Governo Darci prepara compra de materiais de higiene para afetados por enchentes

A previsão meteorológica alerta que muita água vai rolar nesta reta final de fevereiro e durante o mês de março. Por isso, Prefeitura de Parauapebas se antecipa para atender a desabrigados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

As fortes chuvas de inverno que se abateram sobre a Capital do Minério em fevereiro e que devem se intensificar em março estão exigindo respostas rápidas e enérgicas do governo de Darci Lermen, que não está medindo esforços financeiros para atuar em defesa da população. Por isso, a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil da Prefeitura de Parauapebas vai realizar no próximo dia 5 de março um registro de preços para comprar itens de higiene, asseio pessoal e colchões com vistas a distribuir às famílias que se encontrem vulneráveis e que tenham sido ou eventualmente venham a ser afetadas pelas cheias do Rio Parauapebas e seus afluentes.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu, que apurou que o governo municipal está disposto a gastar até R$ 500 mil em 34 itens, como fraldas, talco, jogo de cama, colchões, sabonetes, escovas de dente e sacos de lixo, produtos que serão disponibilizados às pessoas que tiverem seu patrimônio afetado pelas enchentes.

Para fazer a aquisição, a prefeitura busca amparo, entre outras leis, na Política Nacional de Proteção e Defesa Civil, que orienta identificar e mapear as áreas de risco de desastre e incorporar ações de proteção e defesa civil no planejamento municipal, bem como organizar e administrar abrigos provisórios para assistência à população, em condições adequadas de higiene e segurança, além de promover a coleta, a distribuição e o controle de suprimentos em situação de desastre.

Na justificativa que acompanha a licitação, a prefeitura não informa quantas pessoas serão alcançadas com a medida, mas a julgar pela quantidades de itens (10.560) é provável que cerca de 200. Também não é reportado o cronograma de entrega dos itens, mas eles devem ser distribuídos à medida que as famílias acusarem ser castigadas pelas enxurradas. Por essa razão, o processo licitatório é um registro de preço em que a contratação só será efetivada futura e eventualmente se houver necessidade.