretanto o mais comum é que, em se tratando dos incisos I, II e III do artigo 35, CF a solicitação deve partir do presidente da Câmara e, no caso do inciso IV, do chefe do Ministério Público Estadual.  Não se esquecendo que o governador do estado, ao tomar conhecimento das irregularidades, poderá agir de ofício.

Mais sobre intervenção: 

“O Estado não intervirá em seus Municípios, nem a União nos Municípios localizados em Território Federal…”, assim determina o artigo 35 da Constituição Federal, excetuando-se as quatro hipóteses que permitem a intervenção no Município. São elas:

I – falta de pagamento, sem motivo de força maior, por dois anos consecutivos, de dívida fundada;

II – não prestação de contas devidas, na forma da lei;

III – falta de aplicação do mínimo exigido da receita municipal na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde

IV – provimento do Tribunal de Justiça à representação para assegurar a observância de princípios indicados na Constituição Estadual, ou para prover a execução de lei, de ordem ou de decisão judicial.

Publicidade