Aeroporto de Marabá perde 37.462 passageiros em um ano

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Do ano de 2016 para 2017, o número de passageiros que passaram pelo Aeroporto Joao Correa da Rocha, em Marabá, caiu 37.462 em embarques e desembarques. Essa nova realidade é reflexo da diminuição do número de voos da Gol e TAM para o município, o que causou várias manifestações políticas, mas pouco resultado expressivo. Como consequência, o número de pousos e decolagens também despencou. Em 2016, o céu de Marabá viu subir e descer 8.291 aeronaves de janeiro a dezembro, enquanto no ano seguinte foram apenas 7.134 voos. Com isso, foram menos 1.157 pousos e decolagens no João Correa da Rocha. E a tendência é diminuir mais ainda em 2018.

Os dados são da própria Infraero, que avalia número de voos domésticos, nacional, regional e até internacional. A primeira companhia Aérea a retirar voo de Marabá foi a TAM, que sacou dois e ficou com apenas um; a Gol veio depois, com a mesma estratégia. A Sete, que fazia linha regional, fechou completamente na região e acabou com seus voos e retirou a estrutura que tinha no Aeroporto de Marabá. Em todos esses movimentos, sempre houve demissões.

Apenas a título de comparação, o número de voos nacionais em 2016 no Aeroporto de Marabá foi de 1.619 aeronaves, enquanto em 2017 despencou para 1.490. Os chamados voos domésticos alcançaram a marca de 1.768 em 2016, contra 1.568 em 2017.

O volume de cargas também diminuiu. Em 2016 foram transportados 850.248 quilos, contra 596.688 quilos no ano seguinte, representando queda de 29,82%. A queda no número de passageiros também foi representativa. Saímos de 317.636 pessoas transportadas em 2016 para 280.174 em 2017, com diminuição de 12%.

2018 AINDA PIOR?

A tendência é que o número de voos, passageiros e de carga transportada, via aérea, caia mais ainda este ano. Comparando janeiro de 2018 com o mesmo período de 2017, já se percebe uma nítida mudança. No primeiro mês do ano passado a Infraero registrou no Aeroporto de Marabá 607 pousos e decolagens, enquanto em janeiro deste ano foram apenas 496 no total.

Isso tudo é um reflexo do aumento surpreendente do valor da passagem aérea, mas principalmente a queda de demanda. As companhias aéreas duplicaram voos acreditando que o Projeto Alpa, depois Cevital sairiam do papel, mas com o fracasso de ambos, as empresas também bateram em retirada.

No final da década passada e início desta, houve aumento excepcional no número de voos e decolagens no Aeroporto de Marabá, o que obrigou a Infraero a melhorar e ampliar as instalações acanhadas do prédio antigo. O local ganhou investimento de R$ 5,9 milhões em obras para a reforma de todo o terminal de passageiros, incluindo a sala de embarque, que quadruplicar de tamanho, passando de 76,96 m² para 342,86 m². Foram construídos novos banheiros, incluindo sanitários para pessoas com deficiência e um novo fraldário.

As obras ampliaram, também, o espaço para os balcões de check-in, a instalação de duas novas esteiras de bagagens, novas salas para as companhias aéreas, ampliação da área comercial e a modernização das instalações elétricas, hidráulicas e de ar condicionado.

Até os taxistas sentiram o baque. José Orlando Sobrinho confirma que o fluxo de passageiros caiu muito nos últimos meses e aguarda o anúncio de um novo projeto da Vale (ressurreição da ALPA) para trazer mais pessoas para a cidade por via aérea. “A gente quer ver nossa cidade crescer, mas a economia só vai tomar novo fôlego se esse projeto vingar”, avalia o taxista, que também reclama da concorrência “desleal” do Uber.

Posts relacionados