Agropecuária Santa Bárbara comenta postagem sobre confronto na Fazenda Cedro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Caro Zé Dudu,

Os integrantes do MST mentem ao dizer que foram recebidos por tiros e faziam ato contra o desmatamento, o uso de agrotóxicos e a grilagem de terras.

Não é mais possível acreditar nessa estratégia histórica e fantasiosa do MST de contar uma mentira várias vezes até que ela venha a ser aceita como verdade. Trata-se de uma artimanha medieval que infelizmente ainda conquista ouvintes mesmo não fazendo qualquer sentido.

A verdade foi que uma multidão descontrolada, fortemente armada, usando mulheres e crianças como escudo humano, partiu em correria e aos berros para dentro da propriedade para invadir a sede e outras dependências da fazenda. Coube apenas a SEIS seguranças prestar a devida proteção à vida dos funcionários e seus familiares ali presentes.

O que a reportagem chamou de confronto foi, sim, mais um ato beligerante do MST, cuja trajetória no campo é marcada pela violência exacerbada, crimes contra pessoas e propriedades, num flagrante desrespeito à lei e ao estado de direito.

A Agropecuária Santa Bárbara repudia com todas as suas forças essa versão cínica e sem sentido.

Cumpre adicionar que os seguranças da Fazenda Cedro são profissionais treinados, legalmente constituídos e orientados pela Agro Santa Bárbara a não praticar nenhum tipo de violência, tendo como função essencial a proteção da vida dos funcionários da propriedade.

Ressalte-se que a Agro Santa Bárbara conta com seguranças somente porque é alvo de seguidos atentados e invasões desde 2008. Nesse período, seus funcionários – especialmente os gerentes – vem sofrendo constantes atentados.

A comprovação desses fatos está nos mais de 200 Boletins de Ocorrência e nos mais de 150 Ofícios enviados pela empresa para todas as instâncias Federais e Estaduais, incluindo a Presidência da República, Ministério da Justiça, Ministério do Desenvolvimento Agrária, Conselho Nacional de Justiça, Governo do Estado do Pará, Secretaria de Segurança Pública do Pará e Congresso Nacional.

O ato criminoso do MST ocorrido ontem na Fazenda Cedro é apenas mais um. Infelizmente não será o último caso as autoridades não tomem medidas severas para proteção às pessoas e ao direito de propriedade.

Agropecuária Santa Bárbara

Publicidade

Posts relacionados