Redenção: juiz de paz pede demissão para não celebrar casamento LGBT

Continua depois da publicidade

Juiz de paz alega que decisão do CNJ contraria “princípios celestiais”. Cartório de Redenção diz que não pode haver discriminação.

DO G1-PA

Juiz de paz José Gregório prefere se demitir a celebrr casamento gay em Redenção, no Pará (Foto: João Lúcio/Arquivo pessoal)

O juiz de paz do Cartório do Único Ofício de Redenção, sudeste do Pará, pediu demissão do cargo após decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a realizarem casamento entre pessoas do mesmo sexo. Ele alega que “o casamento homoafetivo fere os princípios celestiais”.

Nomeado para o cargo há sete anos, José Gregório Bento, 75 anos, há mais de quatro décadas é pastor da Igreja Assembleia de Deus, e trabalha como voluntário no cartório civil da cidade, fazendo conciliações e celebrando casamentos.

Segundo o pastor, ele protocolou a demissão porque se recusa a obedecer a decisão CNJ, publicada no último dia 14 de maio, que obriga os cartórios de todo o país a celebrar o casamento civil e converter a união estável homoafetiva em casamento.

“Deus não admite isso. Ele acabou com Sodoma por causa desse tipo de comportamento”, declarou José Gregório. “Acho essa decisão horrível. Ela rompe com a constituição dos homens, mas não vai conseguir atingir a constituição celestial”, completa.

Segundo Gregório, ele recebeu a notificação de que não poderia se recusar a fazer casamentos homoafetivos nesta segunda-feira (20) mas afirmou que, desde a publicação da decisão da Justiça, já havia tomado a decisão de abrir mão do cargo. “Não há lei dos homens que me obrigue a fazer aquilo que contrarie os meus princípios”, alega. “Existe ai uma provocação para um grande tumulto no nosso país. Deus fez o homem e a mulher para a procriação, para reproduzir. Não sei onde vai chegar isso”, questiona.

O pastor afirma ainda que solicitou a demissão ao titular do cartório, Isaulino Pereira dos Santos Júnior, mas que o tabelião pediu que ele permanecesse no cargo. “Ele me pediu para eu ficar e disse que caso alguém solicitasse o pedido de casamento homoafetivo, outro juiz de paz seria chamado para realizá-lo. Mas aqui, graças a Deus,  ainda não chegou ninguém pedindo o casamento homoafetivo”.

Cartório nega discriminação
Procurado pelo G1, o titular do cartório civil de Redenção negou a versão do pastor. “De fato, ele pediu afastamento do cargo na quarta-feira passada (15), alegando que iria mudar de cidade para cuidar da esposa que estaria internada na UTI de Goiânia, mas não falou nada sobre se recusar a fazer casamentos entre pessoas do mesmo sexo”, alegou Isaulino.

Ainda de acordo com o titular do cartório, caso o pastor tivesse pedido exoneração porque não aceita o casamento homoafetivo, ele seria imediatamente afastado do cargo. “Eu iria acatar o afastamento, porque não pode haver discriminação. Caso ele queira sair por esse motivo, eu vou solicitar imediatamente ao juiz da comarca outro juiz de paz”, afirma Santos Júnior, que garante ainda que o pastor não entregou ao cartório nenhuma solicitação oficial de demissão do cargo.

Segundo o presidente da Associação dos Magistrados do Pará (Amepa), Heyder Ferreira, o juiz de paz pode pedir demissão se discordar de uma decisão do CNJ. “Se ele continuar no cargo, é obrigado a cumprir a determinação, mas por ser voluntário, não podemos impor. O cartorário, em compensação, é obrigado a cumprir a determinação”, explica.

De acordo com o último levantamento realizado pelo IBGE, no Censo 2010, 1.782 pessoas declararam viver em casamento entre pessoas do mesmo sexo no Pará.

Entenda a decisão do CNJ

O Conselho Nacional de Justiça, órgão de controle externo das atividades do Poder Judiciário, obrigou todos os cartórios do país a cumprirem a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de maio de 2011, de realizar a união estável de casais do mesmo sexo. Além disso, obrigou a conversão da união em casamento e também a realização direta de casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

18 comentários em “Redenção: juiz de paz pede demissão para não celebrar casamento LGBT

  1. Adriany Responder

    Por isso estamos onde estamos a inversão de valores é completa. O mínimo que poderíamos fazer é respeitar a opinião de quem é heterosexual, seja ele pastor ou não. Homossexuais tem direitos, e os heterossexuais também.

  2. Luciano Responder

    Não é a primeira vez que tudo isso ocorre na história humana e não será a última, mas o certo é que para tudo a consequências individuais e coletivas e colheremos isso a curto e longo prazo. Como seres inteligentes sejam cristãos ou não, muitos se oporão por que são pessoas que tem princípios e que estão fazendo a sua parte para uma sociedade muito acima do moderno, culturalmente viável para se viver que respeita o que a natureza nos colocou, macho e fêmea.
    A tendência não é de melhora mas de piora mas assim como este pastor e muitos outros que não tem suas opiniões respeitadas… não faremos parte disso.
    Foi-se o tempo em que sinônimo de evangélico era sem cultura, nosso povo está muito mais a frente de seu tempo e evoluindo cada vez mais, enquanto outros estão tentando se igualar aos seres irracionais e confundem suas inflamações e licenciosidades pecaminosas com evolução humana.
    Mas um dia tudo isto acaba, até lá aguentemos o que vem pela frente…

  3. Cicero Responder

    Deus não disse NADA, Deus não escreveu NADA, Deus não faz NADA!!!! Esse LIXO que chamam de livro sagrado não passa de um livro ARCAICO. Quanta gente ignorante ainda acredita nesta bosta e o que vemos é uma aberração. TODOS ESSE CRENTES DEVERIAM MORRER NA FOGUEIRA!

  4. Hetero-bem casado Responder

    A humanidade AVANÇA felizmente, mostrando que o HOMEM EVOLUI. Os evangélicos são TÃO ESTÚPIDOS que afirmam que NINGUÉM NASCE HOMOSSEXUAL. A Bíblia está ULTRAPASSADA e ARCAICA, porém é IMPRESSIONANTE COMO SERES HUMANOS ESTÚPIDOS ainda seguem um LIVRO RIDÍCULO A FERRO E FOGO. Será que as MULHERES DESSES CRISTÃOS ESTÚPIDOS FICAM ISOLADAS já que a BÍBLIA FALA QUE SÃO CRIATURAS IMUNDAS quando MENSTRUADAS no mesmo livro que afirma que HOMOSSEXUALISMO É ABOMINAÇÃO? Óbvio que NÃO, pois esses CRISTÃOS FUNDAMENTALISTAS apenas SEGUEM aquilo que INTERESSA do VELHO TESTAMENTO.

  5. Eduardo Responder

    Todos temos o direito de expressar o que pensamos ,o que não pode é um pais se basear em um livro arcaico para negar direitos a cidadãos como qualquer outro!

  6. Cauan Pirí Responder

    O grande problema em tudo isso está na ignorancia cultural e intelectual de muitos evangélicos. A maioria dos evangélicos não tem escolaridade suficiente para ler um gibi, quanto mais um livro tão complexo como a biblia e, quando tem uma escolariadade, por outro lado, como esse Juiz de mente pobre, se deixa levar pela ilusão mistica da religião, ou seja, alienados.

    O que geralmente ocorre é desprezar os vários contextos que a Bíblia apresenta.
    Uma escritura deve ser sempre analisada em seu contexto. A palavra contexto tem o sentido de “o que está ao redor”. A seguinte frase contém uma grande dose de verdade: “um texto fora de contexto se torna um pretexto”, que significa que se tiramos uma escritura bíblica de seu contexto, podemos justificar qualquer argumento, seja ele equivocado ou não. Os elementos que constituem o contexto de um texto bíblico podem ser definidos de modo crescente:
    O parágrafo -> o capítulo -> o livro -> o Testamento -> a Bíblia como um todo -> a época e o mundo dos autores/receptores e dos fatos.
    Contexto imediato
    Ao se ler uma escritura, devem ser considerados também os versículos que estão ao seu redor. Este simples procedimento é um grande passo para trazer clareza ao significado da Escritura. Como exemplo, vamos ver o versículo a seguir:
    Você está casado? Não procure separar-se. Está solteiro? Não procure esposa (I Coríntios 7:27).
    Se tomarmos essa escritura isoladamente, poder-se-ia até afirmar que é um mandamento bíblico que um homem solteiro não deva se casar. Mas se observarmos todo o contexto do capítulo 7 da carta de Coríntios, vemos que Paulo está tratando de uma situação particular da igreja naquele determinado momento, provavelmente uma época de muita perseguição aos cristãos. Se observarmos o trecho anterior, está escrito: “Por causa dos problemas atuais, penso que é melhor o homem permanecer como está”. No versículo 25 deste mesmo capítulo, “quanto às pessoas virgens, não tenho mandamento do Senhor, mas dou meu parecer como alguém que, pela misericórdia de Deus, é digno de confiança”. O que vemos é que Paulo está expressando sua opinião particular, decorrente do momento que a Igreja estava atravessando, mas não que desejasse que isso se tornasse um mandamento de Deus.

  7. Eleitor Arrependido Responder

    O Foco está errado, a questão é outra!

    Jesus em toda as aparições pregou a humildade, o amor ao próximo, o humanismo, e morreu acreditando nisso.

    Segundo Rosseou, em seu livro O Contrato Social, vislumbra: “Somos seres totalmente políticos, não sabemos viver sozinhos e para tal precisamos respeitar os limites entre nós, por isso precisamos das leis para que consigamos viver em paz…”. Quer dizer: Moramos em um país democrático, ou pelo menos tentamos, de modos que mais cedo ou mais tarde um homossexual, bissexual, pastor, padre, bispo, coroinha poderá passar pelo trono mais importante do estado brasileiro, querendo ou não, vivemos sob leis. Do contrário é absolutismo, que lembra Hitler, que incita guerra, que viola direitos.

    Estas discussões não passam de modismo político-financeiro de um partido A ou uma igreja B, e com isso perdemos o foco principal: a pessoa, aquelas que estão na miséria, as que tem fome, as doentes prostradas, as vítimas de guerras. Tudo isso continua sendo briga pelo dinheiro e poder, pois sabemos que a bíblia é um livros complexo e portanto fácil de desinformar uma massa. O fato é que passa tempo e volta tempo o pobre sempre terá problemas para existir, novamente uma questão de dinheiro. Estas discussões passam e morrem com seus abrasadores, perda de tempo, todos querem ser santinhos. No seu íntimo pessoal você já determinou o que você acha de pastor ou homossexuais, aceitando ou não e isso é o que importa, agora se tentar colocar esse sentimento pra fora com certeza irá violar a Constituição Brasileira, direitos iguais.

    E agora, qual será a próxima discussão?

  8. Wildbruno Costa Responder

    Direitos iguais, se os homossexuais tem o direito de uma união estável o Juíz de Paz tem o direito de discordar e pedir demissão.
    O problema é que os militantes homossexuais querem impor a todo custo uma forma de pensar, ferindo assim o que eles tanto pregam que é a igualdade e tolerância, são igualdade de pensamento apenas para os homossexuais? são intolerantes apenas os heterossexuais?

  9. Anomimo Responder

    Não critique e desição dele, respeite assim como vocês querem respeito, querem que todo mundo aceite suas opções sexuais, vocês acham que estão certos e nós os evangélicos acharmos que estão errado. Cada um tem sua opinião. Se falamos que não concordarmos somos chamados de homo fóbicos, isso deveria ser um direito de todos, não apenas dos homossexuais. Vocês também não concorda com o evangelho de Cristo nem por isso ficarmos xingando vocês.

    • Mara maraivilha Responder

      Acho que discordar é um direito de qualquer cidadão, porém opinar é querer ser um formador de opinião e isso acaba gerando conflitos sem necessidade. evangelico e homessuxal não dar dignidade a ninguem, o que vale é seu carater, o que você faz de bem para o proximo isso sim é de DEUS

  10. Cauan Pirí Responder

    Rei Davi e Jonatã: amor homossexual

    O amor entre homens era punido com a morte — a não ser que você fosse o rei Davi. Os livros Samuel I e Samuel II contam a história da amizade entre ele e Jonatã, filho do rei Saul, antecessor de Davi e candidato natural ao trono de Israel. Davi acaba escolhido para a sucessão, mas isso não abala o relacionamento dos dois. Está escrito: “A alma de Jonatã se ligou com a alma de Davi. E Jonatã o amou, como à sua própria alma” (Samuel I).

    Em outra passagem, Jonatã tira todas as roupas, entrega a Davi e se deita com ele. “E inclinou-se três vezes, e beijaram-se um ao outro” (Samuel I). “Esse relato incomoda os intérpretes tradicionais da Bíblia, que tentam explicar a relação como uma forte amizade, e o beijo como um costume comum entre homens”, diz o historiador finlandês Martii Nissinem, da Universidade de Helsinki e autor de Homoeroticism in the Biblical World (Homoerotismo no Mundo Bíblico). “Mas é difícil negar a referência à homossexualidade nesse caso, mesmo que a lei judaica a proíba expressamente.”

    Para alguns especialistas, o Antigo Testamento também sugere um relacionamento homossexual entre duas mulheres, Noemi e sua nora Rute. Está no livro de Rute um trecho em que ela diz a Noemi: “Aonde quer que tu fores irei eu, e onde quer que pousares, ali pousarei eu. Onde quer que morreres morrerei eu, e ali serei sepultada”.

    “Estou angustiado por causa de ti, Jonatã. Mais maravilhoso me era teu amor do que o amor das mulheres.” (Samuel II 1, 26).

  11. Anônimo Responder

    No princípio Deus criou o homem e a mulher (Gênesis 1.27) e deu ordem para que eles se unissem em matrimônio (Gn. 2.24).
    Deus fez Adão e Eva e não Adão e Ivo. Cada um que respeite a opinião e os valores do próximo já que o que se diz querer é a extinção do preconceito.

    • Cauan Pirí Responder

      A biblia não passa de um livro de estorias, e se realmente fosse pra levar os mandamentos ao pé da letra, estariamos na idade da pedra. O engraçado nisso tudo é que alguns colocam frases da biblia para justificar seus preconceitos e ignorancias.

      A exemplo: devemos seguir esse mandamento?:

      “Quando houver moça virgem, desposada, e um homem a achar na cidade, e se deitar com ela, então trarei ambos à porta daquela cidade, e os apedrejareis, até que morram.” (Deuteronômio 22:23-24)

      • JUSTIÇA Responder

        Deuteronômio está no Velho Testamento, quando o tempo era da “Lei de Moisés”, após a vinda de Jesus passamos a viver não no tempo da Lei, mas no tempo da graça. Jesus resumiu os mandamentos em apenas um: Amar a teu próximo como a ti mesmo e a Deus acima de todas as coisas; logo, se amarmos o próximo como a nós mesmos, jamais iremos fazer algo que queremos que façam a nós.
        Quanto a união homoafetiva, a Bíblia, livro inspirado pelo Espírito Santo (e o único pecado que não tem perdão é aquele em que um ser blasfema contra o Espírito Santo), esse Livro dos Livros nos orienta a não agir dessa forma, a não casar com pessoas do mesmo sexo, pois estaremos descumprindo uma das ordens de Deus (crescei e multiplicai), ninguém conseguirá multiplicar com uma pessoa do mesmo sexo.
        E o Pastor está certo, pois Sodoma e Gomorra foi destruída justamente por esses pecados da carne.
        Não tenho nada contra seu comentário, todos temos direito de expressar nossa opinião, quis apenas tentar responder uma possível indagação.

  12. Cauan Pirí Responder

    Esse povinho evangélico é uma desgraça… ” principios celestiais”, isso me dar nojo um magistrado ter uma visão tão ridicula e vergonhosa como essa. Por essa razão que nossa justiça é uma porcaria, também com pessoas como esse Juiz, não poderia ser diferente. Não acho bonito casamento de pessoas do mesmo sexo, mas defendo o direito de cada um escolher ser feliz. O que me envergonha mesmo é a nossa justiça ser representada por um retardado mental como esse pastor.

    • Nordestino Responder

      Juiz de paz é um cargo honorífico, auxiliar do poder judiciario. Ele não faz parte do poder judiciário.

  13. carlos Responder

    Velho baitola, e aí saiu e agora vai ficar em casa mexendo no saco muxo.nossa que povo evangélico sem vergonha.

Deixe seu comentário

Posts relacionados

%d blogueiros gostam disto: