FAP E O "GOVERNO CIDADÃO"

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

É impressionante como o “governo cidadão” não se preocupa com o cidadão! Erros constatados na última FAP, em 2007, que deveriam ter servido de exemplo, não foram solucionados.
O “cidadão”, passa por uma fila de 6 km para chegar ao local da FAP, bastaria a presença do DMTT no trajeto para que pelo menos 50% dos problemas encontrados no trânsito fossem solucionados ou pelo menos melhorados.
O que se vê nesse percurso são motoristas ultrapassando pela direita e às vezes até em fila dupla, provocando à frente um terrível congestionamento, que atrasa mais ainda a chegada ao destino.

Nesse caso, o destino era a portaria da FAP 2008.
Como pode ser constatado na foto, milhares de “cidadãos”, pagando ingresso a um preço muito alto (R$15,00), enfrentado uma grande fila para comprar e outra maior ainda para entrar. Somente 5 catracas funcionando para receber os “cidadãos” que queriam prestigiar o evento.
Aqueles que conseguem entrar, lá se deparam com situações que conotam o total desinteresse do “governo cidadão” para com aquele aquém ele deveria servir. Bebidas e comidas com preços exorbitantes (não por culpa dos barraqueiros, estão cobrando 5 mil por barraca e com um aluguel desse o barraqueiro é obrigado a vender caro para não ficar no prejuízo) , parque de diversão sem nenhum atrativo especial (montanha russa que só funcionou nos 2 últimos dias, carros bate-bate e mais nada). A própria Feira que nada trouxe de novidades ou curiosidade para o “cidadão” ( no ano passado se viu mini-vacas, búfalos, empresas mostrando os seus produtos), nem mesmo a Casa da Roça, parceira de tantos anos, montou stand na FAP 2008.
Até onde sabemos, a Prefeitura/Governo Cidadão, fez repasse de 900 mil reais para o SIPRODUZ, para que a FAP 2008 fosse um sucesso. Com certeza o que entendemos por sucesso, é bem diferente do que entende os responsáveis pela FAP 2008 ou os investidores, que nos responsáveis por ela, depositam a confiança no retorno de seus investimentos.
Será que solicitar ao DMTT um apoio no percurso que leva à FAP, é pedir muito?
Será que construir mais locais de acesso ao “cidadão” para entrar na Feira com filas pelo menores, é pedir muito?
Será que ter alimentos e bebidas com preços iguais ao do comércio local, é pedir muito?
Será que colocar alguns banheiros químicos em locais mais próximos dos eventos da Feira,para que o “cidadão” não precise andar quase 500 metros e enfrentar uma grande fila para usar os banheiros, é pedir muito?
Para alguns privilegiados, a FAP é uma delícia: Entram por portões especiais; não pagam por bebidas e comidas caras pois usam dos stands das empresas para matar a fome e a sede; na hora dos “shows”, sobem para os camarotes onde ficam observando os “cidadãos” se apertarem na procura de um local que dê pelo menos para ouvir melhor o artista.
Tudo isso demonstra a preocupação do “governo cidadão”, principal parceiro do SIPRODUZ, com a FAP 2008.
Nossa esperança, é que a partir do próximo ano, esses problemas não voltem a acontecer.
O “cidadão” de nossa cidade, que daqui a alguns dias decidirá seu futuro, com certeza se lembrará da FAP 2008, (do tempo perdido no trânsito, do aperto na fila e do preço do ingresso, da fila para entrar, e na caristia do que consumiu), na hora de escolher aquela(e) que o representará pelos próximos quatro anos.

Posts relacionados