Pará registra maior número de casos de trabalho escravo na Região Norte

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Trabalho escravoNa região Norte do país, 337 trabalhadores em situação semelhante à escravidão foram resgatados no ano passado. Em todo o país, foram quase 1.600.

A maior parte das pessoas trabalhava nas atividades da Construção Civil, Agricultura, Pecuária e Extração Vegetal. A informação foi divulgada nessa quarta-feira pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

O Pará é o estado do Norte com o maior número de casos identificados de trabalho escravo. No ano passado, foram 107. Em segundo lugar, vem Tocantins, com 90 registros e em terceiro, o Acre, com 74 trabalhadores resgatados em situação de escravidão.

No estado do Amazonas, os fiscais do trabalho encontraram 41 casos. Mas o chefe de Fiscalização do Trabalho Escravo do Ministério do Trabalho, Alexandre Lyra, acredita que esse número pode ser ainda maior por causa da dificuldade de se chegar a alguns locais no estado.

A pesquisa foi divulgada nessa quarta-feira (28) em referência à Semana de Combate ao Trabalho Escravo  e ao Dia Nacional do Auditor Fiscal do Trabalho.

A categoria participou de um ato em Brasília para pedir a condenação dos acusados pela chacina de Unaí, Minas Gerais, há 11 anos.

Em janeiro de 2004, três fiscais do trabalho e um motorista do Ministério do trabalho foram mortos durante uma operação no município mineiro. Nove pessoas foram indiciadas pelo crime. Até hoje, apenas 3 foram julgadas e condenadas.

juiz-jonatas-andrade_thumbPara Jônatas Andrade (foto), juiz federal do trabalho, a data é de importância fundamental. Segundo ele, “o instrumento que permite ao cidadão comum a participação no bolo da riqueza nacional, representada por R$1,2 trilhão do PIB, é o trabalho. É através do trabalho que o cidadão vai buscar seu quinhão nesse bolo. Esse instrumento não pode, portanto, ser escravizante, degradante, indigno. Nosso acordo de convivência (CF) assim o estabelece. A República tem como fundamento os valores do trabalho que possibilitam a vida em sociedade”.

Jônatas Andrade é juiz titular da 2ª Vara do Trabalho da Comarca de Marabá, e há anos vem sendo premiado com as mais importantes comendas nacionais em relação a sua função e aos Direitos Humanos, tais como o Prêmio Direitos Humanos 2012, recebido das mãos da presidente Dilma Rousseff; João Canuto 2013; e Paulo Frota 2014.

Baixa escolaridade
Ainda segundo dados divulgados pela CPT, dos quase 1.600 trabalhadores resgatados de condições análogas a de escravo em 2014, 39,3% não tinham concluído o 5º ano do ensino fundamental, 32,8% eram analfabetos e 14,6% tinham do 6º ao 9º ano escolar incompletos. Dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT) apontam que a maior parcela desses trabalhadores tinha como estado de origem o Maranhão (23,6%), seguido da Bahia (9,4%), do Pará (8,9%), de Minas Gerais (8,3%) e do Tocantins (5,6%). De acordo com a CPT, o perfil do trabalhador resgatado se mantém com a predominância de migrantes do interior em busca de trabalho fora do estado de origem.