Cacique mata cacique na Terra Indígena Kayapó em Cumaru do Norte

O que motivou a confusão e o assassinato foi a exploração ilegal de ouro em uma área cuja propriedade era reivindicada pelos dois líderes indígenas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Vai longe o tempo em que indígenas usavam arco, flexa e tacape para lutar entre si. Hoje o que vale em certas aldeias é a lei do gatilho. E foi assim, a tiros, que na última quarta-feira (5), o cacique Betire Kayapó matou outro cacique, Bemoti Kayapó. O crime ocorreu na aldeia Gorotire, Terra Indígena Kayapó, zona rural de Cumaru do Norte. O motivo da briga e do assassinato é uma área onde estaria havendo garimpagem clandestina de ouro.

Ambos os caciques, ao saberem da mineração ilegal e lucrativa, reivindicaram para si a área em que está ocorrendo a exploração. Uma confusão começou por causa disso e Bemoti passou com uma lancha voadeira por cima de Betire, que sofreu profundo corte no couro cabeludo.

O cacique se recusou a ser removido ao Hospital Regional do Araguaia, em Redenção. Preferiu ser socorrido em Cumaru, onde o ferimento foi suturado e ele levou 20 pontos na cabeça.

Após sair do hospital, Betire foi até a área que motivou o conflito e passou a dar tiros a esmo, ferindo gravemente dois indígenas que se encontravam no local e matando Bemoti.

Cacique Bemoti Kayapó (vítima)

Betire ainda incendiou a casa de Bemoti queimou parte do corpo do cacique morto e começou a organizar uma invasão à Casa da Saúde Indígena (Casai), em Redenção, onde se e encontra em tratamento a mulher de Bemoti, para matá-la também.

Os fatos foram comunicados ontem, quinta-feira (6), pela Coordenação Regional Kayapó Sul do Pará, da Funai, à Delegacia de Polícia Federal no Pará em Redenção e à Superintendência Regional de Polícia Civil do Araguaia Paraense.

Eleuterio Gomes – de Marabá, com informações do Repórter Jucelino Show, de Tucumã