Círio de Nazaré é tema de palestra virtual realizada pela Casa da Cultura de Canaã

Especialista abordará os símbolos, as práticas e as adaptações da maior festa religiosa do Pará. A palestra será realizada nesta sexta (08).
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Quem anda pelas ruas da capital paraense já pode sentir o cheiro de maniçoba saindo das casas. O colorido dos brinquedos de miriti e das fitinhas de Nossa Senhora de Nazaré, que balançam nas girândolas por todos os cantos da cidade, também dão sinal de que é hora de vivenciar, mais uma vez, uma das maiores manifestações culturais do País: o Círio de Nossa Senhora de Nazaré.

A procissão da imagem peregrina costuma levar mais de 2 milhões de fiéis às ruas de Belém no segundo domingo de outubro. O trajeto de quase quatro quilômetros, feito da Catedral da Sé até a Basílica de Nazaré, já chegou a durar mais de nove horas.

Os principais símbolos, práticas e adaptações do “Natal dos paraenses” serão debatidos pela pesquisadora Mariana Ximenes em uma palestra virtual e gratuita, com base em estudos realizados sobre a festividade e a religiosidade paraense nos últimos 15 anos. A palestrante é Doutora em Sociologia e Antropologia pela UFPA – Universidade Federal do Pará.

A palestra “O Círio de Nazaré de Belém do Pará: panorama da festa e algumas questões da pandemia” será promovida pela Casa da Cultura de Canaã dos Carajás nesta sexta-feira, (08), às 20h, via Google Meet.

Para se inscrever, basta enviar mensagem ou ligar para um destes números: (94) 99160-8186 e (94) 99220-3451. Os participantes terão direito a certificado.

Brinquedos de miriti

Feito da fibra do miritizeiro, palmeira nativa da Amazônia, e tombado como patrimônio cultural imaterial do Estado do Pará desde 2010, o brinquedo de miriti é um dos principais elementos do Círio de Nazaré em Belém do Pará.

Ele ganha as ruas da cidade em forma de barcos, animais e bonecos feitos à mão. As técnicas de corte, lixagem e pintura são transmitidas de geração em geração pelos artesãos abaetetubenses.

Quem tiver interesse em aprender mais sobre o tema, desde aspectos históricos até como são confeccionadas as peças, a Casa da Cultura de Canaã dos Carajás oferece outras duas programações virtuais.

Uma delas é uma oficina sobre as técnicas desse artesanato, conduzida pelo artesão Ivan Teixeira. A outra programação é a palestra “Miriti: matéria de expressão popular”, ministrada pela pesquisadora Jaqueline Souza, da UFPA – Universidade Federal do Pará.

Com informações da Casa da Cultura