Covid-19: Em agosto, Marabá registrou o menor número de mortes desde o início da pandemia

Entretanto, apesar da melhoria nos índices de infecção e de mortes, ainda é necessário manter os cuidados, os protocolos de higiene e prevenção
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

No último mês de agosto, Marabá registrou oito mortes por covid-19. O número foi o menor em um período de 30 dias desde o início da pandemia, em março do ano passado. Recentemente, o município alcançou a marca de 125 mil vacinados, denotando que a imunização já alcança bons resultados na queda no número de internações e vidas perdidas.

No último mês o número de pessoas que pereceram em razão da covid-19 foi 50% menor que as 16 mortes ocorridas em julho, e quase 64% menor que as 22 de agosto do ano passado. Além disso, a taxa de letalidade do município (2,3%) está abaixo da média nacional (2,8%).

De acordo com Mônica Borchat, diretora da Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde de Marabá (SMS), já são perceptíveis os efeitos da imunização da população. “Na verdade, quando a gente compara, já consegue ver o impacto. Quanto mais avançamos na vacinação, menos casos graves da doença nós temos. Então, é por isso que precisamos avançar na vacinação”, pontua.

Os números confirmam: nos leitos de Unidade de Cuidados Especiais (UCE), Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e enfermaria, exclusivos para o tratamento de pacientes com covid-19, atualmente, são 29 pessoas internadas. No final de julho eram 48 os pacientes. Em relação a agosto do ano passado, a diminuição foi de quase 60%, àquela altura, o número de internados ao final do mês era de 72.

De acordo com o médico infectologista Harbi Othman, apesar da melhora dos índices, ainda é necessário manter os cuidados básicos com a pandemia. “É fundamental porque a maior parte dos 120 mil vacinados receberam apenas a primeira dose. Ou seja, não completaram o ciclo de imunização. Além disso, as vacinas, apesar de serem comprovadamente eficazes, não protegem 100% contra o vírus, mas fazem com que as pessoas desenvolvam a forma menos grave da doença”, ressalta.

Segundo o médico, é importante que todas as pessoas sejam vacinadas, pois, assim garantem não apenas a sua proteção como também ajudam a proteger as pessoas ao redor. “Quando alguém não quer se vacinar prejudica outras pessoas. As vacinas são respaldadas por estudos e testadas, assim como várias vacinas que tomamos ao longo da vida”, finaliza.

(Fonte: Ascom PMM. Imagem: Jordão Nunes)