Safra: alternativa a gargalos é criar corredor até o Norte

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Especialistas são unânimes em afirmar que parte da solução para o caos no escoamento de grãos está na criação de corredores logísticos que unam o Centro-Oeste ao Norte e Nordeste. Ao fazer isso, o país economizaria tempo, não apenas no trajeto da fazenda ao porto – já que a distância entre o principal polo produtor e o litoral seria encurtada em cerca de mil quilômetros -, como também no caminho até os principais países consumidores. Estimativas apontam que o tempo do navio que vai do Brasil à China, líder no consumo da soja brasileira, seria reduzido em seis dias, considerando a ida e a volta. Isso daria vantagem competitiva aos produtos brasileiros em relação a seus concorrentes internacionais.

Hoje, 92% da soja que é exportada são escoados por portos no Sudeste e no Sul e apenas 8% pelo Nordeste, mais especificamente pelo Porto de Itaqui, no Maranhão. No caso do farelo da soja, essa distribuição não muda muito. Apenas 6% do total não saem pelo Sudeste, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove).

Governo promete soluções

Para viabilizar a saída de grãos pelo Norte, uma das opções é a pavimentação da BR-163, que liga Guarantã do Norte (MT) a Santarém (PA), considerada “intransitável”.

– Com a pavimentação, poderíamos escoar mais 20 milhões de toneladas de soja e farelo por ano – estima Daniel Furlan Amaral, gerente de economia da Abiove, ressaltando ainda a importância da ferrovia Norte-Sul, há mais de 20 anos no papel.

As hidrovias Tapajós-Teles Pires e Tocantins-Araguaia também seriam alternativas para viabilizar o escoamento da safra de Mato Grosso.

– Belém, Vila do Conde, Santarém (todos no Pará) e Macapá (AP) tinham de ser os portos mais movimentados para a soja, não apenas por causa dos ganhos internos, mas também pela competitividade externa: um navio da China ao Pará economizaria seis dias, na comparação com portos do Sudeste – diz José Mário da Silva, presidente da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da OAB/PA.

O Ministério dos Transportes diz que o primeiro trecho da BR-163 ficará pronto ainda este ano, mas a pavimentação completa só será concluída em 2016, ao custo de R$ 2 bilhões. Quanto à ferrovia Norte-Sul, um trecho de 693 quilômetros que une Anápolis (GO), Palmas (TO) e Açailândia (MA), com acesso ao Porto de Itaqui, sairá do papel até 2014, com orçamento de R$ 3,3 bilhões. A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) informa que as hidrovias de Tapajós e de Tocantins já têm orçamento de R$ 31 milhões. Para Tapajós, os recursos incluem obras de dragagem, sinalização, entre outros. O projeto de Tocantins está mais atrasado. Os recursos são para estudos de implantação de terminais em Marabá (PA), à beira da hidrovia.

Fonte: O Globo

Deixe seu comentário

Posts relacionados