Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Jacundá

Votação do primeiro turno termina com uma prisão em Jacundá

Além de estar cometendo crime eleitoral, o infrator se rebarbou, partiu pra cima dos policiais e ainda se refugiou na casa de um amigo. Foi preso mesmo assim e ainda está atrás das grades
Continua depois da publicidade

A presença de boca de urnas foi combatida veemente na cidade de Jacundá durante o dia de ontem. Quatro pessoas foram conduzidas à Delegacia de Polícia Civil e uma delas permaneceu presa. Material de campanha de candidatos também foi apreendido. Atuou na intensa fiscalização uma força tarefa formada pela Justiça Eleitoral, Ministério Público, Polícia Militar e Civil e mais de 70 homens das Forças Armadas.

Na parte da amanhã, o promotor Sávio Ramon Batista da Silva apresentou três pessoas na delegacia de Jacundá. O grupo distribuía material de propagada da candidata a deputada estadual Lane Pinheiro. Nesse caso, segundo explica o delegado Marco Mayer, responsável por ouvir os acusados, todos foram liberados e vão responder a um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

O caso mais grave foi registrado por volta de 16h na frente da escola Rosália Correia, um dos locais de votação mais movimentado do dia. Lá, ainda sem muita explicação, Carlos Fernandes, cabo eleitoral da candidata Lane Pinheiro, se envolveu numa confusão com dois policiais militares.

Veja também:  Candidatos “sem-santinhos” reclamam de atraso no repasse de recursos dos partidos

O comandante da PM de Jacundá, major Fábio Rayol explicou que os militares receberam denúncia que o cabo eleitoral estaria realizando boca de urna. E ao ser abordado pelos policiais, ele teria reagido e após receber voz de prisão fez ameaças aos militares, que tentaram imobilizá-lo. “A reação dele foi violenta”. As imagens gravadas por populares mostram uma intensa briga corporal entre Carlos Fernandes e os policiais.

O acusado se refugiou na residência de um conhecido e os policias pediram reforço. Carlos foi convencido a se entregar. Ele foi ouvido na manhã desta segunda-feira, 8, pela equipe do delegado Marco Mayer.

As acusações são por crime eleitoral, (distribuição de material de propaganda e tentativa de compra de votos), agressão física (lesão corporal), danos, ameaças, desacato e resistência à prisão. Até o fechamento desta matéria, o acusado aguardava uma decisão da Justiça.

Seja o primeiro a escrever um comentário

  1. A degradação geral, policiais despreparados, mal pagos, sem cultura, são apenas fantoches de um sistema falido. Do outro lado uma população tosca, miserável, sem educação, sem princípios morais e éticos, um povo gado. Uma herança maldita implantada pela facção do mal do PT. PT NUNCA MAIS!!!

Deixe uma resposta