Em guerra contra o novo coronavírus, Marabá vai reforçar HMM com R$ 4,1 milhões

Superado por Parauapebas, que já contabiliza 363 óbitos, o município se mantém alerta em relação à subida de casos. Governo municipal vai comprar medicamentos e aparelhar leitos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Com pelo menos 360 óbitos decorrentes de infecção e agravamento da Covid-19, Marabá, o principal município do sudeste do Pará, está se preparando para reforçar o atendimento aos pacientes que necessitarem de suporte especializado. O governo de Tião Miranda soltou dois editais de pregão para garantir leitos exclusivos para Covid-19 e comprar medicamentos para socorrer pacientes que chegarem ao Hospital Municipal de Marabá (HMM) no sufoco. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu.

Pelo edital de pregão eletrônico de número 50/2021, a Prefeitura de Marabá vai conferir, no próximo dia 7, propostas comerciais para aquisição de R$ 3,15 milhões em 84 diferentes tipos de medicamentos para pacientes, como antibióticos, antipiréticos, analgésicos e corticoides. Já no dia 10 serão apreciadas as propostas do edital 49/2021, por meio do qual serão comprados até R$ 967 mil em equipamentos como monitores multiparâmetros, bombas de infusão, aparelhos de ventilação mecânica, entre outros, a fim de equipar leitos e garantir o funcionamento dos que já estão instalados.

Segundo o governo municipal, a necessidade de se equiparem leitos, inclusive de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), fundamenta-se em critérios técnicos, tomando por base a evolução da doença e seu impacto nos serviços de saúde. A despeito da maioria dos casos apresentarem quadro clínico de leve a moderado, uma parte evolui para graves complicações como pneumonia e síndrome respiratória aguda grave, o que exige recursos especializados. As UTIs desempenham papel indispensável na prevenção e redução da letalidade da doença.

Momento complexo

A Prefeitura de Marabá reconhece que o momento atual é complexo, carece de esforço conjunto na gestão e adoção das medidas necessárias aos riscos que a situação demanda, além do emprego urgente de medidas de prevenção, controle e contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública.

“Os sintomas associados ao coronavírus são semelhantes aos de muitas outras doenças. E, além disso, a ocorrência em larga escala de múltiplos casos concomitantes, ocasionada pela introdução súbita de um novo agente epidemiológico, tem enorme potencial de dano à sociedade e de sobrecarga das estruturas do Sistema Único de Saúde,” esclarece a administração, em nota que acompanha os editais de pregão. A ocupação dos leitos de UTI em Marabá está em 100% há dias.