Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Artigo

Artigo: O político vencedor faz sempre a escolha certa.

Em ano eleitoral o político precisa saber qual é o objetivo e como conseguí-lo
Continua depois da publicidade

“Somos o que fazemos. Nos dias em que fazemos, realmente existimos; nos outros, apenas duramos”.

Na política, a arte de escolher a melhor ação separa os vitoriosos dos derrotados. Essa verdade pode ser conferida dia após dia, ou eleição após eleição, quando vemos pessoas capazes, simpáticas, bem articuladas politicamente e que gozam da credibilidade da população (eleitores) perderem eleições simplesmente porque, na hora de decidirem por quais partidos serem candidatos, quais cargos disputarem, buscarem apoios, tomam as atitudes erradas e põem tudo a perder.

É interessante como a maturidade política não tem relação com a idade. Pessoas jovens tomam sábias atitudes e se tornam vencedores enquanto políticos com idade já avançada, teimosos, insistem em agir politicamente escutando conselhos das pessoas erradas, mesmo que esses conselhos já lhes tenham mostrado que tomaram o caminho dos perdedores.

O bom político, o vencedor, sabe qual é o seu objetivo, e suas ações são sempre relacionadas a ele. Como diz de forma bem realista a frase do Padre Antonio Viera que abre esse artigo, o político é o que faz e só existe quando faz; quem toma atitudes políticas corretas e coerentes com o objetivo final se perpetua como líder, tem o respeito dos seus pares e certamente se torna um vencedor.

É preciso deixar claro que, em política, vencedor nem sempre é aquele que se elege, mas aquele que passa por uma eleição de forma a cacifá-lo para uma próxima, este sim o verdadeiro objetivo.

Aquele político que se candidata a um cargo pelo qual sabe que não tem chances apenas porque seu “desafeto” também vai disputá-lo não está agindo de forma madura. Já dizia uma velha e querida amiga: “Em política se cisca pra dentro”. O bom político não se preocupa com os adversários diretos e sim com aqueles que hoje estão do lado oposto. Trazê-los para uma parceria, para uma dobradinha que no futuro trará lucros políticos deve sempre ser a atitude de um político que enxerga o futuro, que sabe fazer a leitura política do momento. É certo que poucos têm esse dom, mas, os que o tem são verdadeiramente vencedores.

Já aquele político que, de forma estratégica, se candidata a um cargo pelo qual sabe que não se elegerá, mas que independente do sucesso o colocará no rol dos que têm chances de se eleger em uma próxima eleição, e se, neste caso, a candidatura vier agregada de um futuro parceiro, este terá sido um vencedor, mesmo na derrota.

A futura escolha vai mostrar se o político quer mesmo existir, fazer a diferença, ou apenas durar no meio dessa bagaceira viciante. O modo como ele enxerga a conjuntura e toma decisões, não só dentro do seu ninho político, mas tendo a visão de que, como disse Alfred De Musset, “a política é uma delicada teia de aranha em que lutam inúmeras moscas mutiladas“, fará toda a diferença.

O certo é que a vida é feita de escolhas. Na política, saber fazê-las é o diferencial para ser o escolhido!

Tucuruí

Em Tucuruí, Bena declara apoio a Jairo Holanda e não se candidatará (atualizado)

Com a decisão do prefeito em se retirar da disputa, apenas três candidatos devem brigar pela cadeira do executivo tucuruiense
Continua depois da publicidade
O prefeito interino de Tucuruí e presidente municipal do PROS, Bena Navegantes, declarou apoio a candidatura de Jairo Holanda (PSDB). A decisão foi noticiada hoje (26) pelo prefeito em uma reunião com familiares, amigos, correligionários e vereadores de sua base.

Bena estava na dúvida se disputaria as eleições suplementares, mas esperou até a última hora para declarar  apoio ao PSDB. Com a decisão do prefeito em se retirar da disputa, apenas três candidatos devem brigar pela cadeira do executivo, Jairo Holanda (PSDB), Graciele Galvão (DEM) e Tom Bonfim (PT).

Pela resolução do TRE, sexta-feira (27) é o ultimo dia para que os partidos  definam as coligações.

A campanha em Tucuruí tem início neste sábado (28) no campo das redes sociais e na web. “Deixaremos a Prefeitura fora do CAUC e CADIN, com pagamentos de funcionários em dia e com milhões em recursos para saúde e infraestrutura. Essa será nossa contribuição para nosso município. Não serei candidato, mas estaremos ao lado de Jairo Holanda nessa batalha!”, disse o prefeito.

Com a posse do novo eleito, que deve acontecer logo após a eleição suplementar, Bena Navegantes volta à presidência da Câmara Municipal de Tucuruí. Ele assumiu a prefeitura depois da morte do prefeito Jean William e do afastamento, pela Câmara Municipal, do vice, Artur Brito.

RISCO

Mesmo com todos os tramites em andamento, a eleição pode não acontecer já que o prefeito cassado de Tucuruí, Arthur de Jesus Brito, pode voltar a ocupar a cadeira de gestor municipal e seguir governando o município.

Após uma guerra de recursos e idas e vindas à Justiça, na última terça-feira (24), o desembargador Luiz Gonzaga da Costa Neto, da 2ª Turma de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado, derrubou todas as decisões que afastavam Brito do cargo.

A decisão determina a sua imediata reintegração ao Executivo Municipal assim como o retorno dos servidores Florivaldo Vieira Martins e Wilson Wischansky, respectivamente secretário de Obras e chefe de Gabinete de Brito, que também haviam sido afastados desde 13 de novembro de 2017, acusados de improbidade administrativa e de envolvimento na execução do prefeito Jones Williams Galvão, em 25 de julho do ano passado.

Artur espera agora a derrubar na justiça o Decreto Legislativo que cassou o mandato dele no dia 19 de março, único impedimento de seu retorno. A decisão está sendo aguardada pelo ex-prefeito e apoiadores e deve ser divulgado antes do dia 3 de junho, data da eleição. Assim, quem vencer o pleito, pode ganhar mas não levar, seguindo uma nova batalha judicial que pode se arrastar até o fim do atual mandato, em 31 de dezembro de 2020.

DATAS IMPORTANTES

Dia 27 de abril de 2018

Prazo final para a entrega, no Cartório Eleitoral, do requerimento de registro de candidatos pelos partidos e coligações encerrar-se-á às 19h. Data a partir da qual o Juiz Eleitoral deve convocar os partidos políticos e a representação das emissoras de rádio para a elaboração de plano de mídia para uso da parcela do horário eleitoral gratuito a que tenham direito. Data a partir da qual o Cartório Eleitoral permanecerá aberto aos sábados, domingos e feriados, em regime de plantão, até a proclamação dos eleitos (Lei Complementar n.º 64/90, art. 16).

28 de abril (sábado – 36 dias antes)

Último dia para publicação, no Cartório, do edital contendo os pedidos de registro de candidatura, para ciência dos interessados.

Data a partir da qual será permitida a propaganda eleitoral. A propaganda eleitoral somente será permitida a partir de 28 de abril, observadas, em todas suas modalidades, os prazos fixados no calendário da Resolução N° 5.435 publicada pelo Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE).

Candidatos, os partidos políticos e as coligações podem fazer funcionar, das 8h às 22h, alto falantes ou amplificadores de som, nas suas sedes ou em veículos. Liberado a realização de comícios e utilização de aparelhagem de sonorização fixa, das 8h às 24h.

Data a partir da qual será permitida a propaganda eleitoral na internet, vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda paga (Lei nº 9.504/97, art. 57-A e art. 57-C, caput).

Último dia para os candidatos requererem seus registros perante o Cartório Eleitoral, até às 19h, caso os partidos ou coligações não os tenham requerido.

19 de maio (sábado – 15 dias antes)

Data a partir da qual nenhum candidato poderá ser detido ou preso, salvo no caso de flagrante delito (Código Eleitoral, art. 236, §1º).

20 de maio (domingo – 14 dias antes)

Início da propaganda eleitoral gratuita no rádio.

29 de maio (terça-feira – 5 dias antes)

Data a partir da qual e até 48 (quarenta e oito) horas depois da eleição, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido, salvo em flagrante delito, ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou ainda, por desrespeito a salvo-conduto;

01 de junho (sexta-feira – 2 dias antes)

Último dia para a divulgação paga, na imprensa escrita, e a reprodução na internet do jornal impresso, de propaganda eleitoral (Lei nº 9.504/97, art. 43).

Último dia para a propaganda eleitoral mediante alto-falantes ou amplificadores de som, entre as 8 e as 22 horas (Lei nº 9.504/97, art. 39, §3º e 5º, I).

Último dia, até às 22 horas, para a distribuição de material gráfico e a promoção de caminhada, carreata, passeata ou carro de som que transite pela cidade divulgando jingles ou mensagens de candidatos (Lei nº 9.504/97, art. 39, §9º).

03 de junho (domingo)

DIA DA ELEIÇÃO

Data em que se realiza a votação, das 8h às 17h. seguindo o início da apuração e da totalização dos resultados.

Política

PSOL-PA realiza Conferência eleitoral e apresenta nomes para as eleições 2018

Em evento partidário, o PSOL-PA, oficializou neste domingo, 15, as pré-candidaturas às eleições 2018.
Continua depois da publicidade

O Partido Socialismo e Liberdade realizou neste domingo (15), no Hotel Sagres, em Belém,  uma Conferência Eleitoral para apresentar seus candidatos no Estado do Pará às eleições de outubro próximo.

Como puxadores de votos, a ex-senadora e atual vereadora Marinor Brito vai disputar uma vaga à Alepa, enquanto que Edmilson Rodrigues vai à reeleição a deputado federal. Nos cargos majoritários, Fernando Carneiro vai disputar o governo do Estado e a Jornalista Úrsula Vidal vai concorrer a uma vaga ao senado federal.

A chapa completa formada por diversas lideranças comunitárias, populares, sindicais e de juventude reúne 14 pré-candidaturas a deputado federal e 34 a deputado estadual.

No plano nacional, Guilherme Boulos, liderança nacional do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e Sônia Guajajara (Liderança Nacional Indígena) vão disputar a presidência da República.

A Conferência Eleitoral do PSOL-PA recebeu o nome da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), assassinada em março, na cidade do Rio de Janeiro.

Coluna

Rapidinhas

As últimas do cotidiano da região
Continua depois da publicidade

Novo local
Prefeitura de Parauapebas e Vale assinam nesta sexta-feira (13), às 8h30, no gabinete do prefeito, Termo de Comodado de uma área cedida pela mineradora para a Secretaria Municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão. A área, que fica na margem direita da PA-275, logo após o segundo viaduto, sentido Curionópolis, tem 11 mil metros quadrados e servirá de abrigo para a Guarda Municipal e de depósito para a Defesa Civil de Parauapebas. O convênio prevê que o local será cedido pelo período de 4 anos, com previsão de renovação por mais tempo.

Proibição
Uma portaria do Tribunal de Contas dos Municípios do Pará – TCM – proíbe as prefeituras de ceder funcionários para outras instituições, sendo elas municipais, estaduais ou federais. Essa portaria está deixando a administração de Parauapebas numa grande sinuca de bico. É que o município tem nada menos que 294 funcionários (174 efetivos; 104 concursados; 16 comissionados) cedidos para órgãos dos governos funcionando em Parauapebas.

Proibição II
Tais funcionários geram uma Folha de Pagamento mensal na ordem de R$1,152 milhão aos cofres de Parauapebas mensalmente. O campeão de funcionários pagos pela prefeitura em Parauapebas é o Tribunal de Justiça do Estado do Pará, com 82 funcionários, seguido por Semed (72), CEPEJA (51), Defensoria Pública (19), IML (19), TRE-PA (15) e ICMBio (06). Até o MP (02) e o TCM (01) recebem funcionários da PMP, que tem 90 dias para resolver essa pendenga.

Mais água, mais problema
O Rio Tocantins continua subindo em Marabá. Hoje, quarta-feira (11), está 11,52 metros acima do nível normal e amanhã, quinta, a previsão da Eletronorte é de 11,54 metros. A maioria das cerca de 1.500 famílias que estão em 16 abrigos da Prefeitura já está muito cansada de ficar em cubículos e sofrer grande desconforto por quase 60 dias. Diante do aumento de desabrigados, a Defesa Civil Municipal solicitou à Sevop (Secretaria de Viação e Obras Públicas) a construção de novos abrigos no núcleo Cidade Nova, final da Avenida Boa Esperança, para atender os flagelados pela enchente naquele núcleo.

Sonhando, ainda!
Apesar do vice-prefeito de Marabá, Toni Cunha, ter se filiado ao PTB de Tião Miranda, o presidente da Câmara Municipal, Pedro Corrêa Lima está otimista de ter seu nome referendado pelo gestor municipal a concorrer a uma vaga de deputado estadual em outubro próximo. É que muita gente dentro do partido quer ver o nome de Pedrinho avaliado nas urnas para esse cargo.

Meta: Senado?
O vice-governador do Pará, Zequinha Marinho (PSC) e o ex-senador Mário Couto (PP) estão conversando sobre a possibilidade de formarem a dupla de candidatos ao Senado na chapa de Hélder Barbalho (PMDB). Se não der certo ameaçam a construção de uma terceira via na disputa pelo Governo do Estado. Exímios articuladores políticos, Zequinha e Couto sabem como poucos a arte do uso do “blefe” na política.  Será que cola?

Sem pistas
Passados onze dias da morte da evangélica Sindicleia de Carvalho Vieira Santos, até o momento a Polícia Civil do Pará ainda não conseguiu descobrir quem matou a esposa do secretário de Desenvolvimento de Parauapebas.

Preso
Em Canaã dos Carajás um falso advogado recebeu voz de prisão hoje dentro do Fórum daquele município. Eli Ferreira da Costa, que há seis meses “advogava” no município, foi preso quando teve seu registro na Ordem dos Advogados do Brasil pesquisado pelo juiz Lauro Pontes. O neófito falsário jamais fez sequer curso de direito, e se aproveitou de período em que trabalhou no Fórum local, cedido pela prefeitura de Canaã, há quatro anos, para mostrar os conhecimentos adquiridos com o estágio. Vários “clientes” do falso advogado já compareceram na Depol local para registrar queixa.

Assédio
Dois empresários no ramo televisivo em Parauapebas disputam trocado a trocado a contratação de um âncora para seus respectivos programas jornalísticos. O problema é que o âncora já está com contrato assinado e trabalhando pra um, que está com o outro atravessado na garganta em virtude do assédio deste.

Namoro com o PP
O prefeito de Parauapebas, Darci Lermen (MDB) recebeu o deputado federal Beto Salame (PP) na última segunda-feira em seu gabinete. O parlamentar mostrou ao alcaide o que seu trabalho já rendeu ao município. Graças a essas ações, até o final de seu mandato, Darci vai receber cerca de R$12 milhões só na área da saúde. Na reunião Darci concordou em nomear Andreia Lima, dirigente do PP em Parauapebas, para assumir como secretária-adjunta da Secretaria Municipal de Habitação.

Estreia
O jornalista Demerval Moreno estreia no próximo dia 16, segunda-feira, um novo projeto em Parauapebas, desta feita televisivo.  O projeto é uma parceria da Webrádio Trilha, empresa de Moreno, e da RBA TV em Parauapebas.  Campeão de audiência no rádio local, Demerval certamente fará muito sucesso na nova empreitada, já que é um profissional de primeira grandeza e de um carisma invejável. Sucesso, amigo!

Intervenção
A pergunta que não quer calar após o registro de centenas de mortes violentas só esse ano na capital do Pará é: quando acontecerá a intervenção militar na segurança de Belém? E você, é contra ou a favor de uma intervenção na segurança da nossa capital?

Brasil

Ministro Gilmar Mendes se irrita com pergunta de repórter: “Enfia na b****”

Ministro não gostou de ser perguntado sobre pagamento de passagem aérea para Portugal
Continua depois da publicidade

Em Lisboa para participar de um seminário de direito organizado pelo IDP (Instituto Brasiliense de Direito Público), do qual é um dos sócios, o ministro Gilmar Mendes se irritou com repórter da Folha S. Paulo quando perguntado se a passagem aérea para Portugal teria sido paga pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

“Devolva essa pergunta a seu editor, manda ele enfiar isso na bunda. Isso é molecagem, esse tipo de pergunta é desrespeito, é desrespeito”, esbravejou.

A viagem para Lisboa em razão do evento, marcado para 3, 4 e 5 de abril, criou incerteza quanto à presença do magistrado no julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula, no dia 4. O ministro, porém, promete participar da abertura do seminário e retornar a Brasília no próprio dia 3

Brasil

TRF4 nega recurso e dificulta candidatura de Lula nas eleições

Pela Lei da Ficha Limpa, após a condenação em segunda instância o candidato já estaria inelegível, mas há possibilidade de recurso
Continua depois da publicidade

Os desembargadores da 8ª turma do Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF4) negaram, por unanimidade, os embargos de declaração apresentados pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo do tríplex do Guarujá (SP).

Lula ainda não pode ser preso, porque seu pedido de habeas corpus aguarda julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), mas a partir de agora pode ser considerado inelegível, pela Lei da Ficha Limpa.

O recurso era uma das últimas alternativas da defesa para reverter a sentença condenatória. No ano passado, o juiz Sérgio Moro condenou Lula a 9 anos e meio de prisão, por lavagem de dinheiro e corrupção passiva; em janeiro, o TRF4 confirmou a sentença e aumentou a pena para 12 anos e um mês de prisão.

Como a sentença foi unânime na segunda instância, a defesa só teve direito a apresentar os embargos de declaração, recursos para esclarecer possíveis omissões, obscuridades ou ambiguidades na decisão.

No julgamento, o desembargador Gebran Neto, relator da Lava Jato, leu todos os itens de omissões e obscuridades apontados pela defesa do ex-presidente.

O magistrado conheceu em parte os embargos e deu parcial provimento sem conhecer qualquer alteração na sentença. Gebran Neto retificou os pontos que tratam do nome da OAS.

Victor Laus e Leandro Paulsen acompanharam na íntegra o voto de Gebran Neto.

Além dos embargos de Lula, também foram julgados, na mesma sessão, embargos de declaração apresentados por Eduardo Cunha. Eles também foram negados por unanimidade.

Ficha Limpa

Com a confirmação da sentença, agora o ex-presidente fica um passo mais perto de se tornar inelegível. A Lei da Ficha Limpa prevê a inelegibilidade para todos os candidatos que forem condenados em segunda instância.

No entanto, ainda existe a possibilidade de Lula pedir a suspensão da inelegibilidade ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou ao próprio STF. Ele também pode registrar a candidatura sem esse recurso.

De qualquer forma, é o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) quem vai autorizar ou não os registros. A data limite para registrar as candidaturas é 15 de agosto.

Prisão

Mesmo com a confirmação da sentença, Lula ainda não será preso – pelo menos, até 4 de abril, que é quando o STF retoma o julgamento de seu pedido de habeas corpus.

Na última quarta-feira, os ministros encerraram a sessão sem conseguir avaliar o mérito do pedido; assim, a defesa solicitou uma liminar impedindo que o ex-presidente fosse preso pelo menos até o dia do julgamento, e foi atendida.

Há uma polêmica envolvendo a questão: desde 2016, o STF entende que a prisão após condenação em segunda instância não é inconstitucional (apesar de o texto da Carta Magna garantir que a execução da pena só aconteça após o chamado trânsito em julgado – quando todos os recursos já se esgotaram).

O ministro Gilmar Mendes, que votou a favor da prisão após a segunda instância da última vez, sinalizou que mudaria de ideia em uma nova discussão. Ele não deve estar presente na sessão de 4 de abril. Nesse caso, a votação ficaria empatada, mas, no Judiciário, o empate favorece o réu.

Além do caso do tríplex, Lula é réu em outros seis processos ligados às operações Lava Jato, Janus e Zelotes.

com Reuters e Estadão

Tucuruí

Tucuruí: Em sessão tumultuada, vereadores cassam mandato de Artur Brito

A portas fechadas no gabinete da presidência, os vereadores votaram dois itens do relatório produzido pela CPI e decidiram pelo afastamento definitivo do prefeito. Novas eleições devem ser convocadas em 90 dias
Continua depois da publicidade

Por 9 votos a 3, a Câmara Municipal de Tucuruí cassou o mandato do prefeito afastado Artur de Jesus Brito (PV). Em uma sessão extraordinária tumultuada, que foi paralisada por manifestantes por duas horas, a maioria dos vereadores optaram pelo afastamento definitivo de Artur Brito, que, conforme apontou o relatório final da CPI instaurada, fora beneficiado diretamente com a morte de seu antecessor Jones William da Silva Galvão (MDB), já que a mandante do assassinato seria sua mãe, Josenilde Brito. O prefeito Bena Navegantes deve agora chamar novas eleições, que acontecem em 90 dias.

A portas fechadas no gabinete da presidência, os vereadores presentes votaram dois itens do relatório produzido pela CPI: o primeiro se dá pelo envolvimento da mãe de Artur Brito como mandante do crime que chocou a população. Foram nove votos favoráveis à cassação e o presidente da Câmara se pronunciou contrário ao afastamento definitivo.

Votaram a favor da cassação os vereadores Nilvan Oliveira (PSC), Gualberto Neto (DEM), Marcelo Campos (PMDB), Ilma da Silva Creão (Ilma do Nenéo) (PPS), Tânia Zamattaro (PMDB), Antonio Guilherme Antunes (Branco Terra Seca) (PSDB), Jorge Anderson (PSB) e Paulo Morais da Costa (Paulo do Km 11) (PDT).

Votaram contra os vereadores Rony Santos (PSC), Antonio Joaquim Cunha (Pepino) (PPS) e Francisco Vieira (PDT). O vereador Fabio Ulisses (PSDB) não compareceu à sessão, alegando problemas de saúde de um familiar.

Gualberto Neto, relator do parecer favorável à cassação, disse que a decisão está embasada nos autos do inquérito que apura a morte de Jones William e que as declarações do Delegado Geral da Polícia Civil do Pará, Rilmar Firmino, foi determinante, já que não há dúvidas sobre o envolvimento de Josy Brito no crime.

Sessão tumultuada

O vereador Lucas Brito, irmão do prefeito afastado,  se retirou da sessão em protesto, após ter iniciado um tumulto quando sentou na mesa da presidência e interrompeu a votação e a sessão por mais de duas horas.

Apoiadores tomaram o plenário da Câmara em protesto e não permitiram a continuidade da sessão. A Polícia Militar tentou negociar com os manifestantes, contudo, sem acordo, a votação teve de acontecer no gabinete da presidência.

Tucuruí

Tucuruí: Manifestantes ocupam Câmara Municipal e sessão para discutir cassação de prefeito segue paralisada

Vereador Lucas Brito, irmão do prefeito afastado Artur Brito, em protesto, sentou na mesa da presidência, interrompendo a votação e a sessão
Continua depois da publicidade
Terminou em ocupação da Câmara Municipal e em protestos a Sessão Extraordinária realizada na tarde desta segunda-feira (19) para encerrar a CPI que investiga as denúncias protocoladas pelo vereador Weber Galvão (MDB) contra o prefeito afastado Artur Brito. O relatório apresentado pelo vereador Gualberto Neto (DEM) decidiu pela cassação do mandato de Artur de Jesus Brito (PV).
Gualberto Neto apresentou o relatório ao plenário para apreciação. Quando se iniciou a votação para aprovação do relatório e a cassação ou do arquivamento, o vereador Lucas Michael Silva Brito (PV), irmão do prefeito afastado resolveu descerrar a Bandeira do Brasil e sentou na mesa da presidência, interrompendo a votação e a sessão. Lucas seria substituído pelo suplente Wanderley da Silva Santos  (PV).
“Não aceito essa manobra. Estou tendo meu direito como vereador sabotado. O que eles alegam é que eu não posso votar por ser irmão do Artur e estar envolvido. No entanto, pelo menos seis vereadores que querem cassar o prefeito, têm parentes em cargos importantes no governo interino. Assim, quero que a Justiça se manifeste para saber o porquê dessa arbitrariedade”, disse o vereador.
A sessão está suspensa desde as 19h20. E até o momento não foi retomada e não se sabe se será encerrada.

Uma guarnição da Polícia  Militar, alem de agentes da Guarda Municipal, fazem a segurança na sessão para evitar confronto entre os quase um mil manifestantes pró e contra Artur Brito que desde às 15h se aglomeram na frente do prédio da Câmara Municipal.

O pedido de cassação do mandato do prefeito Arthur Brito, afastado do cargo pela justiça, no dia 13 de novembro e pautado em duas acusações. A primeira se refere a quebra de decoro pelo possível envolvimento do vice prefeito no assassinato do prefeito Jones William, e outra por improbidade administrativa.