Agora pela Som Livre, Lia Sophia lança seu quarto álbum

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Ela nasceu Liá Sophie, na Guiana Francesa. Mas se tornou a brasileiríssima Lia Sophia quando se mudou para o Amapá e, posteriormente, para o Pará. E, portanto, não poderia ter nome mais apropriado para batizar o disco que inaugura nova fase na sua carreira e a parceria com uma grande gravadora, a Som Livre. “É um trabalho que me traduz porque é todo alegre, festivo e por isso tem esse nome simples. Muito prazer: Lia Sophia”, resume a cantora e compositora.

A artista, que continua vivendo em Belém, apesar de passar a maior parte do tempo viajando, diz que não consegue abrir mão da capital paraense. É o lugar onde, antes de mais nada, tira sua inspiração. “Amo essa cidade, amo essa coisa de chover todos os dias. Se pudesse ficaria aqui o resto da vida. Mas está cada vez mais difícil conciliar, porque Belém é muito longe de tudo. É caro viajar com a banda, encarece o trabalho. Por enquanto, estamos nos virando, mas daqui a pouco não sei como vai ser”, diz.

Na década de 1970, os pais de Lia foram clandestinamente tentar a vida na Guiana e a filha acabou nascendo por lá. A família enfrentou muitas dificuldades e não conseguiu enriquecer. “Brinco que o maior tesouro que eles trouxeram de lá foi eu, porque nasci lá. Mas não tenho lembranças, porque vim morar no Brasil com 3 anos. Voltei a Caiena muito tempo depois. É outro mundo e, querendo ou não, essas influências francesas, essa coisa da música crioula e do zouk, são fortes pra mim”, admite a cantora.

imageAliás, o quarto álbum da carreira traz não só essas referências, mas tudo o que ela ouviu e ouve ao longo da vida como o carimbó, o pop, o brega, o merengue, a guitarrada. Lia Sophia conta que até os 17 anos nunca tinha ouvido Chico Buarque, João Gilberto, Caetano Veloso ou outro representante da MPB, mostrando justamente a força da música paraense no estado. “Minha casa era muito festeira. A gente colocava música alta e tocava lambada, guitarrada, essas coisas dançantes. Valorizava mesmo os ritmos da terra. Então, nunca ouvimos bossa nova, MPB, nada disso. Claro que hoje escuto e adoro. E quando entrei em contato com esses artistas cresci muito musicalmente. Mas naquela época isso não chegava pra gente”, lembra.

E é essa música alegre e dançante que está no disco. Desde a faixa de abertura, Amor de promoção, até a que encerra, Ai menina, que inclusive fez parte da trilha sonora da novela Amor, eterno, amor. Das 14 músicas, 10 são de autoria de Lia e ela ainda abriu espaço para outros artistas da Região Norte do Brasil, como Mestre Curica (Beleza da noite) e Dona Onete (Quando eu te conheci). Destaque também para as releituras de Quero você, clássica canção brega de Carlos Santos e Alypio Martins, e Noite de prazer, hit de Claudio Zoli dos anos 1980. O CD Lia Sophia conta ainda com a participação do maestro Luiz Pardal e dos guitarristas Chimbinha, da Banda Calypso, e Felipe Cordeiro. “Tenho esse lado festivo, essa coisa da música quente pra dançar”, resume Lia, que já há algum tempo tem uma parceria com o projeto Natura Musical, e vai percorrer cinco cidades com a nova turnê: São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Salvador e Belo Horizonte. “Nunca fiz um show sozinha em BH. Ano passado, estive na cidade, em agosto, para o Natura Musical, mas junto com outros artistas. Não vejo a hora de mostrar meu trabalho para os mineiros”, avisa.

Publicidade

Posts relacionados