Copa do Brasil: Paysandu perde para o Bahia por 2 a 0, mas avança para as oitavas de final

Por Fábio Relvas – Da Redação

O Paysandu não aguentou a pressão do Bahia-BA e foi derrotado, por 2 a 0, na noite desta quarta-feira (22), no estádio de Pituaçu, em Salvador (BA). A partida foi válida pelo jogo de volta da terceira fase da Copa do Brasil. Apesar do placar adverso, o Papão conseguiu se classificar pela primeira vez na história para as oitavas de final da competição, já que havia vencido o jogo de ida na semana passada em Belém pelo placar de 3 a 0. Os gols do time baiano foram marcados por Souza e Kieza no segundo tempo. O sorteio dos confrontos das oitavas de final será realizado no dia 4 de agosto na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), no Rio de Janeiro.

A partida: no sufoco!

Como havia perdido o primeiro jogo, por 3 a 0, o Bahia não tinha outra alternativa a não ser atacar o Paysandu. Mas quem começou melhor foi o Papão. Yago Pikachu cruzou da direita e o atacante Aylon tentou concluir de carrinho, mas não alcançou a bola. Em outra tentativa do bicola, Souza tentou de cabeça e a bola foi fraca em cima do goleiro. No lance seguinte, Souza lançou bem para Aylon que na hora de finalizar foi travado pela defesa tricolor.

O Bahia chegou com Tiago Real que cruzou uma bola perigosa, a zaga bicolor cortou para escanteio. Em uma falta na entrada da grande área, Ávine cobrou no capricho e a bola explodiu no travessão, quase o primeiro gol dos donos da casa. O Paysandu tentou chegar depois que Souza lançou para Aylon, mas o atacante não teve domínio e a boa se perdeu pela linha de fundo.

Bahia x Paysandu Copa do Brasil

O Tricolor de Aço respondeu com Tiago Real que cruzou na área na direção de Kieza, o atacante pediu pênalti, mas a arbitragem mandou seguir o lance. Robson pegou uma sobra de bola e chutou forte, Emerson defendeu bem para o bicola. Kieza foi lançado, mas recebeu forte marcação de Ricardo Capanema que entrou de carrinho no lance. Ávine cobrou outra falta para o Bahia, desta vez a bola desviou na barreira e foi para fora.

Preso na marcação o Paysandu tinha dificuldades para sair jogando. Em um contra-ataque Yago Pikachu acabou se atrapalhando com a bola e não conseguiu passar para ninguém. No lance seguinte, após tabela, o atacante Souza do Papão ficou cara a cara com o goleiro Douglas Pires, mas a arbitragem parou o lance marcando impedimento. Tiago Real cobrou escanteio para os donos da casa, Kieza conseguiu cabecear mesmo marcado e a bola passou assustando o goleiro Emerson.

Um dos nomes do jogo, Tiago Real, lançou mais uma vez na área para a cabeçada de Alexandro, mas o goleiro Emerson segurou firme para o Paysandu. Na segunda etapa o Bahia seguiu pressionando. Para variar Tiago Real cruzou outra bola na área bicolor, Kieza dominou, ajeitou, mas foi desarmado pelo zagueiro Thiago Martins que cedeu mais um escanteio para o Tricolor de Aço.

A torcida sentiu o clima de pressão e empurrou o Bahia. Tiago Real cobrou falta e o goleiro Emerson tirou de soco. Em mais uma falta cobrada por Tiago Real, a defesa do Papão afastou, mas a bola saiu perigosa pela linha de fundo. Em mais uma bola alçada na área do time paraense, Kieza tentou marcar de cabeça e mandou para fora. O tricolor não desistiu e continuou cruzando bola na área, desta vez foi Tony que levantou para Kieza que testou no meio de dois marcadores, mas Emerson defendeu.

O gol do Bahia estava amadurecendo. Ávine cobrou escanteio para a cabeçada de Alexandro, a zaga do Papão desviou pela linha de fundo cedendo outro escanteio. O habilidoso Maxi Biancucchi recebeu dentro da área, mas foi travado por Fahel e a bola saiu para mais um esquinado. João Paulo saiu driblando vários adversários e mandou um chutaço no canto de Emerson, o goleiro do Paysandu salvou para escanteio.

O tempo passava e nada do Tricolor de Aço marcar. Kieza recebeu passe na ponta direita e mesmo sem ângulo quase surpreendeu o goleiro bicolor que salvou para escanteio. Mas no lance seguinte não teve jeito. O zagueiro Thiago Martins tocou na bola com a mão dentro da área e a arbitragem marcou pênalti. Souza cobrou bem deslocando o goleiro Emerson e abrindo o placar para o Bahia, 1 a 0, aos 31 minutos.

O gol incendiou o time e a torcida nas arquibancadas. O Bahia precisava de mais dois gols para levar a disputa para os pênaltis. Tiago Real cobrou escanteio fechado e quase marcou um gol olímpico para os donos da casa. O tricolor chegou ao segundo, depois que a zaga mandou um chutão para frente, a defesa do Paysandu bateu cabeça e a bola sobrou para o atacante Kieza, que driblou o goleiro Emerson e correu para o abraço, aos 41 minutos, 2 a 0 Bahia.

Com o grito de “eu acredito!” a torcida do Bahia empurrou o time que no momento do jogo precisava de mais um gol. Depois de uma bola levantada na área do time paraense, Emerson sai mal do gol, mas conseguiu desviar para escanteio. Arbitragem sinalizou cinco minutos de acréscimos. Nada mudou e o placar ficou mesmo: Bahia 2 x 0 Paysandu.

FICHA TÉCNICA

  • BAHIA: Douglas Pires; Tony (João Paulo), Robson, Jaílton e Ávine; Wilson Pittoni, Yuri (Souza) e Tiago Real; Kieza, Maxi Biancucchi (Léo Gamalho) e Alexandro. Técnico: Sérgio Soares
  • PAYSANDU: Emerson; Yago Pikachu, Thiago Martins, Pablo e João Lucas; Ricardo Capanema, Jhonnatan (Augusto Recife), Fahel e Carlinhos (Carlos Alberto); Aylon e Souza (Leandro Cearense). Técnico: Dado Cavalcanti

Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza (SP)

Assistentes: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Daniel Paulo Ziolli (SP)

Cartões amarelos: Yuri, Souza e Kieza (Bahia); Fahel, Carlos Alberto e Emerson (Paysandu)

Local: Estádio Pituaçu, em Salvador (BA)

Posicionamento da Vale sobre a interdição do acesso à Fazenda São Luís

A Vale informa que cerca de 200 invasores cercaram os acessos à Fazenda São Luís, de propriedade da Vale, em Canaã do Carajás. Os invasores tentam ocupar o imóvel, praticando ato ilegal previsto no Código Penal, além de desobediência a ordem judicial de reintegração de posse deferida pela Juíza de Canaã, incorrendo aos invasores em multa diária de R$ 10 mil reais.

A Vale ressalta a importância ambiental e arqueológica da Fazenda São Luís e suas imediações, como local a ser protegido pelo acervo representativo de cavidades naturais e nascentes de recursos hídricos que, inclusive, abastecem povoados próximos, como a Vila Planalto.

A empresa esclarece que a área foi adquirida legalmente, para viabilizar suas atividades de mineração e compensação ambiental. Todos os imóveis com reservas minerais ou para apoio à atividade de mineração ou compensação ambiental, não se prestam à agricultura e para fins de reforma agrária, por imposição legal. 

A empresa ressalta, novamente, que a invasão de patrimônio privado é crime previsto no Código Penal e a empresa já obteve a liminar de reintegração de posse a ser cumprida pelo Oficial de Justiça com apoio da Polícia Militar, bem como representou junto ao Delegado de Polícia de Canaã para apuração dos autores e financiadores da invasão dos imóveis da Vale na região.

Assessoria de Imprensa Vale

Linhas com cerol pode tornar a brincadeira de empinar pipa perigosa

Por Fábio Relvas – Da Redação

Quem nunca empinou pipa quando criança que atire a primeira pedra. Neste período do ano, que são as férias de julho, muitas pessoas aproveitam para se divertir empinando as chamadas pipas, ou demais nomes como: raia, arraia, papagaio, califa, pandora, quadrado, cangula entre outros. Só que a brincadeira pode ser perigosa quando a linha está com o chamado cerol, que além de cortar o oponente da diversão, pode levar risco às pessoas que estão próximas da situação.

As principais vítimas do cerol são os motoqueiros e os ciclistas que muitas vezes são surpreendidos com as linhas atravessadas no meio da pista. “Só senti arder meu pescoço. Quando eu parei a moto rapidamente era a linha da pipa que estava com cerol e foi ai que eu cortei o meu pescoço. Eu ia fazendo a curva e a moto vinha quase parada com 20 km/h. Se eu tivesse em linha reta teria sido pior, coisa mais grave”, afirmou Edivan Rios, pedreiro.

pipa 6As pipas comandam o céu da cidade e a brincadeira de empinar não atrai somente as crianças e os adolescentes, os adultos também entram neste clima sem saber dos perigos e acidentes que a prática pode causar. Os lugares abertos e espaços amplos são os mais indicados para empinar as pipas. “Usem os campos, usem áreas abertas descampadas, e em segundo lugar caso aconteça de uma pipa enroscar na rede, de forma nenhuma tem que ser resgatada. Vale lembrar também que a rede ela é energizada e ao ter contato com a rede ela pode sofrer uma descarga elétrica e essa descarga pode causar danos maiores como até perder a vida”, alertou Nilda Cavalcante, consultora da Celpa (Centrais Elétricas do Pará).

pipa 4

As chamadas pipas são fáceis de ser fabricadas, basta apenas à pessoa arrumar varas de bambu e papel de seda, que, unido a uma rabiola, de papel ou de plástico, enfeitam o céu com diversas cores no ar. As mesmas são fixadas com linhas resistentes, sendo que a maioria delas são empinadas com cerol. “Eu queria fazer um apelo para os pais que reparassem o que seus filhos estão fazendo, que dê estudo, que dê trabalho, porque isso é muito perigoso. Às pessoas não tem noção de como é perigoso, a linha corta. Ela pode atingir o olho da pessoa e qualquer região do corpo e é muito perigoso”, disse Raquel de Sousa, dona de casa.

As linhas são enceradas com mistura de cola e com vidro moído, em alguns casos até pó de ferro pode potencializar os perigos. O produto é ilegal, mas ainda assim é utilizado para que a linha fique cortante e derrube as demais pipas, o que leva as pessoas a disputar espaço no céu da cidade. Em Parauapebas um ponto de mototáxi exige que a antena de proteção faça parte do veículo e torna-se obrigatório para a própria segurança. “Isso aqui é um acessório obrigatório, todo mototaxista tem que ter porque previne muito”, disse Francisco Sampaio, mototaxista.

Rapidinhas

Pipa
O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas (Saaep) informa que devido problemas de energia na Estação de Tratamento de Água (ETA) do Jardim Tropical desde a tarde desta terça-feira, 21, o fornecimento de água local será realizado através de caminhão pipa, até a resolução total do ocorrido. Qualquer esclarecimento, o Saaep está à disposição através do telefone 0800 095 0001 ou WhatsApp 9 9258 8600.

Informações
A Secretária das Câmaras Criminais Reunidas encaminhou ontem (21) ofício ao juiz Libio Araújo Moura, titular da Vara Penal da Comarca de Parauapebas, solicitando informações sobre o ex-presidente da Câmara Municipal de Parauapebas, Josineto Feitosa. As informações servirão para compor juízo no julgamento do Habeas Corpus impetrado pela defesa de Josineto. A ordem para a expedição do ofício vem da Desembargadora Vania lúcia Silveira. O magistrado local tem 48 horas para responder.

Inferno Astral
A Mineradora Vale passa por um período que pode ser considerado de inferno astral. Não bastasse o baixo preço do minério de ferro no mercado mundial, a mineradora teve que conviver com duas situações ontem, 21, na região do Complexo de Carajás. A primeira foi a interdição da Estrada de Ferro Carajás, em Marabá, resolvida com um providencial mandado de reintegração de posse conseguido na justiça marabaense. A segunda, não menos prejudicial, foi a interdição de todos os acessos à Fazenda São Luiz, de sua propriedade, em Canaã dos Carajás, por Sem Terras, prejudicando também os acessos às áreas da Vale.

Noruega
Na manhã de hoje, 22, os estudantes paraenses do programa educacional “Bola Pra Frente, Educação Pra Gente”, que estão na Noruega para a disputa da Copa da Noruega, um dos maiores campeonatos infantojuvenis do mundo, visitaram o Centro Nobel da Paz, em Oslo, integrando o calendário de atividades educativas. O museu possui exposições que fornecem informações sobre a guerra, a paz e a resolução de conflitos. Na sexta-feira, 24, os estudantes do Alunorte Rain Forest (ARF) – braço esportivo do programa – participam de um amistoso contra um time norueguês, antes do início da Copa. A abertura do certame será no sábado, 25, e o ARF  estreia na competição no domingo, 26, contra o time KFUM Oslo.

Zona Especial Ambiental
O Ministério Público do Estado do Pará, por meio da 8ª e 11ª Promotorias de Justiça de Marabá, com atribuição na esfera do Meio Ambiente e da Defesa do Patrimônio Público, representadas pelo promotor de Justiça Júlio César Sousa Costa, ajuizou em 10 de julho, Ação Civil Pública (ACP) contra a Superintendência do Desenvolvimento Urbano de Marabá (SDU), além de vários particulares, buscando impedir a expedição de títulos definitivos na chamada Zona Especial de Interesse Ambiental (ZEIA), da área urbana da cidade de Marabá, conforme previsto no Plano Diretor do município, e que não vem sendo respeitado pelo Poder Público Municipal.

Roubos
Dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública (Segup) apontam que 13 roubos ocorrem por hora, em média, no Pará. Só neste primeiro semestre, já foram mais de 50 mil casos de crimes do tipo. A Segup reconhece que os dados não são satisfatórios, mas diz que está trabalhando para que as pessoas tenham mais segurança nas ruas.

Facebook
A Superintendência do Sistema Penal do Pará – Susipe – está investigando uma postagem feita hoje (22) na página pessoal na Rede Social Facebook do ex-líder comunitário Jonas Conrado. É que ele foi preso preventivamente pelo Gaego e se encontra em um presídio em Belém desde o mês de junho, acusado pelos crimes de extorsão e associação criminosa. Na postagem, Conrado pede ajuda aos amigos.

Iasep
A partir da próxima semana, os segurados do Instituto de Assistência dos Servidores do Estado do Pará (Iasep) contarão com os serviços de urgência e emergência em Santarém e Tucuruí. Na tarde desta quarta-feira, 22, a presidente do Instituto, Iris Gama, recebeu a direção do Hospital Santa Angélica que confirmou o atendimento hospitalar e ambulatorial a partir de 1º de agosto, em Tucuruí. Em Santarém, a direção do Hospital João XXIII confirmou o atendimento a partir de 27 de julho.

Garimpeiros de Serra Pelada interditam Estrada de Ferro Carajás, em Marabá

EFC

Em Marabá, dezenas de garimpeiros de Serra Pelada interditam desde as 8 horas desta terça-feira (21) os trilhos da Estrada de Ferro Carajás, da Mineradora Vale, que liga Carajás ao Porto da Madeira, em São Luís do Maranhão.

garimpeiros EFCOs garimpeiros são ligados a AGASPEMA – Associação Interestadual da União Dos Garimpeiros do Garimpo de Serra Pelada, criada há pouco mais de um ano, e buscam, com a interdição, a marcação de uma reunião com a presidente Dilma Rousseff para que esta reveja várias situações onde, segundo o presidente da AGSPEMA, Juarez Leal, os direitos dos garimpeiros não estão sendo cumpridos. Leal cita que há 30 anos a classe garimpeira de Serra Pelada está esquecida pelo governo federal e que esta está sendo alvos de injustiças e do descaso. Entre as injustiças, Juarez Leal, em conversa com o Blogger, cita os direitos de mina, o ouro de Serra Pelada retido na Caixa Econômica Federal desde a época em que o garimpo funcionava, os acordos feitos entre empresas e a Coomigasp, entre outras reivindicações.

Segundo Leal, funcionários da Vale estiveram no local da interdição e solicitaram a desobstrução da ferrovia, sob a garantia que a mineradora tentaria marcar uma reunião com representantes do governo federal. Todavia, os manifestantes, cansados de promessas, não querem deixar os trilhos sem que haja um documento assinado marcando tal reunião.

A manifestação é pacífica até o momento, e, segundo Leal, “os órgãos de segurança pública – municipal, estadual e federal – foram comunicados previamente da interdição, que durará o tempo que for necessário para que as reivindicações sejam atendidas”, concluiu o presidente.

Juarez Leal garante que a partir de amanhã novos membros da classe garimpeira, que estariam nesse momento se deslocando pra marabá, chegarão ao local para fortalecer o movimento.

Estrada de Ferro Carajás
A EFC tem 892 quilômetros de extensão, ligando a maior mina de minério de ferro a céu aberto do mundo, em Carajás (PA), ao Porto de Ponta da Madeira, em São Luís (MA). Por seus trilhos, são transportados 120 milhões de toneladas de carga e 350 mil passageiros por ano. Circulam cerca de 35 composições simultaneamente, entre os quais um dos maiores trens de carga em operação regular do mundo, com 330 vagões e 3,3 quilômetros de extensão. Inaugurada em 1985, a Estrada de Ferro Carajás não é só grande: ela também lidera o ranking das ferrovias mais eficientes do Brasil graças ao nosso constante investimento em tecnologia.

Atualização às 18h35

OJPor volta das 18 horas um Oficial de Justiça esteve no local para cumprir liminar de Reintegração de Posse concedida pela juíza Adriana Karla Diniz Gomes da Costa, plantonista na Comarca de Marabá (Autos 00242399520158140040).

O cumprimento se deu de forma pacífica, tendo o funcionário do judiciário sendo acompanhado na ação pela Polícia Militar local.

Os manifestantes foram informados pelo meirinho para que se abstenham de qualquer ato que impeça a Vale de desenvolver suas atividades normais, sob a pena de multa no valor diário de R$20 mil em caso de descumprimento.

Em nota enviada ao Blog, a Vale diz:

A Vale informa que a Estrada de Ferro Carajás (EFC) foi invadida na manhã desta terça-feira, 21/7, no KM 732,  em Marabá, por integrantes da Associação Interestadual da União dos Garimpeiros de Serra Pelada (AGASPEMA). Os manifestantes reivindicam pauta com o Governo Federal e Estadual. A Vale reitera que obstruir a ferrovia é crime e que já obteve a reintegração de posse. A comunicação da decisão pelo Oficial de Justiça será feita ainda hoje.

Superintendente e Comandante da PM no sul do Pará são homenageados durante solenidade do Programa de Redução a Criminalidade em Belém

Na manhã desta terça-feira, 21, gestores do Sistema de Segurança Pública realizaram homenagem a dez policiais militares e dez policiais civis, durante solenidade alusiva ao encerramento do Ciclo 2015.1 do Programa de Redução a Criminalidade (Prec), no auditório da Secretaria de Planejamento do Estado do Pará (Seplan). O evento comemorou a redução nos índices de criminalidade em dez Regiões Integradas de Segurança Pública (RISPs) do Estado do Pará.

Durante o evento, cerca de 400 agentes de segurança receberam certificado de participação e agradecimento dos resultados obtidos em relação a diminuição dos principais tipos de delitos como homicídio, latrocínio e roubo, nos municípios do Estado, sendo eles Soure, Paragominas, Breves, Tucuruí, Redenção, São Felix do Xingu, Abaetetuba, Capanema e Altamira.

Miranda

Entre os agraciados estavam o delegado Antônio Miranda (foto), superintendente da Polícia Civil do Araguaia Paraense, com sede em Redenção, e o Coronel Oliveira (foto), comandante regional da 13ª RISP, onde graças as ações de repressão ao tráfico de drogas, com a locação de servidores em locais estratégicos e as operações na zona rural – onde via de regra o policiamento é fraco – e reforçando o policiamento nas vilas, o crime de homicídio doloso, que serve como parâmetro para criminalidade, foi reduzido em 20% na região.

O evento contou comas as ilustres presenças do secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, General Jeannot Jansen, do comandante geral da PM no Pará, coronel Campos, e do delegado geral de Polícia Civil, Rilmar Firmino de Souza, além de autoridades das polícias civil e militar e agraciados.

O Projeto Piloto 2013 do Programa de Redução da Criminalidade foi implantado em outubro de 2013, na Região Metropolitana de Belém, visando estabelecer e regular o modelo de gerenciamento para a redução da criminalidade na RMB, a ser operacionalizado pelas instituições diretamente envolvidas no programa (Segup, Polícia Militar e Polícia Civil). Em janeiro de 2014 o programa passou a funcionar em todas as regiões 15 integradas de Segurança Pública do Estado (Risps).

O programa se baseia em metas de redução de crimes (Indicadores de Criminalidade) previamente fixadas e estabelecidas para cada Área Integrada de Segurança Pública (Aisp), com responsabilidade compartilhada pelas Polícias Militar e Civil, por meio das coordenadorias colegiadas.

Justiça do Maranhão suspende projeto de duplicação da Estrada de Ferro Carajás

A Justiça Federal concedeu liminar que suspende a licença de instalação da Estrada de Ferro Carajás (EFC), da Vale, em relação ao trecho que causou impacto aos indígenas Awá-Guajá, da terra indígena Caru, até que a consulta prévia aos índios seja realizada.

ferrovia_carajasA medida é resultado de ação ajuizada pelo Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA) que acusa a Vale, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Fundação Nacional do Índio (Funai) de praticarem irregularidades durante o processo de licenciamento.

A Vale afirmou hoje (21), em nota, que foi intimada da decisão do Juiz da 8ª Vara Federal do Maranhão, que determinou a suspensão das obras de ampliação da Estrada de Ferro Carajás no trecho próximo à Terra Indígena Caru.

A Vale foi intimada da decisão do Juiz da 8a. Vara Federal do Maranhão, que determinou a suspensão das obras de ampliação da Estrada de Ferro Carajás (EFC) no trecho próximo à Terra Indígena Caru, entre os quilômetros 274 e 326 da ferrovia, no município de Alto Alegre do Pindaré (MA). A Vale informa que as obras de ampliação estão sendo realizadas dentro da faixa de domínio da EFC e o processo de licenciamento seguiu estritamente a legislação aplicável, tendo autorização do IBAMA e da FUNAI. A Vale adotará os recursos e medidas cabíveis para o restabelecimento das obras”, diz a nota da mineradora.

Segundo informações transmitidas diretamente por indígenas e por entidades indígenas ao MPF/MA, atos administrativos referentes à duplicação da Estrada de Ferro Carajás estavam sendo realizados sem a consulta prévia adequada e legal aos povos indígenas localizados na área, o que aumentaria os impactos já gerados na região pela ferrovia.

Ainda assim, o Ibama emitiu licença de instalação em favor da obra, mesmo observando os impactos aos índios e sem a fase de consulta livre e informada ao povo impactado. A Funai não realizou adequadamente a consulta prévia aos índios e posicionou-se favoravelmente ao empreendimento. Constatou-se, ainda, a atuação inadequada da Vale ao oferecer, por meio de funcionários, bens e produtos aos indígenas, buscando colaboração para a realização do empreendimento.

De acordo com o MPF/MA, a duplicação da Estrada de Ferro Carajás poderá gerar danos irreversíveis ao meio ambiente e à cultura dos Awá-Guajá. Além de suspender a licença de instalação da ferrovia e determinar a abertura da fase de consulta prévia, a Justiça determinou que a Vale não poderá mais fazer promessas ou enviar bens aos índios antes e durante a realização do período de consulta.

Os Awá-Guajá são um dos poucos grupos indígenas no país considerados quase isolados, que preservam um estilo de vida distinto e autônomo. Porém, de acordo com análise pericial realizada pelo MPF/MA em 2013, embora regularizadas, as terras indígenas dos Awá encontram-se invadidas e ameaçadas por não índios e por projetos econômico-mineradores.

Carajás inova na calibragem de pneus de caminhões

A Vale, em Carajás, adotou um novo modelo para calibragem de pneus de caminhões pesados, baseado no sistema de pit stop e que utiliza elementos de automação, além de otimização dos acessórios no layout. A inovação foi integralmente desenvolvida pelas equipes de Carajás e não existe em outras empresas que utilizam os mesmos modelos de equipamentos de mina, segundo nota publicada, hoje (17), pela mineradora.

Caminhões fora de estrada em CarajásA calibragem de pneus de caminhões ficou mais rápida e segura em Carajás. Até pouco tempo, os pneus dos caminhões fora de estrada eram calibrados individualmente após o processo de abastecimento nos postos, o que levava cerca de 1 hora e 15 minutos no total. Esse tempo caiu, atualmente, para 18 minutos, com a adoção de um novo conceito para calibragem, baseado no sistema de pit stop e que utiliza automação, além de otimização dos acessórios no layout.

A inovação foi integralmente desenvolvida pelas equipes de Carajás e não existe em outras empresas que utilizam os mesmos modelos de equipamentos de mina.

Implementado em 90 dias, o projeto da Unidade Móvel de Calibragem (UMC) já mostra resultados expressivos em produtividade. O equipamento calibra os seis pneus dos caminhões simultaneamente, através de seis injetoras, ligadas a um painel de comando no qual são inseridos os valores de pressão desejados – como se fosse um equipamento de calibragem normal em um posto de combustível. Mais do que isso, o ajuste das pressões é feito por meio de cálculos que ponderam qual pressão é a mais adequada, considerando a temperatura interna do pneu. O indicador é acompanhado via telemetria, pelo Sistema de Monitoramento Remoto de Pneus.

Casos de dengue caem 41% no 1° semestre de 2015 em Parauapebas

dengueOs casos confirmados de dengue no município de Parauapebas caíram 41% comparando os números entre o primeiro semestre de 2015 com o mesmo período de 2014. De acordo com os dados do Sistema Informações de Agravos Notificados (Sinan) de janeiro a junho de 2014, foram registrados 488 casos de dengue, já em 2015 esse número caiu para 287 casos confirmados.

De acordo com Marcelo Silva, diretor do departamento de Vigilância em Saúde (Visa) da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), essa redução é fruto de muito trabalho dos agentes de endemias que realizam visitas domiciliares diariamente para sensibilizar a população com relação aos cuidados para evitar criadouro do mosquito da dengue.

“Temos 76 agentes de endemias realizando esse trabalho permanentemente”, destacou Marcelo Silva. Também de acordo com os dados da Visa no primeiro semestre de 2014 foram notificados 656 casos, já nesse ano, no mesmo período, o número caiu para 580 registros de notificação, uma redução de 11%.   

Vigilância em saúde“Parauapebas desponta no ranking de casos notificados no Estado em função do trabalho realizado junto aos profissionais que atuam na urgência e emergência do município. Os profissionais são orientados a realizar a notificação em caso de suspeita, prova disso é que o número de casos confirmados é bem menor que o registro de notificações”, informou Marcelo Silva.

Apesar da expressiva redução do número de casos confirmados a necessidade de manter a população alerta quanto aos cuidados com relação à dengue permanece e será intensificada a partir de agosto com mutirões e uma intensa campanha de comunicação. “Nosso objetivo é se antecipar ao período chuvoso e envolver a população para que os números de casos de dengue caiam ainda mais no município”, destacou o responsável pela Visa.

Fonte: ASCOM PMP

Flores de ipês encantam moradores, turistas e visitantes da cidade de Parauapebas

Por Fábio Relvas – Da Redação

Flores de Ipê 5

Nesta época do ano, entre os meses de julho, agosto e até a primeira quinzena de setembro, a cidade de Parauapebas recebe o colorido das flores de ipês. As árvores estão espalhadas por todo o país e aqui na cidade se estendem ao longo do trecho da PA-275 passando pelas principais ruas do município.

Flores de Ipê 2Os ipês possuem várias espécies de flores com diversificação em suas cores: amarelo, branco, roxo e rosa. As pessoas que passam pelo local ficam encantadas com a paisagem que chama a atenção mesmo à distância. “Muito lindo. É maravilhoso. Essas flores, essas sombras, muito bom. Se fosse o ano todinho era melhor ainda, poder andar debaixo dessas árvores, dessas flores que são muito lindas”, afirmou Gildenia de Oliveira, dona de casa.

Aproximadamente 300 árvores de ipês, que nesta época do ano desabrocham melhorando a arborização urbana da cidade e deixando muito mais bonita e encantadora são vistas em Parauapebas. Mas a beleza dura pouco, já que mais ou menos em uma semana, as flores caem e enfeitam o chão da cidade. “Eu não moro aqui dentro da cidade, mas acho bonito esse tipo de coisa. Moro numa vila distante daqui 70 km, mas acho lindo a cor que a cidade recebe nessa época do ano”, declarou Manoel Pinto, auxiliar de serviços gerais.

Quem passa pelo local não perde a oportunidade de registrar o momento, as fotos e as filmagens são inevitáveis. Moradores, visitantes, turistas, enfim, o colorido das flores de ipê, encanta a todos. A beleza natural só pode ser vista uma vez por ano e a maior concentração é no centro da cidade na PA-275, por onde passam muitos pedestres, ciclistas e motoristas. “Eu acho é bonito essas flores quando estão tudo floradinhas. Bonito demais, é sombra e é bom pra gente mesmo. Dá um ar do tempo”, falou Deudete Alves, armador.

Flores de Ipê 4Além das belezas das cores, as árvores de ipês servem de sombra para as pessoas e pássaros que se aproximam das flores. A floração dos ipês se tornou uma tradição anual na cidade. “Eu acho uma belezura (risos). Bom demais. De manhã cedinho eu faço caminhada, ai quando eu venho tá lindo. Apesar do clima que a gente vive hoje até que dá uma pazinha, uma sensação melhor”, disse Sandra Sousa, dona de casa.

As árvores de ipê foram plantadas há mais de duas décadas, ainda na gestão do ex-prefeito Faisal Salmen. Algumas dessas árvores já estão por merecer uma atenção especial das secretarias de urbanismo, meio ambiente e administração, pois algumas delas já estão doentes, apresentando fungos e apodrecimento. A que se sabe, jamais receberam qualquer tipo de tratamento.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com