Altamira: Bebê de quatro meses morre com suspeita de violência sexual

A criança deu entrada na UPA, na manhã do último sábado (10), com dificuldades respiratórias. Após os procedimentos médicos, foi verificado que o bebê, que acabou falecendo, apresentava sinais de violência sexual. A Polícia Civil investiga o caso
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar a morte de um bebê de quatro meses em Altamira, no sudoeste do Pará. A criança, uma menina, morreu após dar entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), por volta de 11h do último sábado (10), com sinais de violência sexual.

Segundo a Polícia Civil, a Delegacia de Altamira recebeu a informação que um bebê havia morrido com suspeita de estupro. Uma equipe foi até a UPA e, durante uma conversa com a médica de plantão, foi informada que a criança, identificada como Vitória Policena Santana, deu entrada na unidade de saúde com indícios de dificuldade respiratória.

Ela detalhou que fez os procedimentos médicos cabíveis, como a entubação devido à falta dificuldade respiratória, mas a menina teve uma parada cardiorrespiratória logo sem seguida. Rapidamente foram realizados os procedimentos de reanimação, mas sem sucesso e a criança acabou evoluindo a óbito.

Ainda segundo a PC, a médica detalhou que ao retirar a roupa da criança foi verificado que ela apresentava sinais e lesões que indicavam violência sexual. Por conta disso, foi acionado o Instituto Médico Legal (ILM), para fazer a remoção do corpo e realização de perícia e exames de necropsia para saber o que realmente causou a morte da bebê.

A Polícia Civil também requisitou uma perícia na casa onde a criança morava com a família, na Colônia de Pescadores de Altamira, localizado na orla da cidade. Segundo a PC, familiares ouvidos disseram que a bebê estava sendo tratada de uma inflamação na garganta.

A Divisão de Homicídios assumiu a investigação do caso e está colhendo mais informações, para esclarecer se a criança foi ou não vítima de violência sexual.

Tina DeBord

Posts relacionados