Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Pará

Trabalhadores em situação análoga à escravidão resgatados em Tailândia

Homens foram trazidos do Nordeste e vendiam panelas para o empregador e dormiam em redes armadas em árvores

Uma operação conjunta da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Ministério Público do trabalho (MPT), Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e Exército Brasileiro (EB) resgatou 6 trabalhadores na madrugada desta a quarta-feira (3), na cidade de Tailândia, Nordeste do Pará.

Imagens feitas por celular mostram as condições precárias vividas pelos trabalhadores encontrados pelos órgãos federais, que chegaram ao grupo após recebimento de uma denúncia. Pelas imagens, os homens dormiam em redes amarradas aos pés de árvores plantadas em vias públicas da cidade. Alguns utensílios domésticos também aparecem nas imagens.

Os resgatados, todos oriundos da região Nordeste brasileira, trabalhavam em condições análogas à escravidão, vendendo panelas pelas ruas da região sem nenhuma garantia trabalhista, sem condições adequadas de trabalho, sem alojamento (dormiam em redes armadas a arvores) e com dívidas com o empregador geradas desde o início da viagem de sua origem para o estado do Pará.

De acordo com os trabalhadores, só recebia alimentação aquele que batia as metas de venda e o transporte era feito no compartimento de carga de um caminhão baú. Inclusive, todos eles já possuíam dívidas de até R$ 2.000 com o empregador, geradas desde o início da viagem do Nordeste para o estado do Pará de forma a ficarem presos àquelas condições inadequadas por conta dessas dívidas e ameaças.

Veja também:  Sul e sudeste do Pará têm 21 propriedades na “lista suja” do trabalho escravo

Os trabalhadores resgatados foram alojados em um hotel da cidade e a partir desta quinta-feira receberão apoio logístico para retornarem às suas cidades de origem. O acusado responderá na justiça pelos crimes previstos no Art. 149 do Código Penal Brasileiro. A prisão não foi efetuada por conta a legislação eleitoral. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados.

Antonio Barroso – de Jacundá

Deixe uma resposta