Deputado Zé Geraldo e presidente da Amat em rota de colisão sobre divisão da associação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

O fato que ofuscou a abertura do Seminário “Novos Gestores – prefeitos eleitos e seus desafios” foi a sugestão do deputado federal Zé Geraldo (PT), para desmembrar a AMAT/Carajás (Associação dos Municípios do Araguaia, Tocantins e Carajás, criando uma nova associação, por entender que a atual entidade não consegue atender adequadamente os 38 municípios associados.

Segundo Zé Geraldo, deveria existir uma associação para atender os municípios do sul do Pará e outra para os que estão na região sudeste. “Este é um território muito amplo para a AMAT. Não sei se uma associação consegue representar tão bem os interesses dessas duas regiões. Se eu fosse prefeito deste lado do Pará, gostaria de ter uma associação mais próxima, para representar melhor minha região”, opinou hipoteticamente.

Na avaliação de Zé Geraldo, o Pará, a Famep e as regiões sul e sudeste do Estado ganhariam com esse desmembramento e as duas entidades juntas teriam mais forças para lutar pelas carências dos municípios que representariam.

Bastou o discurso de Zé Geraldo terminar, o presidente da AMAT-Carajás, Edson Alvarenga, prefeito de Nova Ipixuna, levantou-se de pronto (mesmo sem ser anunciado) e criticou o posicionamento do parlamentar federal. Segundo ele, manter a AMAT grande fortalece a luta pela criação do Estado do Carajás, uma das razões de ser da entidade que congrega os gestores destas duas regiões.

Alvarenga lembrou que a AMAT ficou enfraquecida quando foi criada a AMCAT (Associação dos Municípios Consorciados do Araguaia Tocantins) na década de 1990 e sofreu quando a entidade fechou e a associação pioneira teve de assumir suas dívidas. Todavia, o presidente da AMAT observou que caso seja realizado um estudo de viabilidade, a criação de consórcios envolvendo sete ou oito prefeituras, o que poderá fortalecer o trabalho dos municípios na gestão de serviços básicos, como o de saúde. “Precisamos nos fortalecer, não dividir”, sustentou Alvarenga.

A secretária da AMAT em Marabá, Tereza Andrade, concorda com o atual presidente da AMAT sobre a necessidade de manter a AMAT grande com a finalidade de manter a entidade forte politicamente. “A história recente provou que criar uma nova associação não traz bons resultados”, destacou.

O Seminário “Novos Gestores – prefeitos eleitos e seus desafios” é promovido pela Federação das Associações dos Municípios do Estado do Pará (Famep) em parceria com a Associação dos Municípios do Araguaia, Tocantins e Carajás (AMATCarajás).

A abertura do seminário contou ainda com a participação de 28 dos 38 prefeitos associados, além do presidente da Famep (Helder Barbalho), deputado federal Asdrubal Bentes (PMDB), da estadual Bernadete ten Caten (PT), prefeito eleito de Marabá, João Salame, presidente do Incra, Carlos Guedes e do superintendente Regional da Caixa, Floriano Kruly Neto.

Posts relacionados