Caminhada, café da manhã e palestra marcam Dia da Mulher em Redenção

Apesar de todas as conquistas, o índice de violência doméstica no município ainda é alto. No ano passado, mais de 300 casos foram registrados na Delegacia da Mulher redencense
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Centenas de mulheres comemoraram o 8 de março, Dia Internacional da Mulher, realizando caminhadas por várias ruas e avenidas de Redenção. Muitas delas carregavam faixas com a inscrição “Mulher todos os dias são seus”, numa clara advertência de que não devem ser lembradas, amadas e respeitadas somente em um único dia do ano. Em outras faixas, clamavam também respeito e valorização à mulher, pois, mesmo diante de tantas conquistas na sociedade, o índice de violência doméstica ainda e alto.

Pelas ruas da cidade informativos foram entregues a fim de conscientizar a população do combate à violência contra a mulher. Após algumas horas de caminhada, o grupo se dirigiu à Secretaria de Assistência Social, onde todas participaram de um café da manhã e, logo após, de uma palestra sobre a valorização da mulher. 

Poliana da Silva, 35 anos, relatou à Reportagem que já foi vítima da violência doméstica. “Casei nova, não tinha nenhuma experiência, meu marido saía de casa e voltava bêbado. E toda vez que ele bebia, me batia. Um dia ele tentou me enforcar, ganhei um soco no olho, minha família teve de intervir. Durante o tempo em que convivi com ele, registrei vários boletins de ocorrência. Lembro que precisei fazer tratamento com psicólogo. Graças a Deus, o casamento chegou ao fim”, contou a dona de casa.

A delegada Maria de Fátima Chaves dos Santos, titular Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), lamentou que, mesmo diante de tantas conquistas, o índice de ocorrências de violência contra a mulher ainda seja alto: “Sabemos que esta data é muito importante para nós mulheres. Todo dia é dia da mulher, também é importante que a mulher tenha consciência de seus direitos, que ela jamais aceite a violência dentro de casa. Seja ela física ou sexual”.

“A Delegacia da Mulher, destacou Maria de Fátima, é uma conquista e todas as que vierem a ser vítimas da violência doméstica devem denunciar no Disque Denúncia 181”, orientou. Ainda de acordo com ela, somente ano passado foram instaurados na Deam de Redenção, e remetidos à Justiça, mais de 300 inquéritos de violência doméstica.

Publicidade

Posts relacionados