Casa em que criança foi assassinada destruída em incêndio criminoso

Proprietária do imóvel afirma que sabe quem tocou fogo no imóvel, denunciou o caso na Polícia Civil e vai exigir na Justiça a reconstrução da casa
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Esteve na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil nesta quarta-feira (15) Lucivanir Ribeiro, proprietária da casa em que moravam Deyvyd Oliveira Brito, padrasto, e Irislene da Silva Miranda, mãe da criança Emanuelly Miranda Correia, de um ano e oito meses, estuprada e assassinada no último dia 7. O imóvel, localizado na Rua Axixá, Bairro Liberdade II, estava alugado havia menos de dois meses para o casal e foi incendiado no final da tarde de ontem, terça-feira (14).

Lucivanir, que morou na casa durante dez anos, mas mudou-se para o Bairro Altamira após a morte do pai, que construiu o imóvel, foi surpreendida com o aviso do incêndio: “Eu fiquei bem arrasada [com o assassinato da menina]. Como mãe fiquei bem triste, foi um crime bárbaro. Isso é uma coisa. Outra coisa é tocar fogo na casa”, lamentou a mulher que diz saber, mas não revelou à Reportagem, quem foi o autor do incêndio.

Saiba mais: Padrasto batia na cabeça da criança para que ela desmaiasse antes do estupro

“A casa era alugada por R$ 100,00. Era um patrimônio do meu pai, construído com bastante sacrifício. Por dez anos morei com ele, mas, quando ele faleceu, fui para o Altamira”, conta ela, acrescentando: “(Ontem) quando cheguei, os Bombeiros já haviam dominado o fogo, mas, só a frente ficou inteira, o resto são só destroços”.

Indignada e triste com a destruição da casa, Lucivanir espera que a polícia tome uma providência: “Quero que o responsável arque com as consequências, desejo que a Justiça faça com que ele reconstrua a casa. Isso não pode ficar assim não. Isso é um crime, não pode ficar impune”.

(Caetano Silva)

Publicidade