Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Sete são condenados a quase 50 anos por mega-assalto à Prosegur em Marabá

Quadrilha levou mais de R$17 milhões em assalto espetacular que parou a cidade. Penas variam entre 42 e 47 anos de prisão.

Em uma longa decisão judicial de 51 páginas, a juíza Renata Guerreiro Milhomem de Souza, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Marabá, acaba de prolatar uma das maiores sentenças criminais já publicadas no Diário de Justiça Eletrônico do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, nesta cidade.

Ela condenou sete membros da temida quadrilha que tocou o terror em Marabá no inesquecível dia 5 de setembro de 2016. Um dos fatos novos revelados na sentença afasta as especulações sobre o valor roubado. Segundo a denúncia do Ministério Público Estadual, a quadrilha levou pouco mais de R$ 17 milhões dos cofres da Prosegur, então localizada na Rua Itacaiunas, bairro Novo Horizonte.

Os sete sentenciados de forma implacável pela juíza Renata Guerreiro foram: Antonio Rangel Duarte Lima (o Bin Laden), Nilvan Pereira da Silva, Edvaldo Pereira da Cunha, Leonardo Freire de Souza, Leilane Barbosa Sales, Meury Cristina Pereira da Silva e Walt Rafael Sousa de Araújo. Eles foram condenados pela prática de seis crimes: roubo quadruplamente majorado; dois roubos triplamente majorados; dois incêndios realizados em caminhões; uma tentativa de latrocínio contra policiais do grupamento tático operacional; associação criminosa armada; e posse/porte de arma de fogo, munições e explosivos de uso restrito/proibido.

Rangel Duarte de Lima (Bin Laden)

Rangel Duarte de Lima, o Bin Laden, já tinha sido condenado a 41 anos de prisão outro crime: extorsão mediante sequestro do funcionário de uma agência bancária de Marabá. Por ter colaborado com a justiça, ele pegou cinco anos a menos de prisão que os demais acusados.

Em sua decisão, a juíza Renata Guerreiro faz a seguinte avaliação dos réus: “Os acusados, à exceção de Antônio Rangel, limitaram-se a negar, genericamente, as imputações em juízo, sem apresentarem álibis que pudessem confirmar suas versões. Como a defesa não se desincumbiu do ônus previsto no artigo 156 do Código de Processo Penal, tal arguição tornou-se vazia. O fato é que as provas colhidas no feito, tanto em fase inquisitorial quanto em contraditório, demonstram cabalmente o envolvimento dos réus na prática dos delitos pelos quais estão sendo condenados nesta sentença. De outro lado, por qualquer dos ângulos que se observe o caso, é possível concluir que os acusados estavam associados para o fim específico de cometerem crimes, dentre os quais os previstos no art. 157, § 2º, I, II, III e V do CPB contra a empresa de valores Prosegur”.

Veja também:  Justiça manda suspender decoração natalina milionária em Parauapebas

Seis advogados atuaram na defesa dos réus durante a ação penal, sendo quatro do Pará e dois do Tocantins, mas nenhum deles conseguiu baixar a sentença para menos de 40 anos de prisão a seus clientes.

Abaixo, veja a pena que cada condenado teve na longa decisão judicial da juíza Renata Guerreiro:

1) ANTONIO RANGEL DUARTE LIMA: 42 anos, 9 meses e 15 dias de pena privativa de liberdade na modalidade reclusão, bem como ao pagamento de 1016 dias multa, fixado cada dia multa em 1/30 do salário mínimo vigente na data do fato;

2) NILVAN PEREIRA DA SILVA: 47 anos, 3 meses e 15  dias de pena privativa de liberdade na modalidade reclusão, bem como ao pagamento de 1132 dias multa, fixado cada dia multa em 1/30 do salário mínimo;

3) EDVALDO PEREIRA DA CUNHA: 47 anos, 3  meses e 15 dias de pena privativa de liberdade na modalidade reclusão, bem como ao pagamento de 1132 dias multa, fixado cada dia multa em 1/30 do salário mínimo vigente na data do fato;

4) LEONARDO FREIRE DE SOUZA: 47 anos, 3 meses e 15 dias de pena privativa de liberdade na modalidade reclusão, bem como ao pagamento de 1132 dias multa, fixado cada dia multa em 1/30 do salário mínimo vigente na data do fato;

5) LEILANE BARBOSA SALES: 47 anos, 3 meses e 15 dias de pena privativa de liberdade na modalidade reclusão, bem como ao pagamento de 1132 dias multa, fixado cada dia multa em 1/30 do salário mínimo vigente na data do fato;

6) MEURY CRISTINA PEREIRA DA SILVA: 47 anos, 3 meses e 15 dias de pena privativa de liberdade na modalidade reclusão, bem como ao pagamento de 1132 dias multa, fixado cada dia multa em 1/30 do salário mínimo vigente na data do fato;

7) WALT RAFAEL SOUSA DE ARAÚJO: 47 anos, 3 meses e 15 dias de pena privativa de liberdade na modalidade reclusão, bem como ao pagamento de 1132 dias multa, fixado cada dia multa em 1/30 do salário mínimo vigente na data do fato.

Por Ulisses Pompeu – de Marabá
Foto: Breno Pompeu

Seja o primeiro a escrever um comentário

Deixe uma resposta