Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Guerrilha do Araguaia

STJ manda TRF-1 se manifestar sobre crime ocorrido na ditadura em Marabá

Segundo MPF, Divino foi sequestrado e levado com vida para a base militar da Casa Azul, em Marabá. Após interrogado, nunca mais foi visto.

A 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou nesta terça-feira (13) que o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) se manifeste sobre a impossibilidade de prescrição do crime de sequestro cometido pelo Major reformado do Exército, Lício Augusto Maciel, um dos comandantes das tropas que atuaram contra a Guerrilha do Araguaia.

O Major da reserva Lício Augusto Maciel, que usava na época o codinome de doutor Asdrúbal, é acusado de sequestrar Divino Ferreira de Sousa, único de quatro guerrilheiros do PCdoB que foi levado vivo às dependências do Exército após serem capturados por militares.

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), Divino foi sequestrado e levado com vida para a base militar da Casa Azul, em Marabá, no Pará. Apesar de ferido, Divino foi interrogado e submetido a grave sofrimento físico em razão da natureza da detenção. Após isso, não mais foi visto.

Ainda segundo MPF, entre as testemunhas do sequestro de Divino está o militar José Vargas Jimenez, que escreveu um livro sobre a repressão à guerrilha e depois confirmou todas as informações em depoimento oficial às autoridades brasileiras. Ele disse que Divino foi capturado com vida e levado para as dependências do Exército. No mesmo sentido é o testemunho de Manoel Leal Lima, o Vanu, que servia de guia para o grupo de militares durante a emboscada.

Veja também:  Cantor de Marabá preso acusado de estuprar menina de 12 anos

Vanu afirmou ao MPF que os militantes políticos encontrados em 14 de outubro de 1973 não representavam ameaça pois estavam abatendo porcos para a alimentação no momento da captura. Eles poderiam ter sido rendidos, mas foram mortos, com exceção de Divino, levado vivo para a cidade de Marabá. Ainda segundo Vanu, Divino Ferreira de Souza, após interrogado, nunca mais foi visto.

Tanto Vanu quanto Jimenez e outras testemunhas relataram ao MPF os sepultamentos dos três militantes do PCdoB mortos na ocasião da prisão de Divino. Jimenez contou que um dos corpos teve o dedo cortado por um soldado, que descarnou o dedo e passou a usar o osso do guerrilheiro como amuleto.

Sobre a morte de Divino, não há relatos consistentes. O que se sabe é que ele foi capturado, interrogado e depois desapareceu. Por esse motivo, o MPF argumenta que o sequestro ainda não terminou.

Com base na Lei da Anistia, o TRF-1 determinou o trancamento da ação penal. No entanto, no entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), sequestro é crime permanente e não está abarcado pela lei da anistia. (Com informações do MPF-PA)

Deixe uma resposta