A NOVA MANEIRA DE FAZER CAMPANHA

Continua depois da publicidade

Em época eleitoral há sempre uma grande expectativa pelo aquecimento da economia por parte do comércio local. Uma soma significativa de recursos saem dos baús e vão para o bolso dos menos favorecidos da política, entre eles os “formiguinhas“, pintores, motoristas, ajudantes e locadores de veículos entre outros. Nessa eleição o que se vê é que está faltando dinheiro. Os comitês financeiros das campanhas reclamam muito da falta de recursos.
Com a justiça eleitoral de olho nos candidatos o que resta a fazer? Não se pode mais buscar aquele antigo recurso da troca de voto por favores. Se os comitês financeiros, por falta de recursos, favorecem apenas aqueles que realmente tem condições de chegar, restam aos outros colocar o pé na estrada e ir em busca dos votos.
Na realidade nos acostumamos a ver campanhas milionárias ! Comícios com grandes artistas, camisetas e bonés sendo distribuídos com fartura, gasolina aos montes, material de propaganda de primeira qualidade e em grande quantidade. A realidade hoje é outra. A Lei eleitoral proibiu tudo isso e quem for pego favorecendo o eleitor certamente não passará pelo crivo da justiça eleitoral.
Compete ao candidato aprender a fazer campanha sem o assistencialismo. Pertence ao eleitor o direito de fazer a sua escolha norteado por propostas, carisma e na confiança que deverá depositar no candidato escolhido.