Entrevista com o prefeito Valmir Mariano

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Blog – Seu Valmir, em 2006, o senhor foi candidato a Deputado Estadual pelo PSB e obteve 5.600 votos em Parauapebas. Em 2008 o senhor era o virtual candidato a prefeito ou a vice-prefeito e sei lá por que motivo não participou da política naquele ano. Em 2010, já pelo PDT, foi candidato a Deputado Estadual e teve uma expressiva votação, 13 mil e tantos votos aqui em Parauapebas, o que lhe credenciou a ser candidato a prefeito em 2012, quando se elegeu. O que é que mudou do político Valmir Mariano de 2006 para o Valmir Mariano prefeito de Parauapebas em 2013?

Valmir Mariano – Amadurecimento, nós amadurecemos muito! Como você mesmo frisou, era pra eu ser candidato em 2008. Por falta de amadurecimento político eu perdi uma oportunidade de disputar, e talvez com uma grande oportunidade até de vitória, mas isso aí são águas passadas. Então houve um amadurecimento, a gente começou a analisar melhor esses partidos, esse é um dos motivos pelos quais nós viemos para o PSD. O PSD, além de ser um partido novo, me ofereceu a presidência do partido, então isso me dava mais respaldo e mais garantia de candidatura, além de estar, de certa forma, atrelado ao governo. Sempre estar ao lado do governo, é melhor do que estar fora.

Blog – O senhor falou em amadurecimento político e em presidência do partido. Em 2006, 2008 e até em 2010 o senhor se sentiu traído dentro desses partidos? Foi o que o fez buscar outro partido?

Valmir Mariano- Olha, eu não diria assim traído, mas inseguro. Eu não tive muita segurança. Em 2008, por exemplo, no PSB, a gente encontrou algumas dificuldades porque na época o PSB estava na base do governo e ficava difícil pra eu fazer oposição ao governo, sendo que o partido estava na base. A mesma coisa aconteceu em 2010 com o PDT, eu também senti essa mesma insegurança.

Blog – O senhor foi eleito em 2012 com quase 20 mil votos de vantagem sobre o seu oponente. Para se eleger foram feitas várias composições. O senhor se arrepende de alguma composição feita à época?

Valmir Mariano – Arrepender, não. Eu não me arrependi, mas se eu não tivesse feito tantas coligações teria tido mais facilidade para governar. Mas não é um arrependimento não, isso simplesmente exige um pouco mais de jogo político pra contemplar as pessoas que realmente participaram desse processo.

Blog – No início – nós estamos no quinto mês de governo – o senhor tomou umas pancadas, politicamente falando, no trato político. Cito, por exemplo, quando precisou negociar o orçamento encaminhado pela administração anterior e não souberam conduzir e o negócio desandou; Na eleição da presidência da Câmara Municipal, o senhor não foi contemplado como queria apesar de ter sido eleito o Josineto, da sua base aliada. Hoje, com cinco meses de governo, já se convive com um momento de greve. O que é que está faltando? Tá faltando articulação política, tá faltando alguém pra tomar conta disso, tá faltando traquejo político? O senhor falou que amadureceu de 2006 pra cá, então ainda está faltando um traquejo?

Valmir Mariano – Eu vejo o seguinte, como empresário, eu sempre vi que montar equipe é o papel mais difícil do empresariado, é extremamente difícil. Tem um ditado que diz o seguinte: “que o maior papel do empresário, é de formar equipe”. O empresário que pensa que vai encontrar equipes prontas, ele fracassa, porque não existe. Porque cada equipe tem que ser montada de acordo com o pensamento do gestor. Na iniciativa pública é muito maior. Na minha empresa, por exemplo, eu estou há 26 anos montando equipes, e na iniciativa pública você tem que montar equipe nos três meses que antecedem o governo, então os pensamentos se divergem muito, e talvez tenha sido isso aí, uma das dificuldades. Talvez, embora tenha tido um amadurecimento, mas não o suficiente, e a gente cometeu alguns erros.

Blog – O Valmir de 1º de janeiro de 2013, o Valmir político, é diferenciado do Valmir político de nove de maio? Tá mais tarimbado?

Valmir Mariano – Bem mais.

Blog – Seu Valmir, eu falei com o senhor na data da sua posse e o senhor me disse que já estava trabalhando desde o dia 7 de outubro para assumir os problemas de Parauapebas. Então se nós temos aí oito meses e o governo não deslanchou ainda, não deu aquele start ainda. Nesses oito meses, faltou o que pra esse start?

Valmir Mariano – Os primeiros três meses foram pra nós, um trabalho pra receber a máquina. Foram os três meses que eu já comecei a trabalhar, mas muito pouco pôde-se fazer. Eu posso considerar mesmo, quatro meses de trabalho. Tudo no nosso governo nós temos que trabalhar em cima de projetos, então o nosso primeiro passo foi tomar pé da situação mesmo, sentir a realidade, porque durante o processo de transição, nós não tivemos todas as informações necessárias. Então primeiro foi você sentar na cadeira; segundo, o meu secretariado, com pouquíssimas exceções é um secretariado, que vem todo da iniciativa privada, que também não tem conhecimento da máquina pública, e isso trás aí algumas dificuldades nesse sentido. E nada nos foi deixado pra dar continuidade, o governo praticamente começou do zero. Então, primeiro passo, nós temos que ver aqui quais são realmente as grandes necessidades; Foram detectados três os pontos que nós achamos importante atacar inicialmente: a saúde, a água e o trânsito. O trânsito tem sido uma preocupação minha porque aqui em Parauapebas morre mais de uma pessoa por dia, é uma grande preocupação. Nós elegemos esses três

Blog – E agora, depende do que?

Valmir Mariano – Vamos fazer os projetos. Depois que se definem os projetos se entra para o processo de licitação. Licitação não se consegue fazer com menos de sessenta dias, então só aí, por exemplo, nós já estamos consumindo esses quatro meses, mas nós já temos muitas obras com projetos em andamento, várias obras inclusive, que esses projetos já estão prontos. Eu acredito que a partir desse segundo semestre agora, as obras começam a aparecer, e realmente começam a aparecer os trabalhos que nós estamos fazendo. Outra coisa é que nós estamos trabalhando em cima de planejamento, nós não estamos fazendo um governo aleatório. Nós temos um plano de governo pra quatro anos, e outro plano de governo pra daqui a dezesseis anos. O plano de governo pra quatro anos já está pronto, o nosso processo de gestão já está pronto, e um plano de governo pra daqui a dezesseis anos também já está pronto, nós vamos apresentá-lo na próxima semana pra sociedade. Nós fizemos uma curva de crescimento da cidade, então nós estamos fazendo um governo pra aproximadamente quinhentos mil habitantes, isso deve acontecer por volta de 2026, mais ou menos, então já estamos com esse trabalho encaminhado.

Blog – O senhor falou que os seus secretários vieram, a maioria, da iniciativa privada. O senhor já fez duas trocas. Vem mais trocas por aí?

Valmir Mariano – Tive que trocar no Meio Ambiente que está interinamente com o Zoênio, e por último foi o do trânsito, do DMTT que, na verdade, foi uma substituição também. Foi um compromisso político, que era com o PR, mas infelizmente, o indicado não tinha o conhecimento necessário então nós o substituímos e vamos substituir sempre que acharmos que o escolhido não esteja desempenhando um bom papel.

Blog – Na Habitação o senhor nomeou o Vicente, apesar de ele não ter tomado posse no dia que o senhor anunciou o secretariado ele estava como secretário. A falta do Vicente na relação dos secretários que efetivamente tomaram posse tem alguma coisa a ver com a eleição da Câmara?

Valmir Mariano – Tem, tem sim. Porque eles estavam na base aliada, tinha um compromisso firmado entre as partes e não foi o que aconteceu, então retiramos esse benefício.

Blog – Qual é hoje a relação do governo com a Câmara Municipal?

Valmir Mariano – É boa. Nós estamos em uma relação embora nós não tenhamos ainda toda a Câmara, mas nós estamos trabalhando nesse sentido. E eu acredito que em pouco tempo, nós teremos toda a Câmara junto com a gente, mas a relação é boa.

Blog – Nos últimos oito anos o funcionalismo público teve 22% de aumento salarial. Em cinco meses o senhor já está oferecendo 10%. Apesar disso o funcionalismo resolveu entrar em greve. O que está sendo feito para contornar essa situação?

Valmir Mariano – Nós tivemos sete rodadas de negociações, Foram sete reuniões que nós tivemos ao todo, e o governo chegou ao seu limite. Eu respeito a posição do sindicato, mas nós chegamos no nosso limite. O que é que eles pleiteiam? Eles pleiteiam um ganho salarial, em cima de um IPC regional. O IPC regional, não é o parâmetro oficial do governo, então nós trabalhamos com o IPC nacional.

Blog – O sindicato alega que isso foi negociado na campanha eleitoral.

Valmir Mariano – Não foi. Foi negociado que teriam ganhos em cima do IPC, mas não especificamente em cima do IPC Regional (até desconhecia do IPC regional). Esse parâmetro, eu cheguei a conhecê-lo agora, depois que eu entrei na iniciativa pública, porque na iniciativa privada, eu nem o conhecia. Na minha empresa, por exemplo, durante todo esse período, a gente trabalha só em cima do IPC federal. Então nós demos ganho real em cima do IPC federal, e antes de tomar essa decisão, eu fui pesquisar. O próprio governo do estado usa IPC federal, então seria um contrassenso o município usar outro IPC. Mas, além disso, nós tivemos aí esse vale alimentação que se eu não me engano foi um projeto do Miquinha na gestão passada que ficou de certa forma alinhavado. E isso tem um peso significativo, esse vale alimentação tem um peso muito grande na folha, então o governo chegou ao seu limite, acima disso eu vou ter dificuldades para fazer todos os investimentos que nós pretendemos. Eu não posso comprometer a saúde do munícipio em custeio, então nós temos que ter recursos para fazer os investimentos. Foi essa a decisão.

Blog – Apesar da justiça ainda não ter deferido o pedido de liminar solicitado pelo munícipio, eu acredito que ela deve julgar ilegal essa greve. Isso não traria, apesar de ganhar na justiça que os trabalhadores retornem, mas não traria para o governo um desgaste muito grande? Não seria melhor uma oitava rodada de negociação?

Valmir Mariano – Sem dúvida todas as greves trazem um desgaste, mas a partir do momento que você chegou no limite, que você não tem mais o que oferecer, então tem que pagar o preço. Então nós vamos pagar o preço.

Blog – Seu Valmir, foi anunciado agora na visita que o governador Jatene fez à Parauapebas que o Hospital Municipal que está sendo terminado agora na sua gestão vai ser regionalizado. Qual será a contrapartida do estado nessa regionalização? Porque esse hospital, se não me engano, vai custar quase cinquenta milhões para o município quando terminar. Ele vai ser entregue de mão beijada pro estado ou como é que vai ser esse convênio?

Valmir Mariano – Não, esse convênio está em estudo. Eu só manifestei isso porque é um hospital muito grande. Ele não é um hospital municipal, a concepção dele não é de um hospital municipal. São poucas as capitais no Brasil que tem um hospital desse tamanho. Ele é um hospital que vai custar muito aos cofres públicos, então o objetivo de nós regionalizarmos esse hospital é pra que nós tenhamos uma baixa no nosso custo de manutenção do hospital, mas o desenho de como nós vamos fazer esse trabalho ainda esta sendo estudado. Eu já fiz uma proposta também de uma PPP com a Vale, então se for vingar esse projeto a Vale também vai nos ajudar. Aí nós teríamos uma parceria entre o governo do estado, a Iniciativa Privada e o governo municipal, mas esse é um trabalho que está sendo alinhavado. De qualquer forma, eu pretendo dividir essa responsabilidade com o estado pelo fator custo.

Blog – Esse custo pode ser diluído da despesa que a prefeitura teria?

Valmir Mariano – É, a prefeitura entra com uma parte, o estado entraria com uma parte, e se nós conseguirmos uma negociação com a Vale, a Vale também entraria com uma parte na manutenção.

Blog – Aí o senhor está falando na manutenção e na operacionalização do hospital. Eu falo do espaço físico, ele será cedido definitivamente ao estado?.

Valmir Mariano – O espaço físico é do município.

Blog – A Vale tem o compromisso com o Ministério Público do Trabalho de construir aqui um teatro. O senhor recém-inaugurou a pedra fundamental do Restaurante Popular no local onde a administração anterior escolheu para fazer o teatro. Pra onde vai esse teatro?

Valmir Mariano – Primeiro que o local era impróprio. Nós julgamos que aquele local pra teatro era impróprio porque dentro da cidade, não tem área de estacionamento e o trânsito da nossa cidade já está muito conturbado no centro. O nosso pensamento é criar um centro administrativo que ficaria nesses bairros novos, na entrada da cidade. Criar um grande centro administrativo e nesse centro administrativo então será contemplado com o teatro, onde tem espaços maiores e tudo mais.

Blog – Mas não tem uma área definida ainda.

Valmir Mariano – Então, 100% definida não, mas já estamos trabalhando nisso.

Blog – O senhor falou também dia no 1º de janeiro quando o senhor foi entrevistado coletivamente, que iria mandar fazer um estudo pra ver a situação do trânsito de Parauapebas. Esse estudo já foi encomendado?

Valmir Mariano – Já foi encomendado para uma empresa de engenharia lá de Curitiba, inclusive o Célio Costa foi quem fez a visita e nós já começamos a fazer o estudo nesse sentido, já estamos trabalhando. É um estudo profundo, de investimento bastante alto mesmo, mas já está em andamento. A solução para o trânsito vai exigir uma parceria com a Vale. Nós pretendemos tirar todo o trânsito pesado aqui do centro da cidade e desviá-lo,e para que isso aconteça é necessário uma parceria com a Vale também. Já está em andamento esse trabalho.

Blog – A última festa promovida pelo município, a Festa da Mulher, houve um problema e não aconteceu o show com a cantora Roberta Miranda. O senhor está olhando com carinho essa festa do jubileu de prata, sabendo que se acontecer alguma coisa de errado nessa festa, o senhor estaria “enrolado”?

Valmir Mariano – Eu tenho essa consciência. Realmente acidentes acontecem. É notório que quanto mais você se precaver mais são as chances de sucesso. Eu realmente chamei todo o meu secretariado e fui enfático pra que tenham um maior zelo, todos os equipamentos, por exemplo, que for necessário eu pedi que tivessem dois equipamentos, em alguns casos até três equipamentos, até três geradores. Eu sempre digo, acidentes acontecem, mas nós estamos trabalhando da melhor maneira pra que tenhamos sucesso nesse jubileu de prata.

Blog – Quando o senhor pretende fazer o lançamento do plano de governo?

Valmir Mariano – Agora, na próxima semana nós vamos fazer. Primeiro nós vamos apresentá-lo pra Câmara, e depois nós vamos fazer uma coletiva. Pela primeira vez Parauapebas está sendo contemplada com um plano de governo.

Blog – O senhor, em entrevista à Rádio Liderança FM, junto com o prefeito de Curionópolis, o prefeito de Eldorado dos Carajás e o prefeito de Canaã dos Carajás, suscitou a ideia de construir aqui nesse eixo, uma universidade que contemplaria os quatro municípios. Essa ideia parou ali, o que é que está sendo feito?

Valmir Mariano – Com a UFPA, nós já estamos bastante adiantados, tanto que hoje era pra eu ter uma reunião com o reitor da UFPA, mas por problemas alheios, ele não pôde vir, ficou agendado para o dia 25 ou dia 27. Mas, com a UFPA já estão bastante adiantados os trabalhos para trazer o campus universitário. Já tivemos também umas quatro reuniões e pretendemos fazer uma parceria com a Vale. A Vale vai disponibilizar em torno de 20 milhões para nós construirmos o campus; o terreno já existe, o município vai doar o terreno, então esse trabalho já está bem adiantado. Antes do final do meu mandato, eu espero que tenhamos aqui a UFPA. Vai ser a Unifesspa. Na verdade, ela muda de nome a partir do momento que se cria ela aqui, então se cria a Unifesspa, que é a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Mas está bem adiantado, nós estamos trabalhando nisso aí. Sem dúvida, contempla toda a região.

Blog – O senhor pretende criar um consórcio público pra viabilizar?

Valmir Mariano – É pra se analisar também, é pra se analisar.

Blog – O senhor está sendo tachado pela oposição de não cumprir os compromissos. Quais sãos os compromissos de campanha que o senhor não cumpriu?

Valmir Mariano – Estou cumprindo todos eles, não terminou o governo ainda, estou com quatro meses. Ainda tem muito tempo.

Blog – Quer dizer que quem fez compromisso de campanha com o senhor e não foi beneficiado ainda pode ter esperança de ser beneficiado?

Valmir Mariano – Sem dúvida. Todos serão contemplados.

Blog – Algo a acrescentar?

Valmir Mariano – Parauapebas completa agora 25 anos, uma cidade pujante. Nós estamos com cinco eventos festivos, estamos terminando o marco do jubileu de prata, não sei se é do seu conhecimento, mas ali vamos colocar uma cápsula, chamada cápsula do tempo, onde nós vamos colocar todo o histórico do nosso município. Inclusive, você está convidado a colocar lá também, depositar lá um conteúdo do seu interesse, do seu blog pra daqui a 25 anos, no jubileu de ouro, nós vamos abrir essa cápsula e ver como é que está o município. Nós fizemos uma foto aérea, de como é que está o município hoje, e daqui a 25 anos, nós vamos ver novamente. E eu espero estar aqui pra abrir essa cápsula no jubileu de ouro.

3 comentários em “Entrevista com o prefeito Valmir Mariano

  1. Antonio Responder

    Ah vá Valmir!
    Deixa de frescura com esse tal de plano de governo pra daqui a 16 anos, PN, faça o que tem que ser feito agora, você é o prefeito dos 4 anos que estão ai na sua cara. Para com essa historia e conversa fiada, isso ja virou desculpa. Não perca tempo fazendo projeto para 2026. A cidade está em estado de calamidade é agora! Votamos no Senhor pra Governar agora.

    Faça acontecer hoje, deixe o amanhã pra Deus cuidar. Quem vive de futuro é vidente, e de passado museu. Vamos viver o Hoje! Trabalhe! Deixe de onda homem!

  2. Anônimo Responder

    Péssima entrevista. Fazendo pré-julgamentos antes mesmo de realizar a pergunta. Esperava mais do blog e das respostas do prefeito.

  3. MARIA FRANCISCA Responder

    Só acho que tem muita gente contra.Mais eu acredito nesse prefeito.Boto fé.

Deixe seu comentário

Posts relacionados

%d blogueiros gostam disto: