Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Criminalidade

Violência mata 325 no Pará e dá ‘troféu’ de 3º mais letal do país em setembro

Taxa de assassinato paraense só é superada por Roraima e Ceará. Em números absolutos, o Pará matou mais que estado de São Paulo, cinco vezes mais populoso. Só Bahia, Rio e Ceará sepultaram mais.

O Pará aumentou, em setembro, o número de vítimas fatais da onda desenfreada de criminalidade que o assola. De acordo com o projeto Monitor da Violência, do portal G1, divulgado na manhã desta quinta-feira (15), 325 pessoas perderam a vida de forma violenta no estado. São 18 mortes a mais em relação ao mês anterior, agosto.

De forma lamentável, o Pará aparece como um dos mais mortais em setembro, com taxa de 3,8 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes. Só Roraima, com taxa de 7,5 mortes por 100 mil, e Ceará, com 4,3 por 100 mil, apresentaram índices de violência proporcionalmente maiores. Além disso, o número absoluto de óbitos violentos aqui no estado é tão elevado que consegue superar o total de São Paulo, que apresentou 261 mortes em setembro e é cinco vezes mais populoso que o Pará.

Em números absolutos, aliás, o total de assassinatos do Pará só é menor que o da Bahia (401), Rio de Janeiro (396) e Ceará (391), embora o estado nortista seja o nono mais populoso do Brasil.

O especialista em violência ouvido pelo projeto Monitor da Violência, Clay Nunes Chagas, professor da Universidade do Estado do Pará (Uepa), diz que o crime associado ao tráfico de drogas, que recruta jovens de baixa escolaridade, é grande estimulador da criminalidade. Ele observa que o jovem traficante tanto é autor de crimes quanto vítima dessas circunstâncias. Além disso, a prática continuada de roubo, especialmente na periferia, é motor dos assassinatos.

Veja também:  Municípios do Pará saqueados em esquema criminoso estão entre os mais pobres do país

Para o professor, é necessário investir em aparelhamento e em recursos humanos da área de segurança pública, valorizando policiais militares, civis e peritos, por exemplo. Chagas também destaca ser preciso criar estratégias educativas, por meio das escolas, para que adolescentes e jovens enxerguem na educação a possibilidade de um futuro próspero, longe do submundo da criminalidade.

Situação no Brasil

Pela contagem do Monitor da Violência, o Pará enterrou entre janeiro e setembro quase 3.000 vidas, perdidas na batalha contra a violência, esta a qual é liderada pelos crimes de homicídio doloso. Os números assemelham-se aos de uma guerra.

Mas o Pará não está só. O projeto calcula que cerca de 38,5 mil pessoas foram mortas este ano Brasil adentro em razão de violência, sem contar os dados de setembro do Maranhão e dos meses de julho, agosto e setembro do Paraná. Em 2017, o Monitor da Violência computou 59,1 mil assassinatos no país, sendo 4.043 deles ocorridos no Pará.

Deixe uma resposta